Notícia

Governo do Camboja - História

Governo do Camboja - História

nome: Valletta
coordenadas geográficas: 35 53 N, 14 30 E
diferença horária: UTC + 1 (6 horas antes de Washington, DC, durante o horário padrão)
horário de verão: + 1h, começa no último domingo de março; termina no último domingo de outubro
etimologia: nomeado em homenagem a Jean de Valette, o Grão-Mestre da Ordem de São João (cavaleiros cruzados), que liderou com sucesso a defesa da ilha de uma invasão otomana em 1565
Divisões administrativas: Esta entrada geralmente fornece os números, termos de designação e divisões administrativas de primeira ordem, conforme aprovado pelo US Board on Geographic Names (BGN). As alterações que foram relatadas, mas ainda não atuadas pelo BGN são anotadas. Os nomes geográficos obedecem à grafia aprovada pelo BGN, com exceção da omissão de sinais diacríticos e caracteres especiais. Lista de campos das divisões administrativas
68 localidades (Il-lokalita); Attard, Balzan, Birgu, Birkirkara, Birzebbuga, Bormla, Dingli, Fgura, Floriana, Fontana, Ghajnsielem, Gharb, Gharghur, Ghasri, Ghaxaq, Gudja, Gzira, Hamrun, Iklin, Imdina, Imgarr, Imqabba, Imsida, Imsida, Kalkara, Kercem, Kirkop, Lija, Luqa, Marsa, Marsaskala, Marsaxlokk, Mellieha, Mosta, Munxar, Nadur, Naxxar, Paola, Pembroke, Pieta, Qala, Qormi, Qrendi, Rabat, Rabat (Ghawdex), Safi, San Giljan / Saint Julian, San Gwann / Saint John, San Lawrenz / Saint Lawrence, Sannat, San Pawl il-Bahar / Saint Paul's Bay, Santa Lucija / Santa Lúcia, Santa Venera / Saint Venera, Siggiewi, Sliema, Swieqi, Tarxien, Ta 'Xbiex , Valletta, Xaghra, Xewkija, Xghajra, Zabbar, Zebbug, Zebbug (Ghawdex), Zejtun, Zurrieq
Independência: para a maioria dos países, essa entrada fornece a data em que a soberania foi alcançada e de qual nação, império ou tutela. Para os outros países, a data fornecida pode não representar "independência" no sentido estrito, mas sim algum evento de nacionalidade significativo, como a data de fundação tradicional ou a data de unificação, federação, confederação, estabelecimento, mudança fundamental na forma de governo , ou sucessão de estado. Para vários países, o estabelecimento de um Estado. mais listagem de campo de independência
21 de setembro de 1964 (do Reino Unido)
Feriado nacional: esta entrada fornece o principal dia nacional de celebração - geralmente o dia da independência. Lista de campos de feriados nacionais
Dia da Independência, 21 de setembro (1964); Dia da República, 13 de dezembro (1974)
Constituição: esta entrada fornece informações sobre a constituição de um país e inclui dois subcampos. O subcampo de história inclui as datas de constituições anteriores e as principais etapas e datas na formulação e implementação da última constituição. Para países com 1-3 constituições anteriores, os anos são listados; para aqueles com 4-9 anteriores, a entrada é listada como “vários anteriores”, e para aqueles com 10 ou mais, a entrada é “muitos anteriores”. O subcampo emendas resume o processo da alt. mais listagem de campos de Constituição
história: muitas anteriores; mais recente adotado em 21 de setembro de 1964
emendas: as propostas (Atos do Parlamento) exigem maioria de votos de pelo menos dois terços da Câmara dos Representantes; a aprovação de Atos requer maioria de votos por referendo, seguido por maioria final de votos pela Câmara e parecer favorável do presidente da república; alterado muitas vezes, pela última vez em 2016 (2017)
Sistema jurídico: esta entrada fornece a descrição do sistema jurídico de um país. Uma declaração sobre a revisão judicial de atos legislativos também está incluída para vários países. Os sistemas jurídicos de quase todos os países são geralmente modelados em elementos de cinco tipos principais: direito civil (incluindo o direito francês, o Código Napoleônico, o direito romano, o direito romano-holandês e o direito espanhol); direito consuetudinário (incluindo direito dos Estados Unidos); direito consuetudinário; lei mista ou pluralista; e a lei religiosa (incluindo a lei islâmica). Uma adição. mais Lista de campos do sistema jurídico
sistema jurídico misto de direito consuetudinário inglês e direito civil baseado nos códigos civis romano e napoleônico; sujeito à legislação da União Europeia
Participação em organizações de direito internacional: esta entrada inclui informações sobre a aceitação de um país da jurisdição do Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) e do Tribunal Penal Internacional (TPI); 59 países aceitaram a jurisdição do ICJ com reservas e 11 aceitaram a jurisdição do ICJ sem reservas; 122 países aceitaram a jurisdição do ICCt. O Apêndice B: Organizações e Grupos Internacionais explica os diferentes mandatos do CIJ e do ICCt. Lista de campos de participação de organizações de direito internacional
aceita a jurisdição obrigatória do ICJ com reservas; aceita a jurisdição ICCt
Cidadania: Esta entrada fornece informações relacionadas à aquisição e ao exercício da cidadania; inclui quatro subcampos: cidadania de nascimento descreve a aquisição da cidadania com base no local de nascimento, conhecida como Jus soli, independentemente da nacionalidade dos pais. a cidadania por descendência apenas descreve a aquisição da cidadania com base no princípio de Jus sanguinis, ou por descendência, quando pelo menos um dos pais é cidadão do estado e nascido dentro dos limites territoriais do s. mais lista de campos de cidadania
cidadania de nascimento: não
cidadania apenas por descendência: pelo menos um dos pais deve ser cidadão de Malta
dupla cidadania reconhecida: não
requisito de residência para naturalização: 5 anos
Sufrágio: esta entrada fornece a idade de emancipação e se o direito de voto é universal ou restrito. Lista de campos de sufrágio
18 anos de idade (16 nas eleições locais); universal
Poder Executivo: esta entrada inclui cinco subentradas: chefe de estado; chefe de governo; gabinete; eleições / nomeações; resultados eleitorais. O chefe de estado inclui o nome, o cargo e a data de início do mandato do líder titular do país que representa o estado em funções oficiais e cerimoniais, mas não pode estar envolvido nas atividades diárias do governo. Chefe de governo inclui o nome e o cargo do alto executivo designado para administrar o ramo executivo do governo, a. mais listagem de campo da filial executiva
chefe de estado: Presidente George VELLA (desde 4 de abril de 2019)
chefe de governo: Primeiro-ministro Robert ABELA (13 de janeiro de 2020)
gabinete: Gabinete nomeado pelo presidente a conselho do primeiro-ministro
eleições / nomeações: presidente indiretamente eleito pela Câmara dos Representantes para um único mandato de 5 anos; eleição realizada pela última vez em 2 de abril de 2019 (a próxima será realizada em abril de 2024); após as eleições legislativas, o líder do partido da maioria ou coalizão da maioria geralmente nomeado primeiro-ministro pelo presidente para um mandato de 5 anos; vice-primeiro-ministro nomeado pelo presidente a conselho do primeiro-ministro
resultados eleitorais: George VELLA (PL) presidente eleito; Votação da Câmara dos Representantes - unânime; Joseph MUSCAT (PL) reconduziu o primeiro-ministro
Poder legislativo: esta entrada tem três subcampos. O subcampo de descrição fornece a estrutura legislativa (unicameral - casa única; bicameral - uma câmara alta e uma câmara baixa); nome (s) formal (is); número de assentos de membros; tipos de constituintes ou distritos eleitorais (assento único, assento múltiplo, nacional); sistema (s) de votação eleitoral; e mandato dos membros. O subcampo de eleições inclui as datas da última eleição e da próxima eleição. O subcampo de resultados eleitorais lista a porcentagem de votos por partido / coalizão e. mais listagem de campos do Poder Legislativo
descrição: Câmara dos Representantes unicameral ou Il-Kamra Tad-Deputati, um componente do Parlamento de Malta (normalmente 65 cadeiras, mas pode incluir membros gerais; membros eleitos diretamente em 5 círculos eleitorais com vários lugares por voto de representação proporcional; membros servem 5 termos de anos); nota - o parlamento eleito em 2013 tinha 69 assentos; dois assentos adicionais foram adicionados em 2016 pelo Tribunal Constitucional para corrigir os erros cometidos no processo de contagem de votos de 2013
eleições: pela última vez em 3 de junho de 2017 (próximas a serem realizadas em 2022); nota - O Primeiro Ministro MUSCAT convocou eleições antecipadas em meio a alegações de corrupção
resultados eleitorais: percentual de votos por partido - PL 55%, PN 43,7%, outros 1,3%; cadeiras por partido - PL 37 PN 30; nota - ao PN foram atribuídos dois assentos adicionais para um total de 30 de acordo com as disposições de proporcionalidade especificadas na constituição; Os candidatos PD concorreram pela lista PN; composição - homens 57, mulheres 10, por cento das mulheres 14,9%
Ramo judiciário: esta entrada inclui três subcampos. O subcampo de tribunal (es) de mais alto nível inclui o (s) nome (s) do (s) tribunal (es) de mais alto nível de um país, o número e os títulos dos juízes e os tipos de casos ouvidos pelo tribunal, que geralmente são baseados em questões civis, criminais, direito administrativo e constitucional. Vários países têm tribunais constitucionais separados. O subcampo de seleção de juízes e mandato inclui as organizações e funcionários associados responsáveis ​​pela nomeação e nomeação de j. mais listagem de campos do Judiciário
tribunais superiores: Tribunal de Recurso (composto por 1 ou 3 juízes); Tribunal Constitucional (composto por 3 juízes); Tribunal de Apelação Criminal (consiste em 1 ou 3 juízes)
seleção e mandato dos juízes: juízes do Tribunal de Recurso e do Tribunal Constitucional nomeados pelo presidente, normalmente por recomendação do primeiro-ministro; os juízes de ambos os tribunais servem até a idade de 65 anos
tribunais subordinados: Vara Cível (dividida em Seção de Jurisdição Geral, Seção de Família e Seção Voluntária); Corte Criminal; Tribunal de Magistrados; Cortes de Gozo (para as ilhas de Gozo e Comino)
Partidos políticos e líderes: esta entrada inclui uma lista de partidos políticos, coligações e listas eleitorais significativas na última eleição legislativa de cada país, a menos que seja indicado de outra forma. Lista de campos de partidos e líderes políticos
Partido Democrático (Partit Demokratiku) ou PD [Godfrey FARRUGIA]
Partido Trabalhista (Partit Laburista) ou PL [Joseph MUSCAT]
Partido Nacionalista (Partit Nazzjonalista) ou PN [Adrian DELIA]
Participação de organizações internacionais: Esta entrada lista em ordem alfabética por abreviatura as organizações internacionais das quais o país em questão é membro ou participa de alguma outra forma.


Estabelecimento de relações diplomáticas, 1950.

Relações diplomáticas foram estabelecidas em 11 de julho de 1950, quando o enviado extraordinário americano e o ministro plenipotenciário Donald R. Heath apresentou suas credenciais ao governo do Reino do Camboja. Heath era residente em Saigon.

Estabelecimento da Legação Americana no Camboja, 1950.

A American Legation em Phnom Penh foi inaugurada em 14 de novembro de 1950, sob o comando de Chargé d’Affaires ad interim Don V. Catlett.

Elevação do status de legação em Phnom Penh a embaixada, 1952.

Após um anúncio conjunto pelos Estados Unidos e Camboja em 6 de junho de 1952, a Legação dos Estados Unidos em Phnom Penh foi elevada ao status de Embaixada em 24 de junho de 1952, quando o Embaixador Donald R. Heath recebeu a confirmação de sua nomeação pelo Senado dos Estados Unidos . O Embaixador Heath permaneceu residente em Saigon. O primeiro embaixador residente em Phnom Penh foi Robert M. McClintock, que apresentou suas credenciais em 2 de outubro de 1954.

Diplomatic Relations Severed, 1965.

O Camboja rompeu relações diplomáticas com os Estados Unidos em 3 de maio de 1965. O Governo do Camboja declarou que responsabilizou os Estados Unidos pelos recentes ataques aéreos transfronteiriços do Vietnã do Sul que mataram cidadãos cambojanos.

Diplomatic Relations Restablished, 1969.

Os Estados Unidos e o Camboja restabeleceram as relações diplomáticas em 2 de julho de 1969, de acordo com um comunicado à imprensa do Departamento de Estado naquela data.

Embaixada americana no Camboja reaberta, 1969.

A Embaixada dos Estados Unidos em Phnom Penh foi reaberta em 16 de agosto de 1969, sob Chargé d'Affaires ad interim Lloyd M. Rives.


História

Um dos tempos mais sombrios da história moderna foi no Camboja entre 1975 e 1979, quando o Khmer Vermelho liderado por Pol Pot governou o país. Eles prometeram paz após anos de guerra civil e campanhas secretas de bombardeios dos Estados Unidos. Cambojanos lotaram as ruas para receber os soldados durante a queda de Phnom Penh em 17 de abril de 1975.

No entanto, a paz prometida nunca veio e os residentes foram presos e enviados para o campo como parte dos planos do regime comunista de criar uma sociedade agrária. Os bens pessoais foram confiscados, o dinheiro abolido, os laços familiares cortados e o todo-poderoso Angkar (o Partido Comunista Khmer) estabeleceu leis brutais que enviaram a população para trabalhar a terra em condições terríveis.

Tuol Sleng - S-21 - era a principal prisão política, e era para onde eram enviados os suspeitos inimigos de Angkar. À medida que Pol Pot e a paranóia dos principais comandantes cresciam, o mesmo acontecia com o número de cambojanos detidos aqui. Uma vez lá dentro, os prisioneiros foram torturados até a morte ou enviados para a vizinha Choeung Ek para reeducação - ou seja, execução. Estima-se que 12.273 foram detidos em S-21, com apenas sete sobreviventes conhecidos.

Os enviados para Choeung Ek fizeram a jornada de 17 km amontoados na parte traseira dos caminhões. Uma vez lá, muitos foram vendados e, não querendo desperdiçar balas, os soldados acertaram pás em suas cabeças antes de empurrá-las para covas contendo os corpos de milhares de mortos. Estima-se que cerca de 17.000 homens, mulheres e crianças foram executados no local.

Em 1980, os restos mortais de quase 9.000 pessoas foram exumados das valas comuns que ocupam o antigo pomar. Muitos desses crânios agora estão em uma estupa memorial que foi criada em 1988 e é a peça central do local, servindo como uma lembrança do passado amargo e ajudando a garantir que as vidas perdidas nunca sejam esquecidas.


Governo Real do Camboja

Nas últimas duas décadas, o Camboja passou por muitas mudanças importantes, refletindo o sacrifício heróico do povo cambojano para proteger e reconstruir sua terra natal, o padrão de vida e a prosperidade de seu futuro. Com o Acordo de Paz de Paris de 23 de outubro de 1991, o Camboja obtém direitos e soberania plenos. Para o resultado, o povo cambojano pode desenvolver fervorosamente seu país com a ajuda generosa de comunidades internacionais.

Antes de atingir seu objetivo de prosperidade, eles enfrentaram muitos procedimentos críticos. Com a visão de Sua Majestade de Preah Bat Samdech NorodomSihanouk, o amado rei do povo do Camboja, a paz e a reconciliação nacional foram finalmente alcançadas.

Na segunda sessão da auspiciosa reunião plenária da Assembleia Nacional, eu (Samdech Hun Sen, Primeiro-Ministro) tenho a honra de submeter a Plataforma do Governo Real do Camboja à aprovação do augusto órgão legislativo, a Assembleia Nacional. É uma base de governança para garantir paz, estabilidade, democracia e desenvolvimento para o povo cambojano e para reconstruir seu país.

A. Políticas domésticas:

O principal objetivo do Governo Real é garantir a paz, a estabilidade e a unidade nacional. A fim de criar uma estabilidade política favorável ao desenvolvimento econômico e social e à redução da pobreza, o respeito aos direitos humanos no Camboja deve ser firmemente promovido.

1. Pacificação:

O Governo Real adere à solidariedade nacional. Para respeitar os cônsules de Sua Majestade o Rei, os cambojanos de todas as classes sociais e origens políticas de todos os cantos do mundo devem se unir para defender a independência, a paz e a prosperidade de seu país.

Para restaurar a paz permanente e a estabilidade política, o Governo Real saudaria o retorno do remanescente do Khmer Vermelho. Ele continua a integrar as forças armadas e o povo, que apóia a política de pacificação implementada com sucesso em Pailin, Samlot, Malai, Anlong Veng , Preah Vihea e em outras áreas.

O Governo Real continua a cooperar com organizações internacionais para estabelecer o programa de repatriação para acomodar os refugiados de Camboja em sua sociedade. Pagaria a qualquer preço impedir o retorno do regime genocida e a recorrência das tragédias do passado recente. Os líderes linha-dura do proscrito Khmer Vermelho seriam colocados no rastro do tribunal. Nesse ínterim, o Governo Real reintegraria um punhado de ex-militares nas Forças Armadas Reais. Sob a presidência de Sua Majestade o Rei, a declaração de 13 de novembro enfatizou claramente que o grupo de trabalho encarregado dos assuntos militares deve implementar imediata e adequadamente os acordos estabelecidos no espírito da cúpula de 12 a 13 de novembro. O Reino da Camboja tem total soberania. É um estado unificado, não um estado separado.

2. Processo liberal democrático e respeito aos direitos humanos:

O Governo Real adere ao princípio do pluralismo democrático e ao respeito pelos direitos humanos, pelos quais acredita veementemente que são fundamentais para o progresso social. A democratização e a liberalização de todos os tecidos sociais devem ser enfrentadas rapidamente, porque são as forças essenciais do desenvolvimento econômico e social. O Governo Real garante e protesta a liberdade de seus cidadãos consagrada na Constituição, na Declaração Universal dos Direitos Humanos, nas Convenções sobre Direitos Civis e Políticos e Direitos Sociais, Econômicos e Culturais e na Convenção sobre os Direitos das Mulheres e Crianças. Ele se opõe fortemente ao ódio racial. A estrutura geral da instituição de direitos humanos administrada pelo estado seria atualizada.

3. Liberdade de Imprensa e Expressão:

O Governo Real apoia vigorosamente a liberdade de imprensa, a liberdade de expressão e de reunião, que contribuem livremente para a consciência social e política. A fim de buscar diferentes tonalidades e cores de opiniões, incentiva-se a realização de fóruns públicos. Ao mesmo tempo, liberdade e anarquia devem ser claramente diferenciadas. A Constituição fornece aos cidadãos que suas liberdades devem ser desfrutadas e honradas, não para serem destrutivas e intrusivas.

4. O papel das oposições:

Para mobilizar a sabedoria de todas as esferas da vida e fundamentos para construir a nação, o Governo Real apoia amplamente o papel das oposições para críticas construtivas e por bons serviços à nação. As oposições têm plenos direitos legais para desempenhar suas atividades políticas. Eles são totalmente garantidos pelo Governo Real com benefícios sociais e políticos iguais, como liberdade, justiça, segurança e emprego. Eles podem ajudar a jovem democracia do Camboja a se desenvolver plenamente. Eles não precisam se envolver para serem rotulados de oposições. O Governo Real e as oposições teriam de promover conjuntamente o interesse nacional, a estabilidade social e o bem-estar do povo, para que o Camboja e seu povo pudessem desfrutar dos frutos de uma força política duradoura e da estabilidade nacional.

O papel das oposições será definido na lei.

5. A Participação da Sociedade Civil:

O Governo Real e a sociedade civil incorporarão o seu princípio de Estado de direito ao reforço da democracia, da liberdade e da lei e da ordem sociais. Eles podem não desenvolver o país por conflito de interesses entre as sociedades civis e políticas. A sociedade civil será um parceiro fundamental do Governo Real na construção do Camboja. Em vista disso, o Governo Real endossaria as múltiplas atividades das organizações não governamentais e de associações que têm servido ao povo de Camboja em todo o país. Ele se apropriará de fundos especiais e os alocará à organização não governamental na prestação de serviços em seu nome. O Governo Real acolheria com agrado a participação das Organizações Não Governamentais Internacionais no processo de reabilitação do desenvolvimento económico e na promoção da democracia e dos direitos humanos. Para tal, necessita de elaborar uma lei sobre as Organizações Não Governamentais e Associações.

6. O Estado de Direito:

O Estado de Direito é o princípio básico da democracia, da sustentabilidade do governo e de todas as instituições. É garantir a liberdade, o interesse nacional, a justiça, a harmonia e a sustentabilidade social. Uma estrutura legal forte para acabar com os ataques à dignidade humana é urgentemente necessária. A aplicação e educação da lei seriam amplamente divulgadas. Todos os homens nascem livres e iguais, mas não deve ser permitido que estejam acima da lei. Um conjunto de leis deve ser aplicado igualmente a todos.

Atualmente, as reformas administrativas, judiciais, militares, políticas e econômicas devem ser tratadas com urgência.

Hoje, a máquina administrativa do Camboja é excessiva. O governo real não pode apoiá-la mais. Seriam necessárias medidas para reformar. Deve ser cortado gradualmente. Deve ser uma administração neutra e sólida, capaz de servir efetivamente ao povo. A regra dos funcionários públicos deve ser estritamente aplicada. O programa de treinamento para atualizar o conhecimento e as habilidades dos funcionários deve ser atualizado e mantido espontaneamente.

A estrutura física das províncias e suas cidades deve ser revista. A autonomia da administração provincial deve ser considerada seriamente. A gestão das províncias, distritos, comunas e aldeias deve ser realizada de acordo com as regras e regulamentos.

O sistema judicial e o tribunal são necessários para uma revisão completa. Por lei, eles devem ser independentes, honestos e confiáveis. Para ter sucesso em sua busca, as corporações entre as instituições nacionais, como a Assembleia Nacional, o Governo, o Conselho Constitucional, o Conselho da Magistratura e o tribunal, devem ser superadas. Os salários dos juízes devem ser adequadamente aumentados. Em especial, os juízes da Suprema Corte devem solicitar que suas citações sejam devidamente registradas e executadas. No entanto, se houver um juiz a cometer uma violação, o Conselho da Magistratura deve imediatamente repreendê-lo.

A corrupção e os abusos de poder, que dificultam a promoção e sustentação das condições de vida das pessoas, devem ser travados. O Camboja, os empresários e os investidores não devem ser vitimados por essas explorações. O Governo Real do Camboja considera a luta contra a corrupção uma questão prioritária.

O governo real estabeleceria transparência em toda força de trabalho. A instituição anticorrupção seria formada em breve. Para garantir a eficácia na força de trabalho, as seguintes medidas seriam realizadas com urgência:

  1. A lei anticorrupção contra os corruptos,
  2. A criação de uma agência para monitorar e combater a corrupção,
  3. O decreto de compensação de riqueza,
  4. O controle de propriedades do Estado,
  5. O incentivo da cidadania a participar do combate à corrupção,
  6. A apropriação do aumento salarial dos funcionários públicos de acordo com o orçamento nacional.

B. Defesa e Segurança Nacional:

As Forças Armadas Reais do Camboja (RCAF), a Polícia Militar e a Polícia Nacional cumpririam suas funções de acordo com as regras de ordem militar e policial. Eles devem ser neutros, obedientes e autocontidos. Eles devem sacrificar suas vidas para proteger a Constituição do Reino do Camboja. Eles defenderiam bravamente a independência nacional, a soberania e a integridade territorial, para manter a paz, a segurança e a estabilidade, e para fazer cumprir a lei e a ordem. Eles devem acabar com a insurgência, o terrorismo e a secessão. Eles devem erradicar completamente o sequestro, assalto à mão armada, tráfico de drogas, contrabando de artefatos, lavagem de dinheiro e exploração sexual de crianças e mulheres menores. Eles devem aplicar a lei de maneira adequada para tornar sua terra natal próspera e segura para todos, incluindo diplomatas, investidores, turistas e trabalhadores estrangeiros.

Eles participariam dos programas de desenvolvimento nacional. Eles devem ser ativos na operação de resgate para salvar as vidas das pessoas de causas naturais. Eles deveriam restringir o uso de armas ilegais e fechar os mercados negros de armas.

O serviço da milícia pode ser revisto. Alguns lugares até a sua ajuda. Para outros lugares, a ajuda não é aplicável. No entanto, a desmobilização da milícia e seu desarmamento devem ser altamente considerados.

C. Políticas Externas:

O Camboja adere à política de neutralidade e não aliança. Estabelece relações indiscriminadamente com todos os estados amigos em todo o mundo. Conduz políticas de compreensão mútua, igualdade, respeito e não interferência nos assuntos internos de outros estados.

O Camboja fortaleceria a amizade bilateral e a cooperação com seus vizinhos. As questões de fronteira com seus vizinhos seriam resolvidas por meio de negociações e por meios pacíficos.

O Camboja estabeleceria amizades bilaterais e multilaterais com países regionais, especialmente com a ASEAN. Ele quer contribuir com a construção conjunta do Sudeste Asiático para ser uma região de paz, tranquilidade e prosperidade.

Ao se tornar um membro ativo da ASEAN, o Camboja se comportaria dentro dos princípios dos acordos.

O Camboja é um membro do movimento não-alinhado. Com o princípio dos acordos, aumentaria sua relação diplomática com outras nações e estabeleceria embaixadas dentro de seus recursos financeiros e humanos.

O Camboja com alto respeito pela humanidade se conduziria para ser um bom membro das Nações Unidas.

Para resolver o problema dos imigrantes ilegais, o Camboja utilizaria sua lei de imigração que consagra o princípio estabelecido na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

O Governo Real do Camboja é muito grato às comunidades internacionais por sua contribuição, paz, democracia e prosperidade no Camboja.

II. Política econômica:

  1. A economia é um domínio principal de apoio ao programa de desenvolvimento nacional, que envolve sustentabilidade e macroeconomia. Deve utilizar de forma eficaz os seus recursos naturais e humanos. O Camboja promoveria a economia de mercado livre vinculada ao programa de combate à pobreza e justiça social. O mecanismo econômico segue seu curso dentro das regras e regulamentos da economia de livre mercado.
  2. O governo real não administraria o mercado, mas o sustentaria. O Governo Real daria ao setor privado o direito de autodeterminação sobre a produtividade, o investimento e as despesas, e interviria muito menos. Pelas razões, estabeleceria estruturas jurídicas e administrativas para garantir a liberdade e a autonomia do setor privado em relação aos direitos de propriedade, emprego, profissão e direito de competir livremente.
  3. Melhoraria o mecanismo e a estrutura de gestão econômica para garantir a eficácia e a transparência para lidar com a corrupção e a violação da lei. Isso é muito importante para estabilizar a macroeconomia, melhorar o padrão de vida das pessoas e estimular o investimento.
  4. Prioriza a infraestrutura física agrícola, energia elétrica e recursos humanos, que são a base do superdesenvolvimento. Os seguintes objetivos devem ser alcançados:
    1. Acelerar o crescimento econômico para melhorar o padrão de vida popular e criar mais empregos. O principal potencial para promover o crescimento econômico é acumular e transformar os recursos naturais e os produtos nacionais em produtos de exportação. O governo real melhoraria as regras e regulamentações econômicas e promoveria o Camboja como produtor de bens, a fim de atrair mais investimento estrangeiro.
    2. Para garantir a estabilidade da moeda de Riel, para manter a taxa de inflação sob controle, para evitar a perda de receita e poupança privada pela flutuação de Riel e para construir a confiança em Riel, desvalorizando com cautela o dólar.
    3. Aumentar a exportação de produtos agrícolas e manufaturados com alta expertise e qualidade.
    4. O governo real faria o melhor para aliviar a pobreza. A redução da pobreza não é apenas a base da sustentabilidade do desenvolvimento econômico, mas também a prioridade para a implementação do programa social.

    Com base nestes fundamentos e nas conquistas em curso, o Governo Real pode realizar as seguintes estratégias econômicas:

    O Governo Real acredita fortemente no processo de seleção de pessoas saudáveis, bem educadas, disciplinadas, honestas, independentes e responsáveis. Nesse espírito, a melhoria da qualidade da educação, dos serviços de saúde e da segurança alimentar deve ser fortemente promovida pelo Governo Real, que priorizaria o investimento na formação profissional e no ensino superior. Os trabalhadores cambojanos estariam melhor equipados com habilidades e know-how.

    O Governo Real cooperaria com a Câmara de Comércio e outras instituições profissionais para estabelecer o centro de transferência do know-how.

    A atual deficiência da infraestrutura nacional prejudica enormemente o crescimento econômico do Camboja. O Governo Real continuaria a reabilitar a infraestrutura nacional. Eventualmente, privatizaria o transporte de massa e as comunicações, as telecomunicações e o fornecimento de energia elétrica.

    Agricultura:

    A principal infraestrutura econômica do Camboja é a agricultura. O Governo Real melhoraria o sistema de irrigação, porque as atividades agrícolas no Camboja dependem exclusivamente do clima. Consequentemente, é essencial atualizar a Direção Geral de Irrigação para o nível de Ministério de Recursos Hídricos e Meteorologia. Em cinco anos, de 1998 a 2003, aumentaria a capacidade de irrigação de 16,62% para 20%, ou seja, a ancapacidade de 374.603 ha. Para 450.600 ha. de campos de arroz.

    O abastecimento de água seria estritamente monitorado e distribuído. A alta qualidade da água limpa deve ser absolutamente mantida.

    A plantação de borracha seria privatizada. O governo real encorajaria uma grande ou pequena escala de produção de borracha pela provisão de crédito e propriedade.

    O Governo Real consolidaria o manejo florestal para garantir sua sustentabilidade. Ele proíbe estrita e completamente o registro ilegal. Seriam necessários os seguintes passos para:

    1. Cessar novos investimentos no processamento de madeira.
    2. Revise todos os contratos de concessão florestal e cancele os contratos não cumpridos. A floresta sob o contrato não cumprido seria usada para parques nacionais e habitats.
    3. Incentive as empresas com contratos cumpridos a modernizar suas fábricas, a fim de aumentar o valor da madeira e criar mais empregos para os cambojanos. O Governo Real deve aplicar rigorosamente sua política de reflorestamento.
    4. Rever e alterar a legislação sobre manejo florestal para beneficiar os investidores, que cumprem as regras. Pessoas que cometem extração ilegal de madeira e violam a lei florestal devem ser levadas à justiça.

    O governo real encorajaria as pequenas e grandes indústrias a cumprirem suas tarefas. Ele se concentraria na estratégia de produção de bens de exportação, em vez de importação. A liberalização do comércio internacional torna os produtos locais difíceis de competir nos mercados externos. As pequenas indústrias produzem sua produção o suficiente para uso doméstico. Ela se empenha em fazer das indústrias têxteis e agrícolas a estrutura central das indústrias cambojanas.

    O Governo Real promove a pesquisa e a exploração de petróleo, gás natural e outros minerais, que passa a ser a potencialidade do nacional garantir o abastecimento elétrico adequado com baixo custo e atendimento ao seu objetivo econômico.

    O governo real intensificaria sua política de liberalização comercial. Facilitaria a livre circulação de mercadorias. O preço e a quantidade de crescimento de sua produção. Também ampliaria a relação de comércio internacional, criando uma ponte entre os mercados internos e externos. Finalmente, promoveria a integração e o comércio global.

    O Governo Real promoveria o desenvolvimento do turismo e faria com que ele se tornasse um turismo de cultura e natureza. Isso aumentaria os investimentos públicos e privados voltados para a construção de infraestrutura turística. Isso garantiria segurança e estabilidade política. O trabalho turístico deve estar ligado à preservação do patrimônio cultural natural e do meio ambiente natural.

    Política Econômica Externa:

    O Governo Real adota uma orientação política precisa de sua economia externa conformando-se à liberalização do comércio internacional e integrando a economia nacional à econômica mundial. Por meio dessa política, o Camboja se prepara para atrair e enfrentar regional e globalmente o processo de internacionalização econômica. Ao mesmo tempo, a produtividade e a capacidade competitiva da economia cambojana nos mercados internacionais serão ampliadas por meio da aplicação de massa com base na disponibilidade de recursos domésticos.

    O Camboja, no entanto, enfrentará o influxo de produtos acabados estrangeiros, o que rejeita uma série de indústrias no país. A pressão do processo de integração da economia regional, no qual o Camboja espera ingressar na ASEAN e na Organização Mundial do Comércio em um futuro próximo, aumentará a carga do orçamento nacional por meio da queda da receita tributária e das taxas de importação. Essas atividades financeiras mudariam a estrutura econômica do Camboja. O Governo Real está otimista e se prepara para alterar seus procedimentos legais para acomodar a integração econômica.

    Política de Investimento:

    O Governo Real do Camboja promove os investimentos internos e externos por meio da aplicação do princípio e do incentivo à política de investimentos do Reino do Camboja. Itstrengthens its cooperation with friendly countries and their institutions inorder to attract more investment, developed countries and the expansion of themarkets.

    To have a good environment for the investment, thesocial political stability and the stability of the macro-economy must beensured. The principle and the guidance of the investment policy must be firmlyadhered . The Royal Government of Cambodia may reform and strengthen theinstitution, which is responsible for the activities of the investment,especially for the improvement on the formality of the application for theinvestment undermining the illegal activities and corruption.

    Financial and Monetary Policies:

    The Royal Government must ensure the effectiveness ofthe execution of its financial and monetary policies. The fiscal policy recentlyimproved has not yet been properly carried out. The national budget, which has aduty to evaluate, to collect, and to distribute the national resources, is themost important tool to handle the economic and social policies of the RoyalGovernment of Cambodia. Therefore, the national budget must be disbursed distinctively for the support of public services, and for the handling of publicprojects with the economic sense of prudence, conscience, and proficiency, theRoyal Government must give the priority to the promotion of productivity, theprivate investment, the social programs, and public health care. The futureASEAN membership of Cambodia would influence tremendously the reform of therevenue of the national budget. The national revenue by taxation on the importand export goods will be decreased. For that, it would strengthen all faces oftax the entrepreneurs to be in the investment process, and to achieve the budgetsurplus for which it is to be the sources of internal credit, such as for thepublic investment and for the financial intervention to pay raises for theemployees of the government.

    1. To achieve the effective control over the budget andfiscal policies, the Royal Government of Cambodia must immediately take thefollowing steps:
    2. Use every measure at all costs to combat tax evasion.
    3. Strongly prohibit revenue collection and shelter, and disbursement infringing the budgetary system.
    4. Abolish tax exemption, which is not stipulated in the investment law, the law on fiscal policy, and the law on the annual financial management.
    5. The Ministry of economy and Finance must strictly check and control goods before loading in order to properly tax the merchandises, while its services are being effectively conducted with high consideration of time consumption.
    6. Carry out strict measure of austerity, especially against the unneeded expenses. The financial resources from privatization must only be used for the public investment such as the infrastructure, or the counterpart fund of the credit fund from the financial institution.
    7. The fund used other than infrastructure purpose must be prohibited.

    The Royal Government undertakes its political will toimpose punishment on fraud, illegal transfer of fund, and corruption. To ensurethe stability of buying power of Riel currency, the Royal Government would setthe spending rate of the national budget to be below the rate of the nationaleconomic growth, and the rate of reserve fund of the banks. The interest rateconducive to the promotion of private saving, and the intervention of theNational Bank in the domestic monetary markets in order to stabilize the rate ofRiel exchange.

    The attempts of the Royal Government of Cambodia tocut down the economic imbalance will encounter numerous difficulties, becausethe limited financial resources force it to prioritize the use of the economicmeasure. But often the economic tools to came together at one time. At the sametime, the lingering economic crisis and the declined economic growth in theregion will impact the flow of the foreign investment and the domestic growth.The Royal Government would overcome those economic stumbling blocks in order toattain its economic goal, because of its last achievements. This task needs thejoint participation of national and international sectors to improve nationaleconomy and to strengthen the capacity building, the work sprit, ethics, andsocial obligation of public servants.

    III. Culture, Health , Social Obligation:

    The Royal Government initiates tough measure torestore and to promote culture heritage and national civilization, to end thedeclination of national culture, to highlight the social ethic, and to promotethe national cultural characteristic and progress. For that, the RoyalGovernment has to expand the education of culture and civilization, to promotethe general understanding of the national identity and pride, and to stop theflow of the foreign culture, which affects the national culture.

    On health matter, the Royal Government would promotehealth service to public and private sectors, disease prevention, mother andchild care, flight against the contagious disease, and health check up andtreatment in State hospitals and clinics.

    On social issues, the Royal government would upgradethe standard of living of the people and to ensure the equal benefits for thepeople from all walks of life. Principalmente,

    The Royal Government would cut down to the maximum ofthe vulnerability, and increase the chance for the poor and indigent citizens tobe able to participate in the social and economic programs. It would firmlycarry out the labor law and the international convention on labor unions inorder to secure the right and privilege for the workers, employees, andemployers. It would establish a good working condition to benefit thehandicapped persons, the orphans, the widows, and the indigent men and women, sotheir livings could be better conditioned. It would defense the right of womenand children according to the universal convention. It would engage the women inpolitics and in other social and economic fields. It would assist the minorityto involve in restoring the economic, social, and cultural heritage.

    To succeed the social rehabilitation and development,there is an important factor to be addressed that is the task of buildingsocial conscience, confidence, and self- determination, which produce qualitywork. The idea and stand on ordinary productivity to improve the skill and theknowledge of know-how in agreement with the rules of development must beencouraged.


    Pol Pot renames Cambodia

    On January 5, 1976, Khmer Rouge leader Pol Pot announces a new constitution changing the name of Cambodia to Kampuchea and legalizing its Communist government. During the next three years his brutal regime was responsible for the deaths of an estimated 1 to 2 million Cambodians.

    Pol Pot, who was born Saloth Sar in 1925 to a relatively well-off Cambodian family, became involved in the Communist movement as a young man studying in Paris. After he returned home to Cambodia, which gained its independence from France in 1954, he rose through the ranks of his homeland’s small, underground Communist Party. Influenced by China’s Mao Zedong, by the mid-1960s, Pol Pot, also known as Brother Number One, was heading up Cambodia’s Communist movement and living in a remote part of the country with a band of supporters.

    Cambodia’s ruler, Prince Norodom Sihanouk, was overthrown in a pro-American coup in 1970 and the Khmer Rouge, with initial help from Vietnamese Communists, then waged a civil war against the new government of Lon Nol. At the same time, the U.S. launched a bombing campaign and sent in soldiers to Cambodia to hunt down North Vietnamese Communist troops operating there.

    In April 1975, following five years of fighting, Pol Pot’s guerillas seized power in the Cambodian capital of Phnom Pehn. Exhausted by years of conflict, many of the city’s 2 million residents initially welcomed the Khmer Rouge as liberators who would bring about a social revolution. Instead, Pol Pot’s inept attempt at building a peasant-based agrarian utopia became a nightmarish reign of terror and genocide. Cambodians were forced into the countryside to work in communes, anyone with education or wealth was killed and schools, newspapers, hospitals, culture, religion and private property were abolished. Tens of thousands of Cambodians died of starvation while countless others succumbed to disease and forced labor or were murdered.


    Genocídio Cambojano

    Workers on the farm collectives established by Pol Pot soon began suffering from the effects of overwork and lack of food. Hundreds of thousands died from disease, starvation or damage to their bodies sustained during back-breaking work or abuse from the ruthless Khmer Rouge guards overseeing the camps.

    Pol Pot’s regime also executed thousands of people it had deemed as enemies of the state. Those seen as intellectuals, or potential leaders of a revolutionary movement, were also executed. Legend has it, some were executed for merely appearing to be intellectuals, by wearing glasses or being able to speak a foreign language.

    As part of this effort, hundreds of thousands of the educated, middle-class Cambodians were tortured and executed in special centers established in the cities, the most infamous of which was Tuol Sleng jail in Phnom Penh, where nearly 17,000 men, women and children were imprisoned during the regime’s four years in power.

    During what became known as the Cambodian Genocide, an estimated 1.7 to 2.2 million Cambodians died during Pol Pot’s time in charge of the country.


    A BRIEF HISTORY OF CAMBODIA

    Cambodia has a rich and fascinating history. The first humans in Cambodia were Stone Age hunters and gatherers. However, farming was introduced into Cambodia in about 2,300 BC. The first farmers in Cambodia used stone tools but from about 1,500 BC the Cambodians used tools and weapons made from bronze. By about 500 BC they had learned to use iron.

    The first civilization in the area arose about 150 AD in the Mekong River delta in South Vietnam. This civilization was known to the Chinese who called it Fu-nan.

    While Fu-nan was trading with the Chinese Cambodian society grew more sophisticated. Settlements grew larger. So did kingdoms. By the beginning of the 7th century AD, all of Cambodia was highly civilized.

    At first, Cambodia was divided into rival states. However, at the beginning of the 9th century, a king named Jayavarman II founded the Khmer Empire in Cambodia.

    THE KHMER EMPIRE IN CAMBODIA

    Like all early civilizations the Khmer Empire was an overwhelmingly agricultural society, Although there were many craftsmen the great majority of the people were farmers. Their staple diet was rice.

    The Khmers were animists. They believed that spirits inhabited natural phenomena such as the earth and trees. Later Indian religions (Hinduism and Buddhism) were introduced but they co-existed with traditional beliefs. The rich and powerful built fine temples (the only stone buildings in Cambodia). They were richly decorated with fine stone carvings. The most famous temple is Angkor Wat which was built in the early 12th century.

    For Cambodia was prosperous and powerful. Then about 1000 AD, King Jayavarman V was killed. Civil war followed until Suryavarman I founded another dynasty. By 1011 he was in control of Cambodia. However, his dynasty only lasted until 1080 when it was replaced by another.

    In 1177 a people called the Chams from Champa (on the coast of Vietnam) invaded Cambodia. However, King Jayavarman VII managed to drive them out by 1183, and between 1203 and 1220 he was able to force the Chams to submit to him. Nevertheless, by the mid-13th century, the Khmer kingdom was in decline.

    In 1431 the Thais captured the Cambodian capital, Angkor. Afterward, it was abandoned and a new capital was founded at Phnom Phen. By the mid-16th century, Angkor was overgrown by the jungle and it was accidentally re-discovered by a Cambodian king.

    During the 16th century Cambodian power continued to decline. At the end of the century Cambodia fell under Thai suzerainty (loose control). In 1594 the Thais captured the capital. After that they dominated the region.

    From the middle of the 17th century, the power of Vietnam grew. In the early 17th century the Cambodians controlled parts of what is now South Vietnam. They held a port called Prey Nokor. (Later it was renamed Saigon). In the late 17th century Prey Nokor fell under Vietnamese rule.

    During the 18th century, Cambodia found itself squeezed between two powerful neighbors, Thailand and Vietnam. The Thais invaded Cambodia several times in the 18th century and in 1772 they destroyed Phnom Phen. In the last years of the 18th century, the Vietnamese also invaded Cambodia. The Cambodian king was forced to look to the Thais for protection. In return, Thailand took north-west Cambodia.

    CAMBODIA IN THE 19th CENTURY

    In the early 19th century King Chan (1806-1834) turned to the Vietnamese for protection from the Thais! The Thais were annoyed by this policy and when a rebellion occurred in south Vietnam in 1833 they took advantage by invading Cambodia. However, the Vietnamese king crushed the rebellion and the Thai army retreated.

    As a result, the Vietnamese emperor strengthened his control over Cambodia. When Cambodian King Chan died in 1834 one of his daughters was installed as Queen and Vietnamese people settled in Cambodia. The Vietnamese regarded the Cambodians as ‘barbarians’ and tried to ‘civilize’ them by teaching them Vietnamese customs.

    Resentment at Vietnamese influence led to a rebellion in 1840-1841. The Thais invaded again to re-assert their control of Cambodia.

    However, in the 1850s French missionaries arrived in Cambodia. The Cambodian king turned to the French to protect him from both the Thais and the Vietnamese. So in 1863 Cambodia became a French protectorate.

    CAMBODIA IN THE 20th CENTURY

    Under French rule, some economic development took place in Cambodia. Roads and railways were built and in the 1920s a rubber industry grew up. However, the Cambodians were forced to pay heavy taxes and from the 1930s Cambodian nationalism grew.

    Then in 1941 Cambodia was occupied by the Japanese. However, at first, they allowed French officials to remain in their posts but in March 1945 as the Japanese were losing the war they desperately tried to curry favor with the Cambodians. They arrested French officials and declared Cambodia independent. However when the Japanese surrendered the French took over again. They arrived in October 1945.

    This time the French did allow the Cambodians to have political parties and a constitution. By a treaty of 1949 Cambodia was made semi-independent. Then in 1952 King Sihanouk dismissed the government and took personal control of the country. Events then moved swiftly. On 9 November 1953, the French finally allowed Cambodia to become fully independent, and in 1955 Sihanouk abdicated in favor of his father, and elections were held.

    Sihanouk formed his own political movement. From 1955-1970 he dominated politics in Cambodia so much so that it is sometimes called the ‘Sihanouk era’. In 1960, when his father died, he named himself ‘Chief of State’. Sihanouk called his movement ‘Buddhist Socialism’. However, it was not really socialist at all.

    Sihanouk’s reign began to crumble in 1968 when the communists began a civil war. In 1970 Sihanouk left the country. While he was away the National Assembly voted to remove him as chief of state. Cambodia was renamed the Khmer Republic.

    However the communists slowly made headway. The Americans bombed Cambodia to try and stop the communists. Nevertheless they captured Phnom Penh on 17 April 1975.

    THE KHMER ROUGE IN CAMBODIA

    In 1975 a horrific and tragic era of Cambodian history began in the reign of the Khmer Rouge. They were led by Pol Pot (or Saloth Sar) also known as ‘Brother Number One’. How many people were killed by Pol Pot and the Khmer Rouge is not known for certain but it was probably at least 1.5 million and it may have been as many as 3 million. Pol Pot declared that history would begin again in Cambodia. The first year of the revolution was now the first year of history.

    In 1975 Cambodia was a mainly agricultural country. Pol Pot decided it should be n agricultural. This meant all the people from the towns and cities were forced to move to the countryside. Pol Pot also decided that agricultural output should double in 4 years (a totally unrealistic target). Private property was banned and collective farms were formed. They were supposed to grow 3 tonnes of rice per hectare (again a completely unrealistic target). People were made to work very long hours to try and grow the extra rice. They were given insufficient food and many fell ill and died from a combination of exhaustion and malnutrition.

    That was not all. Religion was banned in Cambodia (people caught practicing Buddhism were executed). Family relationships were banned (on the grounds that parents exploited their children).

    Furthermore, the smallest infringement of the rules resulted in execution. Although they were half-starved people caught foraging for food were executed. People were also executed for being lazy. Needless to say, anyone who complained was executed.

    Furthermore, the Khmer Rouge murdered intellectuals. Soon people who could speak a foreign language or who wore glasses were executed. This nightmarish situation was only ended by a war with Vietnam. The Vietnamese invaded Cambodia in December 1978 and quickly prevailed. Unfortunately, Pol Pot escaped and he did not die until 1998.

    Pol Pot’s soldiers fled to Thailand and they were welcomed by the Thai’s who feared a Vietnamese invasion. The Khmer Rouge continued a guerrilla war against the Vietnamese. However, the Vietnamese forces withdrew from Cambodia in 1989.

    Afterward negotiations began among several different parties. The result was the Paris Peace Accords of 1991. Communism was abandoned in Cambodia and a provisional government ruled until 1993 when elections were held and a constitution was framed. Sihanouk was made a constitutional monarch.

    However, the Khmer Rouge refused to take part in the elections and they continued their guerrilla war. Fortunately in 1996 Pol Pot’s second in command Ieng Sary defected in 1996. Many Khmer Rouge troops followed him. Pol Pot himself died in 1998 and peace returned to Cambodia.

    In 1999 Cambodia joined ASEAN.

    CAMBODIA IN THE 21st CENTURY

    In 2004 King Norodom Sihanouk abdicated. His son became King Norodom Sihamoni in his place.

    Today Cambodia is still a poor country but there is every reason to be optimistic about its future. In the early years of the 21st Century, the Cambodian economy grew rapidly.

    Today the economy of Cambodia is growing strongly. The textiles industry in Cambodia is booming so is tourism. Cambodia is growing more and more prosperous.

    In 2005 oil was discovered in the sea off Cambodia and it holds great promise for the future. Today the population of Cambodia is 16 million.

    Phnom-penh


    Cambodia

    Like its northern neighbour Laos, Cambodia became an unwilling battleground in both the Cold War and the Vietnam War. The outcomes in Cambodia were even more devastating, with the rise of the Khmer Rouge, an extremist group that oversaw one of the worst genocides in human history.

    Fundo

    Cambodia is a small nation of some 180,000 square kilometres, lying south-west of Vietnam and also sharing borders with Thailand and Laos. Like Vietnam, Cambodia had been a French colony until the mid-20th century. By 1960, Cambodia’s population was around six and a half million people, the majority of whom were peasant farmers.

    During the mid 1960s, its eastern regions were infiltrated and invaded by North Vietnamese and Viet Cong troops. This led to American intervention in Cambodia, most noticeably a sustained bombing campaign.

    In the period 1969-70, the United States dropped more bombs on Cambodia than it had used in the entirety of World War II. This foreign intervention and disruption had a profound effect on Cambodia’s development. It contributed to the rise of the Khmer Rouge, a paramilitary group with an extreme communist agenda.

    Norodom Sihanouk

    Prior to the Vietnam War, Cambodia was led by Norodom Sihanouk, a charismatic young prince with a taste for Western culture, particularly the music of Elvis Presley. Sihanouk produced his own films, organised public processions and parades, and gave long, rambling speeches on Cambodian radio.

    Though not short on ego, Sihanouk was a political progressive and a nationalist who wanted the best for its people. When the French granted Cambodia independence in 1953, Sihanouk took the radical step of abdicating the monarchy and running as a democratic candidate. His popularity saw him elected as prime minister.

    Though initially pro-American, Sihanouk adopted a more neutral position following American military intervention in Vietnam in 1965. This placed Sihanouk and his government in a difficult position, given Cambodia’s extensive and largely uncontrolled land borders with Vietnam.

    The war overflows into Cambodia

    As the Vietnam War intensified, thousands of North Vietnamese Army (NVA), Viet Cong and Cambodian communists moved freely across these borders, using Cambodia’s eastern regions for stashing supplies, taking refuge and transiting men and material to South Vietnam. Cambodian farmers also traded rice and other products with communists soldiers and revolutionaries.

    The escalating conflict in Vietnam prompted the Americans to apply pressure and demand action against communists operating within Cambodian borders. Sihanouk wanted to avoid being drawn into a wider regional conflict, so sought to maintain a relatively neutral position. This led to speculation that he was either ‘soft’ or a communist sympathiser.

    Relations between Phnom Penh and Washington became more difficult and began to sour. In May 1965, US-Cambodian relations collapsed altogether when Sihanouk broke off diplomatic relations with the US, a move that curtailed US aid to Cambodia. Instead, Sihanouk decided to develop a relationship with China, a nation he correctly believed would eventually dominate the Asian hemisphere.

    Sihanouk (left, in black) meets with Chinese leader Mao Zedong in 1965

    General Lon Nol

    Sihanouk’s position outraged the more conservative members of his own administration, particularly his military chief, General Lon Nol. A career military officer who had worked for the French during the 1940s and early 1950s, Lon Nol was pro-American, anti-communist and a believer in authoritarian government.

    In 1966, Lon Nol became prime minister, following an election marred by claims of intimidation and corruption. In 1966-67, he urged Sihanouk to crack down on communists operating in Cambodia. Eager to appear centrist, Sihanouk agreed.

    In March 1967, while Sihanouk was out of the country, Lon Nol sent troops into Cambodia’s western Battambang province to quell disturbances there. Hundreds were slaughtered and dozens of villages and granaries were razed.

    After Sihanouk’s return, Hanoi began demanding access to Cambodian territory, to transit and store NVA and Viet Cong troops and supplies. Sihanouk did not approve this – but he knew that his own military could not prevent it.

    The 1970 military coup

    Meanwhile, Cambodia’s communist insurgency – now calling themselves the Communist Party of Kampuchea (CPK) – was expanding and regrouping. In the mid-1960s, the CPK contained barely a few hundred members, however, government crackdowns, corruption, military brutality and Viet Cong propaganda helped create thousands of new recruits. Sihanouk described the insurgents of the CPK as the Khmer Rouge (‘Red Khmers’) and this label was quickly picked up by the Western press.

    In March 1970, Lon Nol led a coup that removed Sihanouk from power while he was out of the country. One of Lon Nol’s first steps was to contact Hanoi and demand the withdrawal of all NVA and Viet Cong forces from Cambodia. Not only was this demand ignored, the North Vietnamese also mounted a series of attacks on Cambodian government troops, causing significant casualties. The Khmer Rouge, growing in number but still militarily weak, gave support to these North Vietnamese offensives.

    A massive US bombing campaign in 1970-73 dropped 2.75 million tons of explosives on Cambodia, arguably the largest amount on any single country in history. This bombing eliminated thousands of NVA, Viet Cong and Khmer Rouge soldiers – but it also killed Cambodian civilians and destroyed their homes, farmland and livestock. This fuelled opposition to the US-backed Lon Nol regime and triggered a recruiting surge for the Khmer Rouge.

    The Khmer Rouge seizes power

    By 1974, the revitalised Khmer Rouge was drawing closer to victory against Lon Nol and his forces. The group was now under the autocratic control of Saloth Sar (or Pol Pot), a French-educated radical Marxist, who wanted to destroy the old institutions of Cambodia so they could be built anew.

    In April 1975, the Khmer Rouge seized control of Phnom Penh and the national government. Cambodia was restyled as Democratic Kampuchea, though its ‘democratic’ institutions were appointed, not elected. Power was exercised by a handful of Khmer Rouge figures, led by Pol Pot, who identified himself as “Brother Number One”.

    Pol Pot and his regime initiated one of history’s most radical national transformations – but what followed was one of history’s worst genocides.

    A historian’s view:
    “In October 1970 Lon Nol abolished the monarchy and proclaimed a republic, but in effect, he became the dictator of Cambodia. His administration was marked by extraordinary corruption and ineptitude, and his 1971 stroke left him unable to maintain control of the government. Pol Pot and the Khmer Rouge made steady gains in the countryside. [They] assumed a heroic stance among millions of Cambodians.”
    James Stuart Olson

    1. Vietnam’s southwestern neighbour Cambodia had similar terrain, population and culture, and was also a French colony until the mid-1950s.

    2. Cambodia’s leader, Norodom Sihanouk, was a flamboyant royal who abdicated in order to become the country’s democratically elected leader.

    3. As events unfolded in Vietnam Sihanouk favoured a more neutral position, however, NVA and Viet Cong troops crossed into Cambodia, leading to American pressure.

    4. In the mid to late 1960s, Sihanouk began to move away from the US and align with China. This led to a right-wing military coup, led by Lon Nol, in March 1970.

    5. The rise of the undemocratic Lon Nol, as well as waves of US bombing, allowed a communist insurgency called the Khmer Rouge to grow in strength and number. The Khmer Rouge eventually gained control of Cambodia in April 1975.


    Judicial Branch Of The Government Of Cambodia

    The judicial branch is made up of various courts of laws, which act independently of the rest of the government. This branch of government was mandated by the Constitution of 1993, however, it was not established until 1997. The highest court in Cambodia is the Supreme Council of the Magistracy, which is headed by 17 judges.

    The primary responsibility of this branch is to ensure the law is enforced by punishing criminals, negotiating disputes and lawsuits, and upholding the rights of the citizens of Cambodia.


    Assista o vídeo: Camboja: história, política e corrupção (Janeiro 2022).