Podcasts

A escala da invasão de escravos e do comércio de escravos na Nortúmbria e na Irlanda, séculos 7 a 11

A escala da invasão de escravos e do comércio de escravos na Nortúmbria e na Irlanda, séculos 7 a 11


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A escala da invasão de escravos e do comércio de escravos na Nortúmbria e na Irlanda, séculos 7 a 11

Por Janel M. Fontaine

Artigo apresentado no Congresso Internacional Medieval de 2014 na Universidade de Leeds

Introdução: A invasão de escravos e o comércio de escravos no início da Idade Média da Nortúmbria e na Irlanda foram processos transculturais e inter-regionais, envolvendo a escravidão e o transporte de pessoas através de fronteiras permeáveis. Esse conflito e troca de grupos vinculados por todas essas regiões, razão pela qual eles merecem ser examinados como um todo interconectado. A Irlanda e a Nortúmbria estiveram assim ligadas durante o sétimo ao décimo primeiro século, tornando possível comparar e contrastar a invasão de escravos e o comércio durante um longo período.

Na historiografia atual, a escravidão inglesa está ganhando impulso, mas a escravidão irlandesa permanece surpreendentemente pouco estudada e tende a se concentrar na atividade viking. Em ambas as regiões, o assunto fica aquém dos estudos sobre o tráfico continental de escravos. A falta de conexões feitas entre a escravidão na Inglaterra e na Irlanda continua sendo uma lacuna na bolsa de estudos. Isso é especialmente verdadeiro porque cada um funcionava como uma base de ataque ou saída de comércio para o outro.

Espero demonstrar que o ataque de escravos antes dos vikings era um sistema oportunista em que os cativos eram subprodutos da guerra e o comércio de escravos era pouco frequente,Ad hoc processar. Os mercadores que apoiavam esse comércio esporádico negociavam com escravos ocasionalmente e não participavam da escravidão. Com o desenvolvimento do sistema de comércio escandinavo, os invasores Viking se tornaram fornecedores e comerciantes. Eles encorajaram os ingleses e irlandeses a se tornarem fornecedores também, oferecendo um mercado maior, transformando o comércio de escravos em uma empresa lucrativa. Como resultado, o volume do comércio de escravos aumentou dramaticamente, alterando fundamentalmente o escopo dessas práticas já estabelecidas.

Mas seria uma mentira alegar que havia uma abundância de fontes disponíveis. Quase todos os sobreviventes da Irlanda e da Nortúmbria ocorrem em um contexto altamente distorcido ou ambíguo. Anais e histórias apresentam a escravidão em relação ao conflito armado, fazendo com que a situação pareça inteiramente política. A haagiografia menciona a escravidão apenas quando ela entra em conflito com a salvação, tornando-a uma dicotomia entre pagãos e forasteiros, e cristãos e iniciados. Os textos legais podem tratar o comércio de escravos como uma tradição ideológica ou como uma preocupação em desenvolvimento de construção do Estado. Essas lacunas nas evidências tornam difícil responder a perguntas básicas como: quem eram os invasores de escravos e quem eram os mercadores? Em que contexto as pessoas foram escravizadas? Apesar disso, é fundamental lembrar que a falta de fontes não precisa denotar a falta de escravidão. Do período romano, temos apenas uma referência textual ao comércio de escravos no norte da Grã-Bretanha, em algumas linhas de JustinianoDigerir. No entanto, aceitamos que o comércio de escravos era um fato da vida romano-britânica.


Assista o vídeo: CUSTO DE VIDA NA IRLANDA. GASTOS MENSAIS. Maria Quer Viajar (Julho 2022).


Comentários:

  1. Iphicles

    Quero dizer que você não está certo. Entre que discutiremos. Escreva para mim em PM, vamos conversar.

  2. Edwaldo

    Aqui e assim também acontece :)

  3. Tupi

    Você não está certo. Estou garantido. Escreva para mim em PM, discutiremos.

  4. Groshura

    Não no presente caso.

  5. Thorndyke

    Eu sento e não tropeço quando o autor chegou a isso por conta própria

  6. Malataur

    Linda mensagem



Escreve uma mensagem