Podcasts

A Vida de Santo Euphrosyne de Połack

A Vida de Santo Euphrosyne de Połack


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A Vida de Santo Euphrosyne de Połack

Apresentado e traduzido por Alexander Nadson

Journal of Belarusian Studies, Vol.51: 1 (1969)

Introdução: Santo Euphrosyne (c. 1105-1167) era a neta do famoso príncipe polaco, Usiaslau (Vseslav), cujo longo reinado (1044-1101) e muitas façanhas - em particular a sua luta determinada contra Kiev - causaram grande impressão em seus contemporâneos que se recusaram a acreditar que ele fosse um mortal comum. Assim, a crônica de Kiev contemporânea atribuiu seu nascimento ao encantamento: ”Naquele ano (1044) Bracyslau morreu ... e seu filho Usiaslau, nascido de sua mãe por meio de feitiçaria, sentou-se no trono. Quando ele nasceu, havia uma marca em sua cabeça e os feiticeiros disseram a sua mãe: 'Coloque uma faixa em volta de sua marca, e deixe-o usar por toda a vida.' Assim Usiaslau a usa até os dias atuais: é por isso que ele é impiedoso quando se trata de derramamento de sangue. "Quase um século depois, o autor da campanha da balada de Igor deu a seguinte descrição de Usiaslau:" O príncipe Usiaslau julgou o povo, concedeu cidades aos príncipes, mas à noite ele rondava em o disfarce de um lobo. Ele correria de Kiev a Tmutorkan antes do canto do galo e, na forma de um lobo, cruzaria os caminhos dos grandes Chors. Para ele, os sinos da catedral da Sagrada Sabedoria em Polack dobrariam pelas mattins nas primeiras horas da manhã, e ele os ouviu quando chegou a Kiev.

A jovem Pradslava - esse era o nome de Euphrosyne antes de assumir o véu - parece ter herdado muitos traços do caráter de seu avô, em particular sua força de vontade, energia e determinação para perseverar no caminho escolhido. Isso se manifestou cedo em sua vida, quando ela recusou todas as propostas de casamento e, sem o conhecimento de seus pais, fugiu para o convento do qual sua tia era abadessa. Mais tarde, ela fundou um convento próprio e lá se juntou sua irmã, seu primo e duas sobrinhas. Essa não foi uma conquista fácil, pois - ao contrário do costume no Ocidente e em Bizâncio - era incomum para uma jovem na Bielo-Rússia e em outras terras eslavas orientais daquela época escolher a vida monástica em vez do casamento. Isso pode explicar em parte por que Euphrosyne permaneceu até os dias de hoje como a única virgem santo eslavo oriental.


Assista o vídeo: Microbiografía (Pode 2022).