Notícia

Batalha de Maya, 27 de março de 1333

Batalha de Maya, 27 de março de 1333

Batalha de Maya, 27 de março de 1333

A batalha de Maya (27 de março de 1333) foi a primeira de uma série de vitórias conquistadas por Akamatsu Norimura, um apoiador do Imperador Go-Daigo, durante uma tentativa malsucedida de capturar Kyoto.

Akamatsu Norimura juntou-se à causa imperial no verão de 1332 e garantiu o controle de sua província natal de Harima, a oeste de Osaka. No início de 1333, ele foi encorajado pelo fracasso das forças do Shogunato no Castelo de Chihaya e avançou para o leste em direção a Kyoto. Ele parou em Maya (perto da moderna Kobe), onde construiu um castelo, com a intenção de usá-lo como base se algo desse errado.

Akamatsu chegou a Maya em um momento ruim para o Shogunato. Novidades os alcançaram com um levante em Shikoku (ao sul do Mar Interior) e a derrota de um exército enviado para esmagá-lo em Hoshigaoka (28 de janeiro de 1333). O Imperador Go-Daigo havia escapado do exílio e estava criando uma nova corte, e a maior parte de seu exército estava amarrado em Chihaya. Os líderes Bakufu em Kyoto decidiram que sua primeira tarefa era derrotar Akamatsu, removendo a ameaça mais imediata à sua posição.

O Bakufu conseguiu reunir uma força de 5.000 homens, que partiu de Kyoto no 5º dia do segundo mês intercalar (21 de março de 1333). Demoraram menos de uma semana para chegarem a Maya e, ao amanhecer do dia 11 do mês (27 de março de 1333), estavam prontos para avançar do sopé da montanha.

Akamatsu decidiu atrair os atacantes para uma emboscada em um ponto difícil no caminho íngreme até o castelo. Ele enviou 100-200 arqueiros para a base da montanha. Eles dispararam alguns tiros nos atacantes e depois se retiraram. As forças Bakufu seguiram o caminho da montanha e caíram na armadilha de Akamatsu. Eles diminuíram a velocidade em uma parte difícil do caminho, chamada de Sete Curvas. Os homens de Akamatsu atiraram neles de cima, e então, quando os atacantes que avançavam pararam, Akamatsu ordenou que 500 soldados da infantaria atacassem. As tropas de Bakufu foram forçadas a uma retirada caótica ao longo de um caminho estreito entre amoreiras e arrozais.

A falta de confiabilidade do Taiheiki quando se trata de números é bem ilustrada por seus números de vítimas. O exército de ataque expandiu de 5.000 para 7.000 homens em apenas algumas linhas, dos quais apenas 1.000 permaneceram com o exército. O Bakufu conseguiu encontrar outros 10.000 homens e enviou este segundo exército para Maya no dia 28 do mês (13 de abril de 1333). Akamatsu decidiu avançar em direção a eles, e uma segunda batalha foi travada em Sakabe (25 de abril de 1333). O avanço em direção a Kyoto continuou, mas Akamatsu foi eventualmente impedido nos arredores da cidade.


A Conquista Maia do K & # 39iche por Pedro de Alvarado

Em 1524, um bando de conquistadores espanhóis implacáveis ​​sob o comando de Pedro de Alvarado mudou-se para a atual Guatemala. O Império Maia havia se deteriorado alguns séculos antes, mas sobreviveu como uma série de pequenos reinos, o mais forte dos quais foi o K'iche, cuja casa ficava no que hoje é o centro da Guatemala. Os K'iche se reuniram em torno do líder Tecún Umán e encontraram Alvarado na batalha, mas foram derrotados, acabando para sempre com qualquer esperança de resistência nativa em grande escala na área.


Highland and Lowland Maya

A civilização maia cobriu uma área enorme com uma grande variedade de ambientes, economias e crescimento da civilização. Os estudiosos abordam algumas das variações culturais maias estudando questões distintas relacionadas ao clima e ao meio ambiente da região. As montanhas maias são a parte meridional da civilização maia, incluindo a região montanhosa do México (particularmente no estado de Chiapas), Guatemala e Honduras.

As terras baixas maias constituem o segmento norte da região maia, incluindo a península mexicana de Yucatán e partes adjacentes da Guatemala e Belize. Uma faixa de piedmont costeira do Pacífico ao norte de Soconusco tinha solos férteis, florestas densas e manguezais.

A civilização maia certamente nunca foi um "império", visto que uma pessoa nunca governou toda a região. Durante o período clássico, houve vários reis fortes em Tikal, Calakmul, Caracol e Dos Pilas, mas nenhum deles jamais conquistou os outros. Provavelmente, é melhor pensar nos maias como uma coleção de cidades-estado independentes que compartilhavam algumas práticas rituais e cerimoniais, alguma arquitetura e alguns objetos culturais. As cidades-estado negociavam umas com as outras e com os governos olmeca e teotihuacan (em épocas diferentes), e também guerreavam umas com as outras de vez em quando.


Eventos históricos em 24 de maio

    Tropas francesas atacam o sul da Holanda. Parlamento inglês garante liberdade de religião aos protestantes

Evento de Interesse

1697 O rei inglês William III viaja pelo norte da Europa

Evento de Interesse

1738 John Wesley é convertido, lançando o movimento Metodista celebrado anualmente pelos Metodistas como Aldersgate Day

Eleição de interesse

1775 John Hancock é eleito por unanimidade Presidente do Congresso Continental

Vitória em Batalha

1818 General Andrew Jackson captura Pensacola, Flórida

Batalha de Interesse

1822 Batalha de Pichincha, Simón Bolívar assegura a independência do Equador da Espanha

    Papa Leão XII proclama um jubileu universal Papa Pio VIII lança seu programa de pontificado & quotMary Had A Little Lamb & quot de Sarah Josepha Hale é publicado pela primeira vez pela firma de Boston Marsh, Capen & amp Lyon Primeiro serviço ferroviário regular de passageiros na linha ferroviária de Baltimore e Ohio, cavalo- vagões desenhados conectam Baltimore a Ellicott's Mills. O Primeiro Reino da Grécia é declarado na Conferência de Londres

Histórico Comunicação

1844 Samuel Morse explora & quotO que Deus operou & quot na primeira mensagem telegráfica do mundo

Evento de Interesse

1847 O explorador alemão Ludwig Leichhardt recebe a Medalha de Patrono da Royal Geographical Society de Londres em reconhecimento ao "maior conhecimento do grande continente da Austrália" obtido em sua jornada em Moreton Bay-Port Essington

    O escravo fugitivo Anthony Burns é preso por deputados marechais dos EUA em Boston sob a Lei do Escravo Fugitivo

Evento de Interesse

Massacre de Pottawatomie de 1856: John Brown e colonos abolicionistas matam cinco colonos pró-escravidão no condado de Franklin, Kansas

    Alexandria, Virgínia ocupada pelas tropas federais Major General Benjamin Butler das tropas federais declara escravos & quotcontrabando de guerra & quot Telégrafo de campo Beardslee usado pela 1ª vez Westminster Bridge através do Tâmisa é aberto em Londres, Inglaterra, segunda ponte substituindo ponte anterior caída em decadência Berkeley, Califórnia nomeado (para George Berkeley, Bispo de Cloyne) Memoria de Jackson Kemper, 1º Bispo Missionário nos Estados Unidos, a ópera & quotLe Roi l'a Dit & quot (& quotThe King Has Spoken & quot) de Leo Delibes, estreia na Opéra-Comique em Paris

Notável Fogos de artifício

1873 Alexandra Palace é inaugurado no 54º aniversário da Rainha Vitória com uma grande celebração que inclui concertos, recitais e fogos de artifício

    5º Preakness: C Holloway a bordo de Cloverbrook vence em 2: 45,5 CA Parker (Harvard) vence a 1ª corrida americana de bicicleta em Beacon Park em Boston 7º Preakness: L Hughes a bordo de Harold vence em 2: 40,5 A balsa canadense Princess Victoria afunda perto de London Ontario, 200 morrem A Turquia cede a Tessália e Arta de volta à Grécia.

Ponte do Brooklyn é inaugurada

1883 Ponte do Brooklyn é inaugurada pelo presidente Arthur e pelo governador de Nova York, Cleveland

    Partido anti-monopólio e Greenback Party forma Partido do Povo nos EUA Sultan Bargash de Zanzibar concede E African Association em portos da África Oriental

Evento de Interesse

1890 Leo von Caprivi sucede Otto von Bismarck como Chanceler da Alemanha

    Geo Train & amp Sam Wall círculo mundial em 67 dias recorde, Tacoma-Tacoma Tivoli Theatre of Varieties é inaugurado em Londres

Evento de Interesse

1894 O Observatório Lowell, no Arizona, começa as observações de Marte com um telescópio de 18 polegadas e leva seu construtor Percival Lowell a concluir que há canais em Marte

    Henry Irving torna-se o primeiro ator a receber o título de cavaleiro 1ª oficina de conserto de automóveis é inaugurada (Boston) 34º Belmont: Nash Turner a bordo do Ildrim vence em 2: 21¼ Setenta e oito mineiros morrem no desastre da mina de Caerphilly no Império de Gales do Sul. Primeiro dia comemorado na Grã-Bretanha Cleve's Bill Bradley é o primeiro ALer a acertar uma corrida de RH em 4 jogos consecutivos, não duplicado até que Babe Ruth o faça em 25 de junho de 1918 39º Belmont: Eugene Hildebrand a bordo de Tanya vence em 2:08 Eleições parlamentares liberais / socialistas católicas na Bélgica

Histórico Invenção

1915 Thomas Edison inventa o telescribe para gravar conversas telefônicas

    O recrutamento começa na Grã-Bretanha. Os franceses são expulsos de Fort Douaumont após 500 mortos ou feridos Últimos trabalhadores britânicos-indianos contratados chegam ao Suriname O piloto dos EUA William Thaw abate um Fokker alemão Cleveland Indians Stan Coveleski estabelece o recorde do clube para a maioria das entradas arremessadas (19) como os indianos derrotou os Yankees por 3-2 O oficial britânico General Poole aterrissou em Murmansk, o porto russo no Mar de Barents. Primeiro parlamento da Irlanda do Norte eleito Massacre de Bulhogue: o comissário de polícia, coronel Theodore Truter, lidera 6 esquadrões e um destacamento de artilharia contra a seita religiosa israelita coletada no encontro anual em terra do líder Enoch Mgijima em Ntabalanga 190 morto Temperatura recorde na Holanda para maio (35,6 ° C) Acordo de comércio russo-italiano assinado

Evento de Interesse

1923 Stanley Baldwin sucede Andrew Bonar Law como primeiro-ministro britânico


Um flautista MacKay

Famosa batalha

Um flautista MacKay esteve até presente na famosa Batalha de Waterloo, tocando a música War and Peace durante uma carga no calvário. A Rainha Vitória nomeou um membro do clã MacKay chamado Angus MacKay para a posição de primeiro flautista. A gaita de foles é muito tradicional para o povo escocês. O clã tinha muitos ramos, incluindo os MacKays de Strathnaver, Scoury, Bighouse, Sandwood e sete outros, junto com ramos na Holanda e na Suécia.

Princípio

Os MacKays tinham cinco clãs aliados principais. Eles consistiam no Clã Munro, Forbes, Gunn, Ross e Sutherland. Os clãs Sutherland, Ross e Gunn, entretanto, não se tornaram aliados até o século XVIII. Antes disso, eles eram desconhecidos ou inimigos dos MacKays.
Claro, você não pode ter clãs aliados sem clãs rivais, como os Clãs Sinclair, Donald, Gunn, Ross e Sutherland.

Clãs

Os clãs de Gunn, Ross e Sutherland foram inimigos dos MacKays nos séculos XV e XVI. Também é afirmado por alguns que o clã MacKay era descendente do Clã Morgan, mas alguns têm dúvidas. Também havia seitas MacKay do Clã Chattan e outras famílias na Escócia. Dizia-se que o chefe do clã descendia diretamente da Casa Real Pictish de MacbEth.


História da Inglaterra 1330 - 1339

Esta linha do tempo fornece uma lista cronológica dos principais eventos da história da Inglaterra nos anos 1330 - 1339

O monarca deste período foi Eduardo III

Publicado em 28 de setembro de 2016 às 10h56 - Atualizado - 17 de junho de 2020 às 13h38

Referência de Harvard para esta página:

Heather Y Wheeler. (2016-2020). História do Inglês 1330 - 1339. Disponível: https://www.totallytimelines.com/english-history-1330-1339. Último acesso em 23 de junho de 2021


Experiência Americana

William Franklin Graham, Jr. nasceu em 7 de novembro de 1918 na zona rural da Carolina do Norte. Em 1934, Graham participou de uma reunião itinerante de avivamento e teve uma experiência religiosa.

A guerra em casa

Unip. Booker T. Spicely foi um dos vários soldados mortos por supostas violações de Jim Crow na década de 1940.

L. Frank Baum

L. Frank Baum é mais conhecido por escrever o amado conto de fadas americano, O Maravilhoso Mágico de Oz.

Juiz Julius Waties Waring

O juiz Julius Waring tornou-se um inesperado campeão dos direitos civis com decisões em casos cruciais na década de 1940.

Isaac Woodard

Isaac Woodard foi um condecorado veterano afro-americano da segunda guerra mundial da Carolina do Sul. Ele entrou no exército em 1942 e serviu no 429º Batalhão do Porto como estivador.

Walter F. White

Em 1930, Walter White assumiu como secretário executivo da NAACP. Quando as Filhas da Revolução Americana proibiram Marian Anderson de cantar no Constitution Hall. White teve uma inspiração que transcendeu todo o debate: um concerto gratuito ao ar livre nos degraus do Lincoln Memorial.

A voz de Marian Anderson

O New York Times saudou Marian Anderson como “uma das grandes cantoras do nosso tempo”.

Greenwood

Greenwood em Tulsa se tornou um distrito comercial próspero conhecido como "Black Wall Street".

William Friedman: Criptologista

Um imigrante judeu da Rússia, William F. Friedman tornou-se um decifrador de códigos para o governo dos EUA.

Elizebeth Friedman: pioneira do criptoanalista

A quebra de código de Elizebeth Friedman na Segunda Guerra Mundial permitiu que os EUA ganhassem a "Batalha do Atlântico".

Os primeiros sufragistas

Eles se uniram para abolir a escravidão e promover os direitos das mulheres no século XIX. Eles eram apenas alguns da primeira geração de sufragistas.


Batalha de Maya, 27 de março de 1333 - História

A Guerra Civil Americana foi travada entre os estados do sul e do norte dos Estados Unidos. Os estados do sul não queriam mais fazer parte dos Estados Unidos e decidiram fazer seu próprio país. No entanto, os estados do norte queriam ficar um só país.

O Sul (Confederação)

Quando os estados do sul decidiram se separar, ou se separar, eles fizeram seu próprio país chamado de Estados Confederados da América, ou Confederação. Eles escreveram sua própria Constituição e até tiveram seu próprio presidente, Jefferson Davis. A Confederação era composta por 11 estados do sul, incluindo Carolina do Sul, Mississippi, Flórida, Alabama, Geórgia, Louisiana, Texas, Virgínia, Arkansas, Carolina do Norte e Tennessee.

O Norte consistia nos 25 estados restantes que estavam localizados no norte. O Norte também foi chamado de União para simbolizar que eles queriam que os Estados Unidos continuassem sendo um único país e união. O Norte era maior e tinha mais indústria do que o Sul. Eles tinham muito mais pessoas, recursos e riqueza, o que lhes deu uma vantagem na guerra civil.

Por que os estados do sul queriam partir?

Os estados do sul temiam que, com a expansão dos Estados Unidos, eles ganhariam menos poder. Eles queriam que os estados tivessem mais poder e pudessem fazer suas próprias leis. Uma das leis que eles temiam perder era o direito de ter escravos. Muitos estados do norte haviam proibido a escravidão e temiam que os Estados Unidos tornassem ilegal a escravidão em todos os estados.

Abraham Lincoln foi o presidente dos Estados Unidos durante a Guerra Civil. Ele queria um governo federal mais forte e era contra a escravidão. Foi a sua eleição que desencadeou a saída dos estados do sul e a Guerra Civil. Ele estava determinado a que o país permanecesse unido.

A Guerra Civil foi a guerra mais mortal da história americana. Mais de 600.000 soldados morreram na guerra. A luta começou em Fort Sumter, na Carolina do Sul, em 12 de abril de 1861. A Guerra Civil terminou em 9 de abril de 1865, quando o general Robert E. Lee se rendeu a Ulysses S. Grant no Tribunal de Appomattox, na Virgínia.

Livros e referências recomendados:

Acesse aqui para testar seus conhecimentos com palavras cruzadas da Guerra Civil ou busca de palavras.


Eventos históricos em 9 de março

Histórico Expedição

1500 Pedro Álvares Cabral parte de Lisboa, Portugal, à frente de uma expedição de 13 navios à Índia que também reivindicará o Brasil para Portugal

A Reforma Protestante

1522 Martinho Lutero começa a pregar seus & quotInvocavit Sermons & quot na cidade alemã de Wittenberg, lembrando os cidadãos de confiar na palavra de Deus em vez da violência e, assim, ajudando a encerrar o estágio revolucionário da Reforma

Cópia de 1517 das 95 teses de Martinho Lutero, cuja publicação deu início à Reforma Protestante na Europa
    O imperador Karel nomeia o filho Filipe como herdeiro do trono Beijo em público proibido em Nápoles (punível com a morte) David Rizzio, o secretário particular de Maria I da Escócia, é assassinado no Palácio de Holyroodhouse, Edimburgo, Escócia Suécia e Rússia assinam Paz de Stolbowa Pierre Corneilles & quotHorace & quot estreia em Paris A rainha inglesa Henriette Maria chega em Hellevoetsluis, Holanda Thomas Shadwell nomeado segundo poeta laureado inglês por William e Mary depois que John Dryden se recusa a jurar fidelidade ao juramento

Assassinato de Interesse

1765 Após uma campanha pública do escritor Voltaire, juízes em Paris exoneram postumamente Jean Calas do assassinato de seu filho. Calas foi torturado e executado em 1762 sob a acusação, embora seu filho tenha realmente cometido suicídio.


Batalha de Bannockburn

Datas da Batalha de Bannockburn: 23 e 24 de junho de 1314.

Local da Batalha de Bannockburn: No centro da Escócia, ao sul de Stirling.

The Royal Arms of England em
a época de Eduardo II: Batalha de Bannockburn 23 de junho de 1314: foto
por Mark Dennis,
Ormond Pursuivant

Guerra: A Guerra da Independência da Escócia contra a Coroa Inglesa de Eduardo I e Eduardo II.

Concorrentes na Batalha de Bannockburn: Um exército escocês contra um exército de ingleses, escoceses e galeses.

Comandantes da Batalha de Bannockburn: Robert the Bruce, rei dos escoceses, contra Edward II, rei da Inglaterra.

Tamanho dos exércitos na Batalha de Bannockburn: Há uma grande controvérsia sobre todos os aspectos da Batalha de Bannockburn devido à falta de relatos contemporâneos. O eminente historiador escocês William Mackenzie chegou à conclusão de que o exército inglês era composto por cerca de 3.000 homens montados, cavaleiros e soldados, e cerca de 13.000 soldados de infantaria, incluindo um destacamento de arqueiros galeses. William Mackenzie avaliou os escoceses em torno de 7.000 homens. O exército de Robert de Bruce era composto por soldados de infantaria com uma força de cerca de 600 cavaleiros leves comandados por Sir Robert Keith, o Marischal.

Vencedor da Batalha de Bannockburn: Os escoceses derrotaram os ingleses na batalha de 2 dias.

Uniformes e equipamentos na Batalha de Bannockburn:

A fim de reconquistar a Escócia de Robert the Bruce, o rei Edward II da Inglaterra convocou seu exército feudal. O elemento mais importante na ordem feudal era a cavalaria montada da Inglaterra angevina. Um cavaleiro totalmente equipado usava cota de malha, reforçada por armadura de placa e um capacete de aço. Ele carregava um escudo, lança longa, espada e, de acordo com o gosto, machado ou clava e adaga. Ele montou um corcel ou cavalo pesado forte o suficiente para carregar um cavaleiro totalmente equipado em alta velocidade. Os brasões heráldicos do cavaleiro estavam estampados em seu escudo e túnica, uma longa vestimenta de pano usada sobre a armadura e os adornos de seu cavalo. Um emblema pode ser usado no capacete e uma flâmula na ponta da lança. Outros cavaleiros no campo, incluindo inimigos, seriam capazes de identificar um cavaleiro pelos brasões heráldicos que ele usava. Soldados socialmente inferiores, como homens de armas, usariam menos armaduras e carregariam um escudo, lança curta, espada, machado, clava e punhal. Eles montaram cavalos mais leves.

Cavaleiros do período da Batalha de Bannockburn 23 e 24 de junho de 1314: quadro de Edward Burne-Jones

Dentro de cada exército, as unidades eram compostas por homens criados em áreas específicas ou cavaleiros e soldados da casa de um nobre. No exército inglês, a casa do rei forneceu uma força de combate considerável e homogênea.

Os soldados de infantaria de cada lado lutaram com todas as armas que possuíam, que poderiam ser arcos, lanças, espadas, adagas, ganchos de bico, cacetes ou qualquer outro instrumento capaz de infligir ferimentos. Eles usavam capacetes de metal e roupas acolchoadas, se pudessem obtê-los. Os exércitos feudais tradicionais da época consideravam a batalha um exercício entre cavaleiros montados. Nenhuma consideração foi levada em consideração aqueles que estão mais abaixo na escala social e pouco uso sensato foi feito deles. Para os ingleses, a batalha seria decidida pelo ataque de sua cavalaria. Os soldados desmontados estavam presentes para outros fins, em grande parte servis, aos olhos do cavaleiro.

Batalha de Bannockburn, 24 de junho de 1314: quadro de William Hole RSA

Devido à natureza da guerra de guerrilha que Robert de Bruce e os escoceses haviam lutado nos anos anteriores contra os ingleses, eles tinham poucos cavaleiros montados disponíveis para a batalha. O exército escocês era formado por soldados de infantaria, em sua maioria armados com lanças, e essa era a força com a qual Robert o Bruce tinha de confiar.

Embora Bannockburn seja considerado um evento importante para o nacionalismo escocês, é intrigante lembrar que os cavaleiros de cada lado eram essencialmente da mesma estirpe, franceses normandos ou europeus do norte. A língua falada ainda era, em muitos casos, o francês.

Castelo de Stirling: Batalha de Bannockburn 23 e 24 de junho de 1314

À medida que a Idade Média avançava, as limitações dos cavaleiros montados que tentavam vencer batalhas sozinhos foram repetidamente reveladas: as Batalhas de Charleroi, Crecy e Agincourt foram três exemplos.

Bannockburn mais uma vez mostraria a inadequação da cavalaria pesada em grande parte sem suporte.

Eduardo I, Rei da Inglaterra, Maleus Scotorum e pai de Eduardo II, 1239 a 1307: Batalha de Bannockburn 23 e 24 de junho de 1314

O pano de fundo da Batalha de Bannockburn:

Eduardo I, rei da Inglaterra de 1239 a 1307 e pai do rei Eduardo II, conquistou a Escócia como conquistou o País de Gales. Uma vez que as forças locais foram vencidas em uma batalha aberta, o sistema de ocupação de Eduardo consistia em construir uma rede de castelos de pedra ou cidades muradas, cada uma ocupada por uma força armada sob o comando de um leal cavaleiro inglês ou local.

Eduardo I morreu em 6 de julho de 1307 e seu filho Eduardo II tornou-se rei da Inglaterra. O rei teve que enfrentar vários nobres poderosos, cada um com grandes propriedades regionais e recursos militares substanciais. Um sistema político-social semelhante existia na maioria das áreas da Europa Ocidental. Foi necessário um rei de considerável perspicácia militar e política e determinação implacável para manter a nobreza inglesa em ordem e forçá-la a buscar o interesse nacional ou real em oposição aos seus próprios interesses individuais. Eduardo I foi um rei, enquanto seu filho Eduardo II certamente não foi. O reinado de Eduardo II foi prejudicado por uma disputa acalorada, frequentemente quebrando em uma guerra aberta, entre o rei e os nobres. Uma fonte particular de discórdia foi a confiança de Eduardo II em seu favorito, Piers Gaveston, um cavaleiro gascão, que Eduardo fez de conde da Cornualha. Gaveston era odiado pela maior parte da alta nobreza da Inglaterra, um grupo que finalmente o assassinou em 1312.

Robert de Bruce, rei dos escoceses
de 1306 a 1329: Batalha de Bannockburn 23 e 24 de junho de 1314

Robert de Bruce e seus seguidores escoceses regozijaram-se abertamente com a morte do rei Eduardo I. O Bruce então embarcou em sua guerra para expulsar os ingleses da Escócia e estabelecer seu domínio sobre seus rivais escoceses como rei dos escoceses.

Os castelos ingleses enquanto um mecanismo poderoso para dominar o país ocupado com guarnições de pequenos grupos de cavaleiros armados e homens tinham uma grande fraqueza que residia na sua segurança diária. Durante sua campanha contra os ocupantes ingleses, os escoceses se tornaram mestres na arte de tomar fortificações de surpresa. Uma peça padrão do kit para os escoceses, que eles aperfeiçoaram, era a escada de escalada. Raramente havia homens em número suficiente em um castelo para vigiar completamente toda a extensão das fortificações e, inevitavelmente, havia períodos em que tal vigia havia caducado. Aproximando-se furtivamente, os escoceses escalariam as paredes e tomariam o castelo ou a cidade. O clássico foi a captura do Castelo de Edimburgo em 14 de março de 1313 por Randolph Conde de Moray. O vigia do castelo realmente olhou por cima da parede, no ponto onde os escoceses estavam se preparando para atacar, antes de seguir em frente ruidosamente, deixando os escoceses escalarem a parede e abrirem o portão para a força que esperava, que então invadiu o castelo.

Um conto particularmente popular é a tomada do Castelo Linlithgow por William Bannock em setembro de 1313. Bannock chegou em uma carroça cheia de forragem para os cavalos da guarnição e parou a carroça no portão, evitando assim que a guarnição fechasse o portão. Homens armados pularam de baixo da forragem e, auxiliados por um bando de homens que correram para o portão, o castelo foi invadido.

À medida que cada castelo ou cidade era capturado, as fortificações construídas ao longo de muitos anos pelos ingleses eram destruídas para que os ingleses não pudessem restabelecer o controle do país, mesmo que o lugar fosse retomado.

Finalmente poucos castelos permaneceram. Um deles foi o Castelo de Stirling mantido por Edward II por Sir Philip de Mowbray. Por volta de fevereiro de 1313, o irmão do rei Robert de Bruce, Edward de Bruce, iniciou um cerco ao Castelo de Stirling. Em junho de 1313, de Mowbray fez uma oferta a Edward de Bruce. A oferta era que, se o castelo de Stirling não fosse aliviado até o dia do solstício de verão de 1314, 24 de junho, de Mowbray entregaria o castelo a de Bruce. Para cumprir este requisito, o exército inglês substituto precisaria estar a 3 milhas do castelo dentro de 8 dias a partir dessa data. De Bruce parece ter aceitado essa oferta sem pensar nas implicações, ou possivelmente sem se importar. Seu irmão, o rei, estava, por outro lado, totalmente ciente das consequências desse acordo precipitado, que na verdade compeliu Eduardo II a lançar uma nova invasão da Escócia.

Eduardo II, Rei da Inglaterra, derrotado na Batalha de Bannockburn 23 e 24 de junho de 1314

No final de 1313, Eduardo II emitiu a convocação para que seu exército se reunisse. A redação desses documentos indicava que, embora o alívio da Casta Stirling fosse o pretexto, a intenção era reconquistar a Escócia para a Coroa Inglesa.

O controle instável que Eduardo II manteve sobre sua nobreza é ilustrado pelo número de nobres poderosos que se recusaram a responder ao chamado às armas: o conde de Lancaster, o conde de Warwick, o conde de Warenne e o conde de Arundel, entre outros. A chamada do rei foi atendida por Henry de Bohun, Conde de Hereford e Condestável da Inglaterra, o Conde de Gloucester e o Conde de Pembroke. O conde escocês de Angus apoiou Edward.

Escudo de Sir John Comyn, cavaleiro do exército inglês: Batalha de Bannockburn 23 e 24 de junho de 1314

Os cavaleiros que responderam à convocação de Eduardo foram: Sir Ingram de Umfraville, Sir Marmaduke de Tweng, Sir Raoul de Monthemer, Sir John Comyn e Sir Giles d'Argentan, vários deles escoceses. Outros cavaleiros se juntaram ao exército de Eduardo vindos da França, Gasconha, Alemanha, Flandres, Bretanha, Aquitânia, Guelders, Boêmia, Holanda, Zelândia e Brabante. Soldados de infantaria vieram de toda a Inglaterra e arqueiros do País de Gales.

O exército de Eduardo se reuniu em Berwick em maio de 1314. Havia total confiança na vitória sobre os escoceses. O exército começou seu avanço para a Escócia em 17 de junho de 1314, a coluna cobrindo uma área considerável acompanhada por numerosos rebanhos de ovelhas e gado para fornecer rações e carroças que transportavam as bagagens dos membros do exército e as quantidades de forragem necessárias para os pesados ​​do cavaleiro cavalos de luta.

O exército marchou para Edimburgo e pegou a velha estrada romana para Stirling. Além de Falkirk, a estrada passava pela floresta de Torwood, também conhecida em francês como Les Torres, antes de cruzar o riacho Bannockburn para o New Park e para Stirling. À direita da rota serpenteia as águas das marés do Rio Forth. Ao longo do rio ficava a área de matagal conhecida como Les Polles. A área ao norte do vau de Bannockburn na rota rodoviária era conhecida como Dryfield de Balquiderock. Um pequeno afluente do Bannockburn chamado Pelstream Burn curvava-se para oeste. Além do Pelstream, uma área pantanosa descia até o Forth.

Abade de Inchaffray abençoa os soldados escoceses antes da Batalha de Bannockburn em 23 de junho de 1314

Robert de Bruce reuniu seu exército de soldados escoceses ao sul de Stirling e os formou em 4 batalhões comandados por ele mesmo, Thomas Randolph Conde de Moray, James Douglas e seu irmão Edward de Bruce. Esses batalhões receberam o nome de ‘Schiltrons’. O schiltron do rei era formado por homens de suas próprias propriedades em Carrick e nas Terras Altas Ocidentais. Os outros schiltrons eram homens das propriedades de seus comandantes e seus associados. Randolph liderou homens de Ross e do Norte: Edward de Bruce liderou homens de Buchan, Mar, Angus e Galloway: Douglas homens das Fronteiras. A pequena força de cavaleiros montados e soldados foi comandada por Sir Robert Keith, Marischal do Rei da Escócia.

Robert the Bruce discursa para seu exército antes da Batalha de Bannockburn em 23 de junho de 1314

Vários dos clãs das Terras Altas sob seus chefes marcharam com o exército escocês: William Earl de Sutherland, Macdonald Lord das Ilhas, Sir Malcolm Drummond, Campbell de Lochow e Argyle, Grant of Grant, Sir Simon Fraser, Mackays, Macphersons, Camerons, Chisholms , Gordons, Sinclairs, Rosses, Mackintoshes, MacLeans, MacFarlanes, Macgregors e Mackenzies entre eles.
Alguns clãs escoceses lutaram por Eduardo II: MacDougalls e MacNabs.

Robert the Bruce posicionou seu exército no New Park com o schiltron de Randolph à frente e o seu próprio imediatamente atrás dele. O método de combate escolhido era que cada schiltron formasse uma massa eriçada de lanças que os cavaleiros ingleses seriam incapazes de penetrar. Os escoceses cavaram poços ocultos na frente de sua posição e ao longo da margem do Bannockburn para interromper qualquer carga montada contra eles.

Mapa da Batalha de Bannockburn Primeiro dia: 23 de junho de 1314: mapa de John Fawkes

Relato da Batalha de Bannockburn:

A soldadesca escocesa foi despertada por volta do romper do dia de domingo, 23 de junho de 1314. Maurice, o velho cego Abade de Inchaffray celebrou missa para o exército após a qual Robert de Bruce se dirigiu a seus soldados, informando-os de que qualquer pessoa que não tivesse estômago para lutar deveria sair. Um grande grito assegurou-lhe que a maioria estava pronta para a batalha. Os seguidores do acampamento, conhecidos como 'Povo Pequeno', foram enviados para esperar na parte de trás do campo, provavelmente na colina chamada Colina de St Gillies. Os Schiltrons foram formados para a batalha na frente dos vaus do Bannockburn que os ingleses devem cruzar.

O exército de Eduardo marchou cerca de 20 milhas no sábado, 22 de junho de 1314, chegando a Falkirk à noite. Edward tinha saído tarde de Berwick se quisesse chegar a Stirling no dia do solstício de verão e fosse necessário recuperar o tempo perdido. Sir James Keith liderou uma patrulha montada para assistir a chegada do exército inglês e ele achou isso uma visão assustadora quando os homens de Edward acamparam em uma ampla área, o sol brilhando em uma miríade de armas e armaduras.

A pedra perfurada onde o estandarte de Robert the Bruce & # 8217s foi fixado: Batalha de Bannockburn em 23 e 24 de junho de 1314

O exército inglês foi formado em 10 divisões, cada uma liderada por um nobre sênior ou um cavaleiro experiente.
No domingo, 23 de junho de 1314, o exército de Eduardo começou sua marcha final até Bannockburn. O rei foi recebido por Sir Philip de Mowbray, que cavalgou para fora do Castelo de Stirling com um corpo de cavaleiro, seguindo o caminho através do terreno pantanoso pelo Forth que conduz ao Carse e através do Bannockburn.

De Mowbray tentou persuadir Eduardo a abandonar seu avanço para a batalha. De Mowbray parece ter tido sérias reservas quanto ao resultado, não compartilhadas pelos nobres e cavaleiros obstinados que Eduardo liderava.

Um corpo de cerca de 300 cavaleiros sob o comando de Sir Robert Clifford e Henry de Beaumont cavalgou de volta ao Castelo de Stirling com de Mowbray para reforçar a guarnição. Este corpo tomou o caminho que De Mowbray havia percorrido e passou sob o nariz do shiltron de Randolph. Randolph recebeu uma repreensão pungente de seu rei, que comentou: “Veja Randolph, há uma rosa caída de sua coroa. Homem irrefletido. Você permitiu que o inimigo passasse. ”

Robert de Bruce kills Sir Henry de Bohun in single combat on the first day of the Battle of Bannockburn on 23rd June 1314

Randolph rushed his foot soldiers down to the path to block the route of Clifford’s and de Beaumont’s force. A savage fight took place with the English horsemen unable to penetrate the spear points of Randolph’s hastily formed schiltron. The Scots were hard pressed and Douglas moved his men forward to give help but saw that the English were giving way. The English squadron broke in two with half riding for the castle and the remainder returning to the main army. In the initial attack Sir Thomas Grey was brought from his horse and taken, while Sir William D’Eyncourt was killed.

Shield of Sir Robert de Clifford,
knight in the English army: Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314

While Clifford and de Beaumont were engaged with Randolph the main English Army had moved out of the Torwood. The English advance continued inexorably with the advance guard under the Earls of Hereford and Gloucester riding to cross the Bannockburn and attack the Scots in the forest beyond. To the English it seemed inevitable that the Scots would withdraw and avoid battle in view of the enormous disparity in numbers and arms. It was at this point that Hereford’s nephew Sir Henry de Bohun galloped ahead of the advancing English array to challenge the Scots King to single combat.

Robert de Bruce rode forward to meet de Bohun. The contrast in their equipment was stark. De Bohun was fully armoured with lance and shield and rode a heavy destrier horse. De Bruce rode a light palfrey and was armed with sword and short axe. He was mounted to command infantry not to take part in a heavy cavalry charge. De Bohun rode at de Bruce with lance couched. De Bruce evaded de Bohun’s lance point and as the Anglo-Norman thundered past him struck him a deadly blow on the head with his axe. De Bohun fell dead.

Following their king’s triumph the Scots infantry rushed on the English army struggling to clear the Bannockburn, where the ford had compelled the mass of horsemen to pack into a narrow column. A terrible slaughter ensued, the English knights impeded by the shallow pits concealed with branches. Among the extensive English casualties the Earl of Gloucester was wounded and unhorsed, being rescued from death or capture by his retainers.

Robert de Bruce strikes and kills Sir Henry de Bohun with his axe in single combat before the Battle of Bannockburn on 23rd June 1314: picture by John Hassall

After the engagement such of the English as had come through the ford re-crossed the Bannockburn and the Scots infantry returned to their positions in the forests of the New Park. The English army had been convincingly repelled. Robert de Bruce’s immediate lieutenants reproached him for the risk he had taken in giving de Bohun single combat and the King simply regretted his broken axe.

With the end of the day Robert de Bruce consulted with his commanders as to the future conduct of the battle. The King proposed that the Scots army might withdraw from the field, leaving the English army to attempt a re-conquest of Scotland until a lack of supplies forced it to withdraw south of the border. On the other hand the Scots could renew the battle the next day. Bruce’s commanders urged a resumption of the battle. Soon afterwards a Scottish knight, Sir Alexander Seton, arrived from the English camp, having decided to resume his fealty to the Scottish King, and advised de Bruce that morale was low in the English army. Seton said “Sir, if you wish to take all of Scotland, now is the time. Edward’s army is grievously discouraged. You may beat them on the morrow with little loss and great glory.”

In the English camp on the far side of the Bannockburn the infantry was more than discouraged. The word was that the war was unrighteous and this had been the cause of the day’s defeat. God was against the English army. Order broke down and the horde of foot soldiers ransacked the supply wagons and drank through the night. Heralds declared the victory was certain in the morning but few were convinced.

Map of the Battle of Bannockburn Second Day: 24th June 1314: map by John Fawkes

It was decided that the assault in the morning should be brought about by crossing the Bannockburn nearer to the River Forth to avoid the area of pits. The English knights would then deploy and charge the Scots positioned in the New Park.

Early in the morning the English crossed the Bannockburn and formed up along the edge of the Carse of Balquiderock, ready to charge the Scots. It was not a good position. The left of the English line lay on the Bannockburn, the right was hemmed in by the Pelstream. There were too many English for the narrow area.

The Abbott of Inchaffray again passed among the Scots soldiery, blessing them. Again he held mass. The Abbott had brought relics of St Fillan and Abbott Bernard of Arbroath had brought the reliquary casket of St Columba to encourage the simple and superstitious soldiery. Seeing the kneeling Scots Edward commented to de Umfraville that they were craving his forgiveness for opposing him. De Umfraville answered that they were craving divine forgiveness.

Shield of Sir Pain de Tiptoft knight in the English army: Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314

As part of the morning’s ceremony de Bruce knighted those of his army he considered had distinguished themselves on the previous day including Walter Stewart and James Douglas.

The Scots army then began to advance to the astonishment of the English that foot soldiers should advance against mounted knights.

Shield of Sir Edmund de Mauley,
knight in the English army: Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314

Edward said to de Umfraville “Will these Scotsmen fight?” de Umfraville said “These men will gain all or die in the trying.” Edward said “So be it” and signalled for the trumpets to sound the charge.

First off the mark was the Earl of Gloucester. Edward had treated his suggestion of a day to recover from the previous day’s battle as cowardice and Gloucester intended to disprove this slur. The English knights hurled themselves onto the Scottish spear line with a terrible crash. The charge fell on Edward de Bruce’s schiltron. Many of the English knights were killed in the impact: Gloucester, Sir Edmund de Mauley, Sir John Comyn, Sir Pain de Tiptoft, Sir Robert de Clifford among them.

Robert de Bruce strikes and kills Sir Henry de Bohun with his axe in single combat before the Battle of Bannockburn on 23rd June 1314: picture by Ambrose de Walton

Randolph’s and Douglas’s schiltrons came up on the left flank and attacked the unengaged English cavalry waiting to charge in support of the first line.

On the extreme English right flank the Welsh archers came into action causing a pause in the Scots attack until they were dispersed by Keith’s force of light horsemen.

Supporting the assault of the spearmen of the schiltrons the Scots archers poured volleys of arrows into the struggling English cavalry line as it was pushed back across the dry ground into the broken area of the Carse.

Robert Bruce drives the English into the Bannockburn: Battle of Bannockburn on 24th June 1314

The Scots spearmen pressed forward against the increasingly exhausted and hemmed in English army. The cry went up “On them. On them. They fail. They fail.”

The final blow was the appearance of the ‘Small Folk’, the Scots camp followers, shouting and waving sheets. The English army began to fall back to the Bannockburn with ever increasing speed and confusion and foot soldiers and horsemen attempted to force their way across the stream. High banks impeded the crossing and many are said to have drowned in the confusion. Many escaped across into the area of tidal bog land known as Les Polles where they fell prey to their exhaustion, heavy equipment and the knives of the Small Folk.

The Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314: a contemporary representation

Aftermath to the Battle of Bannockburn:

Once it was clear that the day was lost, the Earl of Pembroke seized King Edward’s bridle and led him away from the battle field surrounded by the Royal retainers and accompanied by Sir Giles de Argentan. Once the King was safe de Argentan returned to the battle and was killed.

King Edward II of England refused entry to Stirling Castle after the battle by Sir Philip de Mowbray, the governor: Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314

Shield of Sir Raoul de
Monthemere, knight in the English army:
Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314

Edward was taken to the gates of Stirling Castle. Here de Mowbray urged the King not to take refuge in the castle as he would inevitably be taken prisoner when the castle was forced to surrender to the Scots. Edward took this advice and with his retinue skirted around the battlefield and rode for Linlithgow. He then rode to Dunbar and took boat to Berwick.

The memorial to Sir Edmund de Mauley in York Minster: Sir Edmund died fighting in the English army: Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314

A group of nobles, the Earl of Hereford, Robert de Umfraville Earl of Angus, Sir Ingram de Umfraville and others fled to Bothwell Castle where they were taken and handed to the Scots by the Castle Constable Sir Walter FitzGilbert.

The Earl of Pembroke led his Welsh archers away from the battle field and after a tortuous and hazardous march brought them back to Wales. One of these archers may have been the source for the account of the battle in the Valle Crucis Abbey chronicle.

Coat of Arms of Sir Marmaduke de Tweng of the English Army captured at the battle by the Scots: Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314

Others among the prisoners were Sir Marmaduke de Tweng and Sir Raoul de Monthemere.

King Robert de Bruce returned the bodies of Gloucester and Sir Robert de Clifford to Berwick for burial by their families. De Bruce conducted a vigil over the body of Gloucester to whom he was related.

Casualties at the Battle of Bannockburn:

There is little reliable evidence on the number slain. The English probably lost around 300 to 700 mounted knights and men-at-arms killed in the battle with many more killed in the flight from the field.

Few foot soldiers are likely to have been killed in the battle. It is unknown how many Scots were killed.

Memorial in Copthorne Church of Sir Edmund de Twenge who fought with the English army: Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314

The war against the English continued with years of Scots invasions of England and some counter invasions. Berwick changed hands several times. The Pope, acting on the English account, excommunicated King Robert de Bruce and a number of prominent Scots clergy and placed Scotland under interdict. In 1320 the Declaration of Arbroath was signed in Arbroath Abbey under the seals of 8 Scottish Earls and sent to the Pope. It contained a statement of the origins of the Scottish people and a declaration of their independence from England.

Heraldic representation of Robert the Bruce, King of Scotland: Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314
© The Heraldry Society of Scotland 2004

The statue of Robert de Bruce on the battlefield: Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314 by Pilkington Jackson

In 1327 Edward II was deposed by his nobles and senior clergy. His son Edward III became the new king. Edward II died in Berkeley Castle on 21st September 1327 under suspicion that he had been murdered.

The Treaty of Edinburgh bringing the long wars between England and Scotland to an end was signed on 17th March 1328 and ratified by Edward III on 4th May 1328.

King Robert de Bruce died at Cardross on 7th June 1329.

Anecdotes from the Battle of Bannockburn:

  • Before the Battle of Bannockburn Friar Baston of King Edward II’s entourage wrote a ballad celebrating the coming victory over the Scots. Baston was captured and required to re-write his ballad to record the true victors. He did so and it remains a valuable record. He was then released by Robert de Bruce.
  • The Earl of Hereford was exchanged for King Robert’s wife and daughter who had been held for a number of years by the English, Queen Mary in a cage on the wall of Roxburgh Castle, and some 12 other Scots prisoners held by Edward.

Coat of Arms of Sir William de
Erth of Airth killed at
Cambuskenneth Abbey by the
Earl of Athol: Battle of Bannockburn 23rd and 24th June 1314

The previous battle in the British Battles series is the Battle of Hastings

The next battle in the British Battles series is the Battle of Sluys

16. Podcast of the Battle of Bannockburn: Robert the Bruce’s iconic victory of the Scots over the English in 1314: John Mackenzie’s britishbattles.com podcast

Pesquise BritishBattles.com

Siga / Curta-nos

Outras Páginas

Podcast BritishBattles

Se você está muito ocupado para ler o site, por que não baixar um podcast de uma batalha individual e ouvir em movimento! Visite nossa página dedicada ao Podcast ou visite o Podbean abaixo.


Assista o vídeo: Especial Maya (Janeiro 2022).