Notícia

Os principais eventos nos primeiros 6 meses da Grande Guerra

Os principais eventos nos primeiros 6 meses da Grande Guerra


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O arquiduque austríaco e herdeiro do trono, Franz Ferdinand, foi assassinado na Bósnia por terroristas hostis à presença da Áustria nos Bálcãs. Em resposta, o governo austríaco emitiu um ultimato à Sérvia. Quando a Sérvia não se submeteu incondicionalmente às suas exigências, os austríacos declararam guerra.

O imperador austríaco Franz Josef acreditava erroneamente que poderia fazer isso sem atrair a hostilidade de outros países. A declaração de guerra austríaca gradualmente atraiu muitas das outras potências para a guerra por meio de um sistema complexo de alianças.

Depois que a Primeira Guerra Mundial estourou, Flora Murray e Louisa Garrett Anderson estabeleceram um hospital em um grande e abandonado asilo na Endell Street de Covent Garden. A maravilha médica que surgiu tratou de 26.000 homens feridos nos quatro anos seguintes e foi composta inteiramente por mulheres. Wendy Moore se juntou a Dan no casulo para contar essa história notável e discutir o legado dessas mulheres pioneiras.

Ouça agora

Guerra no oeste

No final desses 6 meses, surgiu um impasse na frente ocidental. As primeiras batalhas eram diferentes e tendiam a envolver mudanças de posse muito mais dinâmicas.

Em Liege, os alemães estabeleceram a importância da artilharia bombardeando uma fortaleza mantida pelos Aliados (britânicos, franceses e belgas). Os britânicos os mantiveram na Batalha de Mons não muito depois, destacando que uma força pequena e bem treinada poderia conter um inimigo numericamente superior de menor habilidade.

Em seus primeiros combates na guerra, os franceses sofreram enormes perdas devido a abordagens desatualizadas da guerra. Na Batalha das Fronteiras, eles invadiram a Alsácia e incorreram em perdas catastróficas, incluindo 27.000 mortes em um único dia, o maior número de mortos por um exército da Frente Ocidental em qualquer dia da guerra.

A Batalha das Fronteiras.

Em 20 de agosto de 1914, soldados alemães capturaram Bruxelas como parte de sua marcha para a França via Bélgica, a primeira parte do Plano Schlieffen. Os Aliados interromperam esse avanço fora de Paris na Primeira Batalha do Marne.

Os alemães então recuaram para uma crista defensiva no rio Aisne, onde começaram a se entrincheirar. Isso deu início ao impasse na Frente Ocidental e marcou o início da corrida para o mar.

No final de 1914, estava cada vez mais claro que nenhum exército flanquearia o outro e a batalha no oeste tornou-se por pontos estratégicos na frente que agora se estendia em trincheiras da costa do Mar do Norte até os Alpes. Em uma batalha de um mês de 19 de outubro de 1914, um exército alemão, muitos deles estudantes reservistas, atacou sem sucesso com grandes baixas.

Em dezembro de 1914, os franceses lançaram a Ofensiva de Champagne na esperança de quebrar o impasse. Muitas de suas batalhas foram inconclusivas, mas continuou em 1915 com poucos ganhos, mas milhares de baixas.

Novembro de 2020 marca 100 anos desde que o guerreiro desconhecido foi sepultado na Abadia de Westminster. Para o centenário, Dan Snow visita a Abadia e o Museu do Exército Nacional para aprender mais sobre uma história não contada por trás do Guerreiro Desconhecido.

Assista agora

Em 16 de dezembro, navios alemães dispararam contra civis nas cidades britânicas de Scarborough, Whitley e Hartlepool. O bombardeio causou 40 mortes e foi o primeiro ataque a civis britânicos em solo nacional desde o século XVII.

Em um momento inesperado de boa vontade, soldados de todos os lados declararam uma trégua de Natal em 1914, um evento que agora se tornou lendário, mas na época foi visto com suspeita e levou os comandantes a trabalharem para restringir a confraternização futura.

Guerra no leste

No leste, a maioria dos combatentes viu sucessos e fracassos, mas o desempenho austríaco foi nada menos que desastroso. Não planejando uma longa guerra, os austríacos implantaram 2 exércitos na Sérvia e apenas 4 na Rússia.

Uma das primeiras batalhas importantes da campanha do nordeste aconteceu no final de agosto, quando os alemães derrotaram o exército russo perto de Tannenberg.

Mais ao sul, na mesma época, os austianos foram expulsos da Sérvia e espancados pelos russos na Galícia, o que por sua vez os levou a guarnecer uma grande força na fortaleza de Przemysl, onde permaneceriam sob cerco pelos russos por muito tempo.

Em meados de outubro, o avanço de Hindenburg na Polônia foi interrompido quando os reforços russos chegaram em torno de Varsóvia.

Após a retirada de Hindenburg, os russos tentaram invadir a Prússia Oriental alemã, mas foram muito lentos e foram levados de volta para Łódź onde, após dificuldades iniciais, os alemães os derrotaram na segunda tentativa e assumiram o controle da cidade.

Hindenberg fala com sua equipe na Frente Oriental por Hugo Vogel.

Uma segunda invasão austríaca da Sérvia mostrou uma promessa inicial, mas após perdas catastróficas tentando cruzar o rio Kolubara sob fogo, eles foram finalmente expulsos. Isso aconteceu apesar de terem tomado a capital da Sérvia, Belgrado, e oficialmente cumprido seu objetivo para a campanha.

O Império Otomano entrou na guerra em 29 de outubro e, embora no início tenham tido sucesso contra os russos no Cáucaso, a tentativa de Enver Pasha de acabar com uma força russa baseada em Sarıkamış perdeu milhares de homens desnecessariamente devido ao frio e minou enormemente o Império Otomano em a frente sudeste.

Em 31 de janeiro, o gás foi usado pela primeira vez, embora de forma ineficaz, pela Alemanha na Batalha de Bolimow contra a Rússia.

Fora da europa

Em 23 de agosto, o Japão declarou guerra à Alemanha e entrou ao lado da Grã-Bretanha e da França, atacando as colônias alemãs no Pacífico. Também no Pacífico, janeiro viu a Batalha das Malvinas, na qual a Marinha Real destruiu a frota do almirante alemão von Spee, encerrando a presença naval alemã fora de mares sem litoral, como o Adriático e o Báltico.

A Batalha das Malvinas: 1914.

Para preservar seu suprimento de petróleo, a Grã-Bretanha enviou tropas indianas para a Mesopotâmia em 26 de outubro, onde alcançaram uma série de vitórias contra os otomanos em Fao, Basra e Qurna.

Em outros lugares, a Grã-Bretanha estava tendo menos desempenho ao ser derrotada pelo general alemão von Lettow-Vorbeck repetidamente na África Oriental e vendo a derrota de suas tropas sul-africanas pelas forças alemãs no que hoje é a Namíbia.


Experiência Americana

No início
De acordo com a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (SUD), o Jardim do Éden no qual Deus colocou Adão e Eva está localizado no Condado de Jackson, Missouri, perto da cidade de Independence.

Cerca de 600 a.C.
De acordo com a crença Mórmon, um israelita chamado Leí viaja com sua família do Oriente Médio para as Américas. Os descendentes de Leí se dividem em duas tribos, os nefitas e os lamanitas, batizados em homenagem a dois dos filhos de Leí. Os nefitas, inicialmente mais prósperos e religiosos, tornaram-se corruptos com o tempo e travaram séculos de guerra com os lamanitas nômades, que os mórmons consideram ancestrais dos nativos americanos.

Jesus Cristo visita os americanos. Cortesia: Intellectual Reserve Inc.

33 d.C.
Após sua crucificação e ressurreição, Jesus Cristo aparece nas Américas e prega aos nefitas. O aparecimento de Cristo inaugura um período de harmonia com os lamanitas que dura 200 anos, mas por fim as tribos entram em conflito novamente.

385 A.D.
Um profeta nefita chamado Mórmon tem escrito a história de seu povo. Na véspera de uma batalha climática com os lamanitas, Mórmon entrega a essência do que se tornará conhecido como o Livro de Mórmon, transcrito em placas de ouro, para seu filho Morôni. Mórmon é mortalmente ferido na batalha em um lugar chamado Cumora, e os nefitas são quase destruídos, mas Morôni sobreviveu mais 36 anos e acrescentou material ao Livro de Mórmon antes de selar as placas em 421.

1801
1º de junho: Brigham Young nasce na cidade de Whitingham, em uma família de fazendeiros de Vermont.

1805
23 de dezembro: Joseph Smith, Junior nasce em Sharon, Vermont, quinto filho de Lucy e Joseph Smith, um agricultor infeliz cuja família se muda com frequência devido ao fracasso de seus negócios. Joseph, Sr. e seus filhos passam parte dos meses de clima quente caçando tesouros usando várias ferramentas de adivinhação, incluindo pedras de vidente que, quando vistas na parte inferior de um chapéu, dizem transmitir uma visão especial.

1811
A família Smith muda-se para o Líbano, em New Hampshire, onde sua situação financeira melhora e as crianças podem começar a estudar.

1812
Uma epidemia local de tifo mata 6.000 e infecta as crianças Smith. Embora ninguém morra, o jovem Joseph desenvolve uma infecção na perna que os médicos inicialmente acham que será necessário amputar. Um novo tipo de cirurgia salva o membro do menino, mas ele deve usar muletas pelos próximos três anos e, depois disso, mancará.

1816
Após um terceiro ano consecutivo de quebra de safra, a família Smith muda-se para Palmyra, Nova York, uma cidade de 4.000 habitantes situada perto da rota planejada do Canal Erie. Palmyra fica em uma área conhecida como "Distrito Queimado" pelo fervor evangélico de seus residentes.

1817
Young abandona a família, que se estabeleceu em Nova York, e passa a trabalhar por conta própria como carpinteiro e faz-tudo.

1820
Joseph Smith, agora com 14 anos, está cada vez mais preocupado com as diferenças denominacionais entre os cristãos locais, mas permanece incerto sobre qual igreja é a certa a seguir. Numa manhã de primavera, ele vai para a floresta e testemunha um pilar de luz que desce do céu, seguido por uma imagem de Deus e Jesus Cristo (que são vistos por Joseph como "personagens" separados) perdoando seus pecados e avisando Smith de que todas as denominações têm desviou-se da verdade e não deve se juntar a nenhum deles. Este evento, conhecido pelos Mórmons como a Primeira Visão, não muda dramaticamente a vida de Smith. Ele continua a trabalhar na fazenda e a caça ao tesouro com seu pai, e quando menciona a visão a um ministro local, é desprezado. Smith não dará a seus seguidores uma descrição detalhada dessa visão até 1839.

1823
21 de setembro: Temendo que ele tenha caído no caminho certo, Smith ora perdão por todos os seus "pecados e loucuras" e recebe uma visão do anjo chamado Morôni, que fala de um livro escrito em placas de ouro e enterrado em uma encosta próxima. De acordo com Moroni, o livro descreve as pessoas que habitavam a América e contém "a plenitude do Evangelho eterno".

22 de setembro: Guiado por sua visão, Smith localiza o livro em uma caixa no Monte Cumora, a apenas três milhas da fazenda Smith, mas é informado por Morôni que ele não pode pegar as placas de ouro, mas em vez disso, ele deve retornar em 22 de setembro para cada uma dos próximos quatro anos e ser instruído na missão que Deus reservou para ele. Quando Smith tenta tocar a caixa de qualquer maneira, ele recebe um choque e é jogado no chão.

19 de novembro: O irmão mais velho de Joseph Smith, Alvin, morre, causando maior pressão financeira para a família.

1825
Outubro: Smith e seu pai se juntam a uma expedição de caça ao tesouro a 135 milhas de distância em Harmony, Pensilvânia. Nenhum tesouro é encontrado, mas Smith conhece e se apaixona por Emma Hale, de 21 anos, enquanto se hospedava na casa de seu pai.

1826
Março: Uma queixa criminal é feita contra Smith pelo uso fraudulento de pedras de vidente. Ele admite ter usado no passado, mas diz que agora desistiu da prática.

1827
18 de janeiro: Joseph Smith e Emma Hale se casam contra a vontade de seu pai.

22 de setembro: Agora que quatro anos se passaram, Smith desenterra com sucesso as placas de ouro. Advertido por Morôni a não permitir que ninguém mais os visse, ele mostra à mãe um par incomum de óculos com pedras preciosas onde normalmente estariam as oculares. Essas pedras são para ajudar Smith a traduzir o livro do "egípcio reformado" em que está escrito. Mas rumores sobre uma Bíblia dourada começaram a circular na vizinhança, então Joseph e Emma Smith devem fugir de ladrões em potencial. Com a ajuda financeira de um fazendeiro local chamado Martin Harris, o casal parte para Harmony, escondendo as placas de ouro em um barril de feijão.

Dezembro: o pai de Emma permite que o casal fique em uma pequena casa em sua propriedade, e Joseph começa a tarefa de traduzir a escrita do livro de ouro, usando seu dispositivo de interpretação e ditando os resultados para Emma.

1828
Abril: Harris, que seguiu Joseph Smith até Harmony, começa a trabalhar no livro, escrevendo o ditado de Smith. Nos dois meses seguintes, eles produziram 116 páginas de texto, mas Harris o leva de volta a Palmyra para mostrar sua esposa em dúvida e perde a única cópia.

15 de junho: Emma dá à luz um filho, Alvin, que morre no mesmo dia (apenas cinco dos 11 filhos do casal viverão além da infância). Quando semanas se passam sem nenhuma palavra de Harris, Joseph volta para Palmyra e descobre a perda. Implorando por perdão, ele é visitado por um anjo que leva as placas de ouro por um tempo como punição pela indiscrição de Smith.

22 de setembro: Smith recebe as placas de ouro e o dispositivo de interpretação de volta.

1829
5 de abril: O jovem professor Oliver Cowdery chega a Harmony e torna-se o escriba de Smith ao retomar a tradução das placas de ouro. Os dois homens terminam o trabalho em junho.

15 de maio: No meio de sua tradução, Cowdery e Smith vão para a floresta para orar e são visitados por João Batista, que lhes confere o sacerdócio Aarônico. Este é um evento extremamente importante na história da igreja, uma vez que antecede a restauração da igreja. João Batista também disse aos dois rapazes que o Sacerdócio de Melquisedeque também será restaurado e que, quando for restaurado, lhes dará poder para “impor as mãos para o dom do Espírito Santo”. Então, em antecipação à organização da "Igreja de Cristo", João Batista anuncia que Smith será "o primeiro Ancião da Igreja" e Cowdery o segundo. Os dois homens então se batizam no rio Susquehanna.

Junho: Smith, que concluiu a tradução na fazenda de Peter Whitmer em Fayette, Nova York, recebe os direitos autorais de O Livro de Mórmon. Mais tarde, onze testemunhas assinarão declarações de que viram as placas de ouro das quais O Livro de Mórmon foi traduzido três deles, incluindo Harris e Cowdery, além disso, afirmam que viram um anjo carregando as placas.

Agosto: Smith encontra uma editora para o Livro de Mórmon em Palmira e começa a composição. A tiragem inicial de 5.000 cópias é financiada por uma hipoteca de US $ 3.000 na fazenda de Harris.

1830
26 de março: O Livro de Mórmon é publicado, cada cópia vendida por $ 1,25. Young, um metodista praticante que se mudou para a área perto de Palmyra com sua esposa, lê o Livro logo após a publicação e será batizado como mórmon dois anos depois.

6 de abril: A primeira reunião de organização SUD é realizada na fazenda Whitmer com cerca de 50 pessoas presentes. Smith e Cowdery são ordenados "élderes" e Smith também se tornará conhecido como "profeta". Os primeiros quatro missionários Mórmons (incluindo Cowdery) rumaram para o oeste naquele mês de outubro.

Junho: Smith é preso e acusado de "ser uma pessoa desordeira" por sua pregação, mas é absolvido.

Outubro: Os missionários levando O Livro de Mórmon mensagem aos índios em Ohio e Missouri foram interrompidos em Kirtland, Ohio. Um ministro batista chamado Sidney Rigdon decide se juntar ao SUD e trazer sua congregação de 100 membros com ele. Logo depois, uma visão instrui Smith a mover a comunidade mórmon nascente para o oeste, para Kirtland. Outros missionários seguem para o Missouri e se estabelecem em Independence.

1831
Fevereiro: Joseph e Emma Smith chegam a Kirtland, outros membros da igreja se juntarão a eles na primavera. Nos próximos seis anos, Smith ficará baseado lá e anunciará cerca de 65 revelações, a maioria pertencente à estrutura e organização da igreja.

O conceito de encontro é colocado em prática durante este ano.

Junho: Depois que os missionários chegam ao Missouri e se estabelecem em Independence, Smith lidera um grupo de mórmons de Kirtland a oeste até Independence, que, de acordo com a história, Deus revelou que será o local de reunião dos mórmons e uma "Nova Jerusalém". Em agosto, eles lançaram a pedra fundamental de um templo dentro de um ano, mais de 800 membros da igreja se mudaram para a área. Mesmo assim, Smith decide manter sua sede em Kirtland.

Joseph Smith começa a trabalhar em uma tradução inspirada do Bíblia.

1832
Smith e dois conselheiros formam a Primeira Presidência dos Santos dos Últimos Dias, com autoridade sobre todos os assuntos da igreja.

24 de março: Uma turba ressentida com o crescimento de tars e penas de influência Mórmon Smith na frente de sua casa em Kirtland.

1833
O trabalho começa em um grande Templo Mórmon em Kirtland. Levará três anos para ser concluído e medir 55 por 65 pés, chegando a 33 metros de altura.

A primeira coleção de revelações de Smith está preparada para publicação como O Livro dos Mandamentos.

Verão: Os mórmons de Missouri começam a sofrer violência nas mãos de outros locais em sua gráfica (na qual O Livro dos Mandamentos está sendo impresso) é destruída em julho. A violência da multidão levará os mórmons para fora do condado de Jackson e atravessará o rio Missouri para o condado de Clay em novembro. As páginas de O Livro dos Mandamentos são resgatados das ruas lamacentas e amarrados, criando a primeira coleção publicada das revelações de Smith.

Setembro: Brigham Young, agora viúvo, chega com seus dois filhos pequenos a Kirtland.

1835
Cento e trinta e oito das revelações de Smith são publicadas em um livro chamado Doutrina e Convênios. Incluídas entre estas estão as sessenta e cinco revelações publicadas em O Livro dos Mandamentos, mais sete "Palestras sobre Fé" preparadas por Joseph Smith, que não são descritas como revelações.

1836
Os mórmons do Missouri são forçados a deixar o condado de Clay para os condados mais remotos de Caldwell e Daviess, na parte norte do estado.

27 de março: Mil fiéis começam uma semana de cerimônias de dedicação do templo em Kirtland. Testemunhas relatam ventos fortes, uma coluna de fogo e a presença de anjos. Durante a dedicação, ocorre uma experiência visionária crítica em que o profeta e Oliver Cowdery, que se aposentou atrás de um véu que separa um púlpito elevado do resto do templo, veem um personagem que acreditam ser Jesus, aceitando o templo como um lugar onde ele se manifestará ao seu povo. Além disso, eles vêem os profetas do Velho Testamento Moisés, Elias e Elias, que entregam nas mãos SUD as chaves da coligação de Israel e da nova dispensação da plenitude dos tempos.

Novembro: Smith forma o Banco da Sociedade de Segurança de Kirtland, mas um pânico econômico nacional começa em março de 1837 e logo leva ao colapso de seu banco. Surgem acusações de impropriedade financeira e sexual.

1837
Os mórmons começam a evangelizar na Inglaterra.

C.C.A Christensen & # 39s Representação do ataque da milícia de Missouri no assentamento Mórmon de Haun & # 39s Mill, ca. 1865. Cortesia: Museu de Arte da Universidade Brigham Young.

1838
12 de janeiro: Smith escapa de Kirtland e segue para o Missouri, chegando lá com sua família em março. Muitos dos mórmons de Ohio o seguem, e logo existem milhares de membros da igreja no assentamento de Far West, no condado de Caldwell. Smith faz planos para um novo templo e excomunga velhos amigos e adversários atuais, incluindo Cowdery, que se voltou contra ele, acusando-o de adultério. Mas a paz com os vizinhos não-mórmons se mostra ilusória.

4 de julho: Enquanto faz um discurso patriótico, Rigdon promete que os mórmons se defenderão e avisa sobre uma "guerra de extermínio" com vizinhos hostis.

6 de agosto: os não-mórmons tentam impedir os membros da igreja de votar, levando a uma confusão sangrenta. Na sequência da violência, o governador do Missouri, Lilburn Boggs, ordena que todos os mórmons sejam expulsos do estado ou exterminados.

30 de outubro: Agitado pelo decreto do governador, uma multidão anti-mórmon massacra membros da igreja em Haun's Mill, matando 17, incluindo crianças desarmadas. A oposição aos mórmons aumenta. Smith é preso, acusado de traição e condenado à morte, sua vida só poupada quando o oficial encarregado de realizar a execução se recusa. Em vez disso, Smith passará os próximos cinco meses na prisão.

1839
Liderados por Brigham Young, os Mórmons do Missouri alcançam segurança em Illinois, onde são recebidos por uma população solidária.

Abril: Ao ser transferido de um local de teste para outro, Smith tem permissão para escapar e segue para Illinois. Lá, ele compra um terreno para um novo assentamento chamado Nauvoo, às margens do rio Mississippi, a cerca de 320 quilômetros de St. Louis.

29 de novembro: Smith viaja a Washington para se encontrar com o Presidente Martin Van Buren. Ele exige compensação pelas perdas mórmons no Missouri. Van Buren expressa simpatia, mas diz que "não pode fazer nada".

1840
Dezembro: Os mórmons recebem uma carta constitutiva da cidade estabelecendo um governo doméstico expansivo e uma milícia local. Depois que o primeiro prefeito é excomungado, Smith torna-se prefeito e líder militar. Nauvoo cresce rapidamente e em quatro anos é quase do tamanho de Chicago, a população sustentada por um influxo de convertidos mórmons da Europa.

1843
12 de julho: Smith anuncia revelações sobre duas novas práticas. Primeiro, os mortos podem ser batizados. [Esta prática é divulgada como parte de três revelações diferentes.] Em segundo lugar, a poligamia, ou casamento plural, não é apenas permissível, mas em certos casos exigido. O segundo pronunciamento, em particular, causa grande divisão entre os mórmons, com Brigham Young declarando que ele preferia morrer e a esposa de Joseph Smith, Emma, ​​expressando oposição, embora a revelação (agora Seção 132 do SUD Doutrina e Convênios) orienta expressamente Emma Smith a aceitar o casamento plural.) E embora a doutrina não seja anunciada publicamente por quase uma década, os rumores se espalharam rapidamente, aumentando o sentimento anti-mórmon. Joseph Smith acabará por ter mais de 25 esposas, enquanto Young virá a abraçar a doutrina, terá 20 esposas e terá 57 filhos.

1844
Smith declara que concorrerá à presidência dos Estados Unidos, anuncia em um sermão que aqueles que obedecem aos mandamentos de Deus podem se tornar deuses e ordena a destruição de um jornal da oposição, o Expositor de Nauvoo. O clamor que se seguiu leva a acusações criminais e, depois de começar a fugir, Smith muda de ideia e se entrega às autoridades estaduais.

27 de junho: Enquanto estava na prisão, Joseph Smith e seu irmão Hyrum são baleados e mortos por membros de uma turba. Ninguém jamais será condenado pelo crime.

Uma luta pela liderança do movimento Mórmon segue, na qual os santos estão divididos sobre se devem seguir (a) o Conselho dos Doze (b) os membros sobreviventes da família Smith (c) os membros restantes da Primeira Presidência ou (d) uma variedade de outros líderes potenciais, como James J. Strang ou Lyman Wight. Durante esses dois anos, muitos dos mórmons que se estabeleceram em Nauvoo deixaram a área, mas a maioria permanece.

1846
4 de fevereiro: Enfrentando mais perseguições, milhares de mórmons, mas não todos, deixam Nauvoo em uma grande marcha para o oeste. Alguns deles seguem James J. Strang e se estabelecem em Michigan, outros seguem Rigdon para o leste, enquanto outros se estabelecem em outras partes do meio-oeste. Brigham Young, que é o chefe do Quórum dos Doze Apóstolos, um corpo de liderança da Igreja, dirige o êxodo. Sua partida no inverno causa grandes dificuldades, mas em quatro meses os mórmons viajarão mais de 480 quilômetros para alojamentos temporários ao longo do rio Missouri, onde ele divide Iowa e Nebraska. Lá eles vão esperar o inverno de 1846-47 antes de começar sua jornada para o oeste novamente.

25 de abril: Tropas mexicanas disparam contra soldados americanos que foram provocativamente colocados pelo presidente James Polk em uma região disputada do Texas. Os EUA declaram guerra ao México em maio, e um Batalhão Mórmon de cerca de 500 soldados se alista, embora eles não vejam nenhuma ação.

30 de abril: O Templo de Nauvoo é concluído e dedicado. Durante os dias e noites dos dez meses seguintes, um grande número de santos dos últimos dias vai ao templo para receber sua "Investidura" e um número significativo de casamentos polígamos são celebrados em suas salas de selamento.

Main Street, Salt Lake City, olhando para o sul do First North. Cortesia: Biblioteca de História da Igreja, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

1847
Abril: A companhia de pioneiros mórmons liderada por Young deixa seus alojamentos de inverno no oeste de Iowa e segue para o oeste. Young tem sido atormentado por dúvidas sobre si mesmo, mas uma visão de Smith em fevereiro renovou sua confiança.

24 de julho: Um grupo avançado Mórmon incluindo Young chega ao vale do Grande Lago Salgado, e Brigham, que será feito presidente da Igreja no final do ano, confirma que é aqui que os Mórmons se estabelecerão, além das fronteiras dos Estados Unidos. Seus seguidores prontamente marcam um acre que será reservado para um templo e então começam a traçar as ruas da cidade e instalar sistemas de irrigação.

Setembro: Soldados americanos liderados pelo General Winfield Scott capturam a Cidade do México e acabam com a guerra.

1848
Fevereiro: Na Califórnia, os mórmons que trabalham para John Sutter, cuja serraria no rio American é o local do início da Corrida do Ouro, fazem uma grande descoberta de ouro no que ficou conhecido como Ilha Mórmon.

10 de março: o Congresso aprova o Tratado de Guadalupe Hidalgo, que cede grande parte do território ocidental do México, incluindo Utah, aos Estados Unidos.

A partir de 1848, milhares de Mórmons fazem a jornada de Winter Quarters ao Vale do Grande Lago Salgado. Nos primeiros meses, eles sofrem terrivelmente, mas começam a criar um "reino no topo das montanhas". Young envia grupos de mórmons para se estabelecerem em várias partes da região oeste da montanha.

1849
Um estado provisório de Deseret é organizado, mas não é aprovado pelo Congresso dos EUA. Em vez disso, como parte do Compromisso de 1850, Deseret foi renomeado para Utah e tornou-se um território dos EUA.

1850
Brigham Young é nomeado governador do território de Utah.

1852
A doutrina da poligamia é tornada pública fora da igreja, levando a uma condenação generalizada. Cerca de 20.000 mórmons agora vivem na área de Salt Lake.

1853
6 de abril: Os mórmons que rejeitaram a liderança de Brigham Young e nunca aceitaram a idéia de que a poligamia era uma doutrina revelada realizam uma conferência em Wisconsin para fundar a Igreja Reorganizada de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Esta organização reúne muitos dos santos que acreditam que a igreja deve ser liderada por membros da família Smith.

1855
Os missionários mórmons estabelecem um assentamento no que se tornará Las Vegas. Assentamentos também são estabelecidos em San Bernardino, Califórnia e na área de Wind River em Wyoming.

1857
O presidente James Buchanan, reagindo aos relatos de que Young está governando Utah como uma teocracia pessoal, declara o território em rebelião e envia 2.500 soldados do Kansas para o oeste. Embora não ofereçam resistência armada, os mórmons perseguem os trens de suprimentos militares.

Setembro: milícia mórmon liderada por John Lee e agindo em conjunto com um grupo de nativos americanos atacam uma carruagem de colonos do Arkansas, massacrando 120 homens, mulheres e crianças no que ficou conhecido como o massacre de Mountain Meadows. Apenas 17 crianças com menos de oito anos são poupadas. O possível papel de Young em autorizar a atrocidade será calorosamente debatido ao longo dos anos, mas as evidências sugerem que, no mínimo, ele encobriu a verdade dos crimes cometidos.

1858
Depois que um novo governador é autorizado a assumir o controle em Utah e as tropas federais marcham sem oposição em Salt Lake City, Buchanan declara o fim da "Guerra Mórmon" e concede uma anistia geral. Mas a prática contínua do casamento plural impedirá a admissão de Utah à União como um estado pelas próximas quatro décadas.

1860
Joseph Smith III, o filho mais velho do profeta Mórmon, torna-se o presidente da Igreja Reorganizada. Sua sede está localizada em Independence, Missouri.

1862
O Morrill Anti-Bigamy Act criminaliza o casamento plural nos territórios dos EUA, mas o presidente Abraham Lincoln se recusa a aplicá-lo.

1866
A Igreja SUD (com sede em Salt Lake City) tem quase 60.000 membros.

1868
Trabalhadores Mórmons ajudam na construção da Ferrovia Transcontinental.

1871
A atividade anti-poligamia aumenta e Young é acusado, embora não condenado, por esse crime.

1875
John D. Lee se torna o único indivíduo levado a julgamento pelo massacre de Mountain Meadows, mas o processo termina com um júri empatado.

1876
Lee é julgado novamente e condenado por assassinato.

1877
23 de março: Lee é executado em Mountain Meadows.

29 de agosto: Brigham Young morre. Cinqüenta mil pessoas assistem à exibição.

1878
A Igreja dos Santos dos Últimos Dias tem 109.894 membros.

1879
A Suprema Corte defende a Lei Morrill.

1882
A Lei Edmunds declara a poligamia um crime e desautoriza todos os que a praticam. Em 1893, mais de mil mórmons foram condenados por "coabitação ilegal".

1887
A Lei Edmunds-Tucker desincorporou a Igreja Mórmon e deu ao governo federal todas as propriedades da igreja acima de $ 50.000. O Supremo Tribunal irá posteriormente apoiar esta lei.

1890
No Manifesto, o presidente da igreja Wilford Woodruff renuncia à poligamia em nome dos SUD, embora este ato nunca seja descrito como uma revelação.

1894
A Igreja dos Santos dos Últimos Dias tem 201.047 membros.

1896
4 de janeiro: Utah é concedido o estatuto de estado.

1904
A igreja ameaça os polígamos com excomunhão e subsequentemente coopera com as autoridades federais para processá-los.

1953
A Igreja SUD tem mais de um milhão de membros.

Um ataque federal à comunidade poligâmica de Short Creek cria simpatia em massa pelos praticantes do casamento plural, e a Igreja SUD para de cooperar com esses processos.

2001
A Igreja Reorganizada de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias muda seu nome para Comunidade de Cristo.

Linha de batismo missionário Mórmon de conversos.

2007
Hoje, há quase 13 milhões de membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias em todo o mundo, com mais membros morando fora do que dentro dos Estados Unidos. A Comunidade de Cristo tem mais de 150.000 membros e existem vários grupos cismáticos que continuam a se denominar Santos dos Últimos Dias Reorganizados, que provavelmente têm outros 100.000 membros. Além disso, uma variedade de grupos fundamentalistas mórmons continuam a praticar a poligamia. O número estimado de fundamentalistas é algo entre 30.000 e 60.000.


Eventos de sabor [editar |

The Golden Roof

É pelo menos 1480, mas antes de 1530.

A Áustria tem um governante do “von Habsburg”Dinastia: ×0.75

A Procissão Triunfal

É pelo menos 1500, mas antes de 1550.

A Áustria tem um governante do “von Habsburg”Dinastia: ×0.75

  • perde 0.25 renda anual.
  • obtém o modificador “A Procissão Triunfal” até que a régua mude, dando o seguinte efeito:
      +1 prestígio anual.
  • Revolta dos nobres da Estíria

    É pelo menos 1450, mas antes de 1550.

    Graz (1863) torna-se uma província central de Styria.
    Separatistas <(tamanho 2) amigos da Estíria se revoltam em Graz (1863).

    O Meteorito de Ensisheim

    É pelo menos 1450, mas antes de 1550.

    • ganhos 25 prestígio.
    • então ganha 1 estabilidade,
    • senão ganha 50 poder administrativo.

    A dinastia dos Habsburgos

    • é Áustria.
    • é uma monarquia.
    • usa a mecânica do herdeiro.
    • faz não tem um herdeiro.
    • é não governado pela dinastia “von Habsburg”.
    • é não uma nação sujeita que não seja um estado tributário.
    • fez não tem este evento e escolheu a opção “[Root.Monarch.Dynasty.GetName] deve continuar a governar!” durante o reinado do governante atual.
    • perde 50 legitimidade.
    • obtém um herdeiro da dinastia "von Habsburg" com uma forte reivindicação (80), que:
      • é masculino em 90% dos casos
      • tem as seguintes habilidades:
          5/1/1 - 40% de chance 1 /5/1 - 40% de chance 1 /1/5 - 20% de chance
      • Maria theresa

        • é Áustria.
        • é um monarquia.
        • é não o menor parceiro em um união pessoal.
        • não tem regência.
        • has a ruler that:
          • is male.
          • has all its skills lower than 3.

          The year is between 1700 and 1800.

          Get a new female ruler Maria Theresia do von Habsburg dynasty with:

          • 5 administrative skill,
          • 5 diplomatic skill,
          • 4 military skill.
          • has Austrian culture.
          • tem ‘Well Advised’ personality.

          If the country uses ‘Statists vs Monarchists’ mechanics:

          • gains 100 administrative power.
          • gains 100 diplomatic power.
          • gains 100 military power.
          • If this country is the Emperor of China,
          • then it gains 5 meritocracy .
          • gets access to the discounted female Austrian statesman (skill 2 ) named ‘Maria Theresia von Habsburg’.

          Recession

          A recession is period of negative economic growth over the period of at least two quarters. This is measured in a country’s Gross Domestic Product (GDP), although this isn’t always necessary to declare that a country is in a recession.

          O que é uma recessão?

          Since the Articles of Confederation – the first US constitution signed in the 18th century – there have been almost 50 recessions in the United States. Through the last 80 years alone, there have been a total of 15 official recessions, including the latest financial crisis which started in 2007 and ended in 2009, as some of you may be familiar with. However, what is an official recession, what are the causes of it and should you invest during a recession period? This and more will be covered in the following lines.

          For an economic decline to be identified as a recession, there has to be a significant downturn in economic activity spread across the economy, lasting more than two quarters, i.e. 6 months. This definition of a recession by the US National Bureau of Economic Research also states that a recession usually implies negative economic growth, lower employment rates caused by a stop in hiring, lower personal demand, personal spending, company earnings, industrial production and retail sales.

          Major US Recessions in the 20th and 21st Century

          The absence of economic statistics makes it more difficult to determine the occurrence of economic downturns prior the 20th century, so economists and researchers have to use various unofficial sources to identify those recessions, such as newspapers and business ledgers. It was not until after the Second World War that countries, including the US, started to adopt modern economic statistics that include the unemployment rate and GDP, which makes it significantly easier to spot the early stages of a recession and its effects on economic activity.

          The following list shows some of the most important recessions in the United States during the 20th and 21st century. However, bear in mind that no recession after World War II has come anywhere near the depth of the Great Depression of 1929, which lasted 3 years and 7 months. The average duration of recessions after 1945 is around 10 months.

          The Great Depression started with the collapse of the stock market in 1929 and was by far the most devastating recession of US history. The economic downturn rapidly spread across the whole country and was followed by a banking panic and a collapse in the money supply, partly because of the commitment to the Gold Standard.

          Many companies went bankrupt and unemployment rates skyrocketed as manufacturers had to lay off workers. While fresh gold inflow led to larger money supply and slight economic recovery in the mid-30s, the recession double dipped in 1937. Looser monetary policy and the consecutive increase in the money supply ultimately led to a recovery in the early 1940s. During the Great Depression, the unemployment rate peaked at 24.9 percent, while the economic decline reached 26.7 percent in GDP terms.

          In October 1973, OPEC countries proclaimed an oil embargo which was targeted at countries that were supporting Israel during the Yom Kippur War. The United States was one of the targeted countries, along with Canada, Japan, the Netherlands and the United Kingdom. The oil embargo caused oil prices to quadruple from $3 to $12 globally, which led to a growth recession and stagflation in the US. Stagflation refers to a combination of a contraction in economic activity coupled with high inflation.

          The early 1990s recession was a brief economic downturn caused by a number of factors, including a rate hike cycle by the Federal Reserve from 1986 to 1989, the 1990 oil price shock, growing pessimism among US consumers and accumulating debt. The 1990s recession lasted 8 months, with the unemployment rate peaking at 7.8% and the GDP declining 1.4%.

          Another shallow recession happened in the early 2000s. After a long period of growth in the United States during the 1990s, the 2000s recession emerged with the collapse of the dot-com bubble, falling investments and the September 11th attacks, which led to a fall in the GDP of 0.3%.

          The great recession of 2007-2009 was a widespread global financial crisis which began with the subprime mortgage crisis in the United States and spread soon across the world. Many housing-related assets experienced a free-fall, which led to major problems and bankruptcies in some of the most important financial institutions in the United States, such as Fannie Mae, Freddie Mac, Citi Bank, AIG, Lehman Brothers and Bear Stearns.

          To stabilise the US financial market, the government injected a breathtaking $700 billion bank bailout and a $787 billion fiscal stimulus package. The increase in government spending is a typical Keynesian solution to a recession, which – according to the theory – should stimulate aggregate demand and cause the GDP to rise.


          The 360/30 Calendar in the Old Testament

          É mesmo possível? Yes, it is not only possible, but it appears to have happened before(!).

          Most educated people assume that the earth has been going around the sun the same way for thousands or even billions of years. They are not aware of catastrophism or the theory that the earth has been affected by sudden violent planetary-wide events in the past. (Immanuel Velikovsky was one of the more noteworthy proponents of this view with his book "World's in Collision.")

          Catastrophism should not be a strange concept to those who have read the Bible. The deluge in Noah's day was just such a thing.

          Even atheists commonly accept that the dinosaurs were wiped out when an asteroid or comet struck the earth. That, too, is catastrophism—and of a kind that could explain how the calendar of the earth could change and probably changed before.

          You see, the Old Testament implies that the Hebrews and other ancient peoples knew nothing about the 365¼/29½ cosmology of today. The implication is always a 360 day year and 30 day month. Alguns exemplos:

          • Noah's Flood: During the time of the flood Genesis tells us that 150 days started on the 17th day of the second month, and ended on the 17th day of the seventh month or exactly five months later (Genesis 7:11, 24 and 8:3-4). 150 days ÷ 5 months = 30 days per month. 30 days × 12 months = 360 days per year.
          • Month Of Mourning Statute: Mourning for the dead is ordered for a "full month" and is recorded as carried on for thirty days (Dt 34:8 21:13 Nu 20:29). If it were as today that some lunar months were 29 days and others 30 days, why is there never a record of a 29 day month anywhere in Scripture but many accounts of 30 days? (In fact, the number 29 never appears in the Bible.)
          • King Ahaseurus' 180 Day Feast: Esther 1:4 implies a 360 day year or consistently 30 day month by recording that the feast continued exactly 180 days. Whether the feast is meant to fulfill half a year or six months, neither approach would arrive at 180 days under a 365¼/29½ cosmology but both approaches would work under a 360/30 calendar.

          Harem [ edit ]

          The Sons of [Root.Monarch.GetName]

          "His Imperial Majesty [Root.Monarch.GetName] [Root.Monarch.GetTitle], sovereign of the house of Osman, Sultan of Sultans, Khan of Khans, Commander of the Faithful and Successor of the Prophet of the lord of the Universe, Custodian of the Two Noble Sanctuaries, Qayser-i Rum, Emperor of the Three Cities of Constantinople, Adrianople and Bursa has a reputation as a great man and is unchallenged as a ruler.

          As befits a man of his caliber and stature the Sultan has fathered several capable children and many who show great promise as future rulers. Both the sons themselves and our government officials are acutely aware that only one can inherit and what awaits the others. Our Viziers are adamant that it is now high time for [Root.Monarch.GetName] to name a favorite among the possible successors. This is unlikely to end the competition for [Root.Monarch.GetHerHis] favor but it will hopefully stop the worst succession struggles that might follow if our [Root.Monarch.GetTitle] should meet his maker without having picked a clear successor."

            Rights of Man DLC is enabled.
        • Government is Ottoman Government.
        • Ruler age is at least 30.
        • There is no available heir.
          • One of the following will happen:
            • 33% chance of the country flag harem_fairest_heir being set.
            • 33% chance of the country flag harem_strong_heir being set.
            • 33% chance of the country flag harem_leadership_heir being set.
            • 1% chance of the country flag harem_genious_heir being set.
            • 33% chance of the country flag harem_studious_heir being set.
            • 33% chance of the country flag harem_pious_heir being set.
            • 33% chance of the country flag harem_inquisitive_heir being set.
            • 33% chance of the country flag harem_gregarious_heir being set.
            • 33% chance of the country flag harem_entrepreneurial_heir being set.
            • 33% chance of the country flag harem_generous_heir being set.

            Enabled if:

            • A male heir of this dynasty is born with:
              • um administrative skill of at least 1.
              • uma diplomatic skill of at most 5.
              • an age of 10.

              Enabled if:

              • A male heir of this dynasty is born with:
                • uma military skill of at least 1.
                • uma diplomatic skill of at most 5.
                • an age of 10.

                Enabled if:

                • A male heir of this dynasty is born with:
                  • um administrative skill of at least 1.
                  • uma military skill of at most 5.
                  • an age of 10.

                  Enabled if:

                  • A male heir of this dynasty is born with:
                    • uma military skill of at least 1.
                    • um administrative skill of at most 5.
                    • an age of 10.

                    Enabled if:

                    • A male heir of this dynasty is born with:
                      • uma diplomatic skill of at least 1.
                      • uma military skill of at most 5.
                      • an age of 10.

                      Enabled if:

                      Enabled if:

                      • A male heir of this dynasty is born with:
                        • uma diplomatic skill of at least 1.
                        • um administrative skill of at most 5.
                        • an age of 10.

                        Enabled if:

                        Enabled if:

                        • A male heir of this dynasty is born with:
                          • um administrative skill of at least 1.
                          • uma diplomatic skill of at least 1.
                          • uma military skill of at least 1.
                          • an age of 10.

                          Enabled if:


                          Churchill’s Character: Hardiness, Resilience and Personal Toughness

                          Above: Nearing 80, Churchill arrives for a visit to Washington, 25 June 1954. L-R: Mamie Eisenhower, British Foreign Secretary Anthony Eden, President Eisenhower, U.S. Secretary of State John Foster Dulles, Vice President Richard Nixon.

                          Speaking of Britain and its Empire in 1941, Winston Churchill said: “We have not journeyed all this way across the centuries, across the oceans, across the mountains, across the prairies, because we are made of sugar candy.” 1 A few weeks earlier he had advised the boys at Harrow School: “Never give in—never, never, never, never—in nothing, great or small, large or petty—never give in except to convictions of honour and good sense. Never yield to force never yield to the apparently overwhelming might of the enemy.” 2 The image he conveyed is one of hardiness and personal toughness, and it galvanized his countrymen. Yet we rarely give thought to where he found the hardiness and resilience he conveyed.

                          At sixty-five—an age much older then than it is now—Churchill became leader in a seemingly hopeless war with Nazi Germany. At times he found himself fatigued with the stress of it—yet somehow he found the inner strength to soldier on. We rightly admire his ability to hold fast and never despair. But what were his sources of physical resilience, mental hardiness and spiritual strength?

                          Great figures have personal trials and tribulations like everybody else. We sometimes overlook this. It seems that they have magical powers or special insight into coping with stress. With Churchill, we may imagine that he was immune from things that wear down ordinary people. He was not. But he did develop strengths in his formative years which he was able to build upon in great crises. This forged a physical resilience and mental hardiness, the sinews of a personal toughness, which stood him in good stead throughout the Second World War and beyond.

                          Sources of Hardiness and Resilience

                          His physical and mental characteristics formed a subtle interplay that shaped Churchill’s personality and response to challenges. Still, these are components of many a healthy person. We each develop responses to life’s stress and, unless devastated, we usually rebound. Our effectiveness comes from both genetic makeup and acquired capacity to cope. How “nature and nurture” combine to form human response mechanisms remains the subject of speculation and controversy.

                          Churchill’s upbringing certainly seemed to him a valuable and stern preparation for the challenges ahead. He revealed his own identification with this early experience in his life of his illustrious ancestor, the First Duke of Marlborough: “It is said that famous men are usually the product of unhappy childhood. The stern compression of circumstances, the twinges of adversity, the spur of slights and taunts in early years, are needed to evoke that ruthless fixity of purpose and tenacious mother wit without which great actions are seldom accomplished.” 3

                          The Ultimate Challenge

                          The first quarter century of his life saw numerous illnesses and accidents, none of which were serious enough to incapacitate or handicap him. His first premiership, 1940 to 1945, was a significant transition period. Braced by the battle, his hardiness waxed. He appeared to be not only indomitable, but also apparently indefatigable. He had reached an age when most persons retire, when physiologically, their vital forces begin to decline.

                          Yet Churchill tackled the greatest task of his life, the most fearful and intense war in history, with verve and zest. He maintained a work schedule which would exhausted an ordinary man. Indeed he wore out some of his colleagues and contemporaries. He may have suffered a heart attack during those years, and had three bouts of pneumonia which in earlier days would have permanently disabled if not killed him. Não importa. After recovery from each bout of pneumonia, he maintained a grueling work schedule with few periods of rest and relaxation apart from his regular afternoon nap.

                          Churchill by then had conquered any predisposition to melancholia with a personality that found comfort in a loving and supportive family. His daughters Sarah and Mary were joys to him his wife Clementine was his rock. Partly, he maintained his hardiness by taking life in stride, finding equanimity in laughter and good fun, which contributed to his overall health and longevity. He did not take himself too seriously, often poking fun at both friends and enemies. His daughter Mary, Lady Soames, who spent a lot of time with him during the war, said of his tenacity and endurance: “Papa had this enormous quality of never despairing.” 5

                          Of course, Churchill was not the only war leader who had to bear up under great duress. When, in early 1945, he met Stalin and Roosevelt at Yalta, he was as feisty as ever, no doubt invigorated by another “meeting at the summit.” 6 Alas Roosevelt was “the sick man at the table,” as his critics said. And by virtue of being the only head of state, FDR always presided. Even Churchill’s staff noticed the President’s failing health. “He sat looking straight ahead with his mouth open, as if he were not taking things in,” wrote Churchill’s doctor. “Everyone was shocked by his appearance.” 7 Churchill might not have been at his best at Yalta, but he was able to discern the flow of events and predict the likely outcome, while remaining unable to influence a better result.

                          Great Climacterics and Their Memory

                          Appearances can of course be deceptive. Churchill was always stirred by some momentous event or, very late in life, by the memories of it. Yet despite his towering image, from a medical standpoint he was as human as any of us. If he had been merely ordinary, his medical history would be of little interest to anyone except his doctors—assuming that as an ordinary man he would have had the luxury of a personal physician.

                          His habits of cigars and alcohol were certainly those of many who lived shorter lives, perhaps lacking the stimulus that again and again made Churchill rise to the occasion. (Asked at 76 why he never exercised—which is not quite accurate—he cracked: “I get my exercise serving as pall-bearer to my many friends who exercised all their lives.”) 8

                          At the sunset of his life he was less buoyant. Yet there can be little or no doubt about his essential physical resilience and mental hardiness. There are many lessons to be learned from his tenacious spirit and determination. The biggest is to react as he did to challenges. His would have felled many a lesser man. The truly great do not wilt when faced with such odds. They revel in it, they strike out against it. Thus Churchill struck out at tyranny. His record, and the memory of it, invigorated him, and he fought on.

                          Self-analysis

                          The writer in him ultimately captured the essence of his hardiness: “The more serious physical wounds are often surprisingly endurable at the moment they are received,” he wrote. “There is an interval of uncertain length before sensation is renewed. The shock numbs but does not paralyze, the wound bleeds but does not smart. So it is with the great reverses of life.” 9

                          Churchill buoyed himself up by a sense of fatalism: “Live dangerously take things as they come dread naught, all will be well.” 10 In 1945, as he landed in France after D-Day, Field Marshal Alan Brooke thought that sustained him more than anything: “I knew that he longed to get into the most exposed position possible. I honestly believe that he would really have liked to be killed on the front at this moment of success. He had often told me that the way to die is to pass out fighting when your blood is up and you feel nothing.” 11

                          Notas finais

                          1 Speech to the Canadian Parliament, Ottawa, 30 December 1941 in Richard M. Langworth, ed., Churchill by Himself (London: Ebury Press, 2012, New York: Rosetta Books, 2016), 8.

                          2 Speech at Harrow School, 29 October 1941, in Churchill by Himself, 23.

                          3 Winston S. Churchill, Marlborough: His Life and Times, 2 vols. (London: Harrap, 1947), I, 33

                          5 Martin Gilbert, In Search of Churchill: A Historian’s Journey (London: HarperCollins, 1994), 209.

                          6 Churchill’s term for plenary meetings between top leaders, beginning at Teheran in 1943. Churchill by Himself, 311.

                          7 Lord Moran, Winston Churchill: The Struggle for Survival, 1940-1945 (London: Constable, 1966), 218.

                          9 Winston S. Churchill, The World Crisis, Vol. 2, 1915 (London: Thornton Butterworth, 1923), 371.

                          O autor

                          Dr. Mather is archivist-historian of the Churchill Society of Tennessee, and has spent many years researching Churchill’s medical history.


                          The Calendar

                          A month is hardly a unit of measurement. It can start on any day of the week and last anywhere from 28 to 31 days. Sometimes a month is four weeks long, sometimes five, sometimes six. You have to buy a new calendar with new dates every single year. It’s a strange design.

                          The calendar that the world uses right now is mostly a combination of the Roman lunar calendar and the Egyptian solar calendar, a product of the love affair between Caesar and Cleopatra. She was 21 and he was 52, and when they got together, they did what lovers do: discuss the true nature of the earth&rsquos rotation.

                          The Egyptians had already discovered that the year is roughly 365 days long because of the Nile river. Egyptians had “Nilometers,” structures that went into the Nile that could predict the seasons, thanks to the Nile’s tendency to flood to the same height on virtually the same day every year.

                          A Nilometer on Rhoda Island, Cairo. Credit: Baldiri

                          The Egyptians also figured out that the year isn&rsquot always exactly 365 days, so they added an extra day every four years, just to make sure the calendar year matched up with the seasons. In other words, they invented the leap year.

                          This was all fantastic news to Caesar because he had a feeling that the Roman calendar wasn&rsquot quite right. At that time, the Roman calendar year, which was based on the phases of the Moon, was only 354 days long.

                          A Roman calendar before the Julian reform

                          The Julian calendar, which added the eleven missing days and put a leap day in February, was instituted throughout the Roman empire. Still, the Julian calendar was about 11 minutes and 14 seconds off each year. These minutes added up to lost days and then an entire lost week.

                          By 1582, Pope Gregory finally realized that everyone was worshipping all the holy days on the wrong dates from what they originally were. He made a few adjustments to realign the year with the seasons (including losing ten days), and created the Gregorian calendar, which is what&rsquos on your wall or your phone.

                          Courtesy of the George Eastman House

                          Now we basically live with the Gregorian calendar and don’t question it. However, throughout history, there have been a number of attempts to redesign the calendar.

                          One calendar re-design came after the French Revolution revolutionaries decreed the first year of the revolution was the year 1, and they made the week ten days long. This calendar endured for more than a decade, lasting until Napoleon crowned himself emperor.

                          In 1849, another Frenchman, August Comte, created the so-called positivist calendar, which reorganized the months and renamed them after great men of history (Moses, Homer, Aristotle, etc.).

                          The positivist calendar didn&rsquot take off. But there was another radical attempt at calendar reform that did.

                          Courtesy of the George Eastman House

                          Moses B. Cotsworth worked the books for the British railway, and the wonky, weirdly-divided Gregorian Calendar was making his job difficult. In 1902, Cotsworth presented a design for a calendar of 13 months where every month was exactly 28 days. No more, no less. Four perfect weeks.

                          This meant the dates were all standardized as well. Regardless of the month, the 5th was a Thursday. The 1st was always a Sunday. The 10th was always a Tuesday. There would be a Friday the 13th every single month&mdashclearly, rational railwaymen were not superstitious.

                          All the month’s names would stay the same and an additional 28-day month would fall between June and July. This additional month would be called &ldquoSol,&rdquo standing for the month when the summer solstice occurs. Leap Day would be added to the end of Sol, not February, so every four years, Sol would have 29 Days.

                          13 months of 28 days make for 364 days in a year. To make it 365, Cotsworth added a new holiday after December 28&mdash”Year Day,” a floating day, not part of any month. It would be a global sabbath.

                          Aside from year day, all other vacations would be moved to a Monday. All holidays would be three day weekends.

                          Cotsworth toured the United States giving talks about his calendar’s myriad benefits, but he couldn&rsquot find many takers. Though he did attract the interest of one of the wealthiest and most successful men of that time: George Eastman, the founder of Kodak.

                          Eastman took it upon himself to promote Cotsworth&rsquos calendar design. He started a calendar league headquarters in Rochester, in Kodak&rsquos office. There they published and printed different flyers to hand out to local businesses and actually convinced a few local businesses to switch to a 13-month calendar. Including, of course, Mr. Eastman&rsquos own company, Kodak.

                          Courtesy of George Eastman House

                          The Eastman Kodak company adopted the 13-month calendar in 1924 and they continued to use it until 1989. The 13-month calendar was in use for 65 years.

                          However, within Kodak, Eastman couldn’t fully institute the 13-month calendar in its truest form. Kodak employees didn&rsquot observe “Sol&rdquo or &ldquoYear Day&rdquo or change every holiday to a Monday. They used it like how some bankers work in quarters or some schools function in semesters- Kodak&rsquos internal schedule was organized into 13 &ldquoperiods&rdquo, labeled period 1 to period 13. They used the 13-month calendar as an organizational tool for planning finances and production schedules, but employees still lived their lives on the Gregorian calendar.

                          George Eastman knew that if he wanted to truly standardize the calendar, Kodak couldn&rsquot do it alone. He would have to convince the rest of the world to make the switch. Eastman and Cotsworth presented the calendar to various committees in the U.S. Congress, and calendar reform became an actual issue of debate for the League of Nations, the precursor to the U.N. At one point The League of Nations was considering 185 different calendar redesigns, and Cotsworth and Eastman’s proposal was one of a few finalists.

                          Even after Eastman passed away in 1932, the League of Nations continued discussing calendar redesign, but they couldn’t come to a consensus. And then, Hitler and World War II made the project of redesigning the calendar thoroughly unimportant. And then, the League of Nations folded.

                          We haven&rsquot really considered calendar reform since. But there’s no reason we can’t take our vacations in Sol and celebrate Year Day.


                          How to Use Virtual Field Trips in the Classroom or for Distance Learning

                          When my kids were little we would take daily field trips to places around the world with the help of the internet. As they got older I strategically chose the locations we “visited” based on what we were studying in our homeschooling. Classroom teachers can employ the same technique and tailor class field trips to the units currently being taught.

                          Studying the Revolutionary War? Take a trip to Philadelphia!

                          Talking about the history of flight? Maybe a virtual trip to the National Museum of the U.S. Air Force is in order.

                          The key is to integrate the virtual field trip with things already being studied so that a deeper connection with the subject matter is forged. As possibilidades são infinitas!


                          Carregando.

                          An adopted boy from an orphanage in Bosnia, uncovering family secrets that could hold the key to stop his family from being torn apart. A sensitive approach to discussing Alzheimer's - beautiful ideas around scrapbooking and helping people remember their most treasured memories. A child battling their own demons to try and help others.

                          Before using this with a class, be mindful of the experiences that the class has already had. Covers topics like adoption and bereavement in a sensitive way. Could be used to help a child that us grieving the loss of a loved one.

                          Receptive context - hang reels of photography film down from parts of the ceiling, allow children time to explore them, and create a dark room for 'old style' photography in part of the classroom.

                          History - Using the book yo form a timeline of events throughout, or creating a timeline of events within the children in your class history.
                          Art - Create a scrapbook of class memories throughout the year including a range of different media, or allowing a child to take a scrapbook home each week of the year and place a memory of the weekend inside using words, pictures, or objects (e.g. leaves).

                          Absolutely fantastic book. Studied teaching ideas on this book for a few months.

                          Great for introducing sensitive topics such as adoption into the class. Being adopted myself I feel as though this would be a great discussion point with the children.

                          Also great for introducing the topic of refugees, too.

                          'The Memory Cage' is a debut novel by British author Ruth Eastham, who has been compared to Michael Morpurgo. That's high-praise indeed but it's also well-deserved. It's a powerful and emotional story, dealing with universal themes such as family and war.

                          Alex was adopted from Bosnia during the Yugoslav Wars. He's formed a close bond with his new Grandad, who rescued him and brought him to England. Alex loves his Grandad immensely but his grandfather's memory is failing and he's in danger of being taken away. Alex determines to stop this from happening by helping him remember the events of his life. This however, leads to a number of long-buried secrets being revealed and painful memories resurfacing of his time during the Second World War. As Alex's Grandad begins to deal with the events of his past, Alex too has to face his own history before he can begin to move forward.

                          This book deals with a number of difficult and serious subjects such as adoption and alzheimer's disease, in a thoughtful and sensitive manner. I found myself being caught up in the lives of the characters and becoming engrossed in the story. I'll also admit to crying a fair bit near the end!

                          This is a beautiful debut novel and I look forward to future books by a talented first-time author.


                          Assista o vídeo: Klart Skip Marinen i Krig 1939 - 1945 Del 1 (Pode 2022).


Comentários:

  1. Cinneididh

    Sim você disse exatamente

  2. Zulusar

    Partilho plenamente o ponto de vista dela. Eu acho que isso é uma boa idéia. Concordo plenamente com ela.

  3. Ektolaf

    Estou pronto para ajudá -lo, definir perguntas.

  4. Cacey

    Cá entre nós, tentaria resolver o problema em si.

  5. Nilmaran

    Que mensagem boa

  6. Wakeley

    Quase o mesmo.



Escreve uma mensagem