Podcasts

Joana d'Arc, uma Antígona medieval e um mito (pós-) moderno?

Joana d'Arc, uma Antígona medieval e um mito (pós-) moderno?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Joana d'Arc, uma Antígona medieval e um mito (pós-) moderno?

Por Dulce Martinho

Trabalho entregue em A Europa das Nacionalidades Mitos de Origem: discursos modernos e pós-modernos (2011)

Introdução:O mito de Antígona nos espia e sussurra que é o alfabeto da nossa nova experiência, que esta será espontânea e imediata e mais fácil de viver considerando a presença da mitologia, como uma presença latente, vaso de prata que se tornará repleto de pensamento e vida. ~ George Steiner, 1999

No Antigones (1984) - com o título assim, no plural - George Steiner é peremptório sobre a vitalidade criativa do material narrativo dos mitos e lendas helenísticas como raiz tangível e guia de nossa consciência coletiva, do espírito moderno europeu. O autor de After Babel. Aspectos da Língua e Tradução mantém a opinião de que:

É nesses mitos “primordiais” que nossa consciência encontra o retorno sempre renovado ao mais profundo conforto e terror de suas próprias origens, um retorno durável e forçado pela realização formal, pela coerência narrativa, pela sedução lírica e plástica que os gregos espírito enfrentou a estranheza inquietante e o mal.(STEINER, 2008: 139).

E, ao longo dos temas míticos gregos, Steiner sublinha «o mito de Antígona [que] corre intacto há mais de dois milênios»(STEINER, 2008: 119) para concluir que «ainda hoje novas“ Antígonas ”são imaginadas, concebidas, vividas, e assim será amanhã» (STEINER, 2008: 329)

Assumido «Mestre da leitura» e eterno combatente da intimidade com os clássicos, Steiner dá absoluta primazia à Antígona de Sófocles entre as inúmeras figurações artísticas desse mito e ilumina - desde o início - que, em seu exercício hermenêutico monteniano - interpretação das interpretações - sem a ambição impossível de esgotar o sujeito ou motivos cronológicos sistemáticos, buscará antes a resposta para a pergunta: «porque são as“ Antígonas ”tão verdadeiramente eternas e imediatas em relação ao presente?» (STEINER, 2008: 13) . Daí vem o subtítulo do livro a que nos referimos: Como perdurou a Antígona Legende na Literatura, Arte e Pensamento Ocidental e o mote para as reflexões que sustentam o nosso discurso.

Na verdade, esta viagem sobre o tema de Antígona no pensamento do Ocidente trouxe-nos um eco de outra figura feminina - esta verdadeiramente real, histórica - mais próxima de nós no tempo e no espaço, mas igual e estranhamente (ou não) titular de uma aura singular. Jovem guerreira pelo povo, vítima das teias religiosas e políticas do seu tempo, com um destino / carreira extraordinário, trazemo-la aqui pela personagem de figura mítica que sempre teve pelo povo francês. Falamos sobre Joana d'Arc, a heroína mais venerada e lendária do gaulês.


Assista o vídeo: JOANA DARC - Mexe Mexe - Aqui Portugal - Vieira do Minho (Pode 2022).