Notícia

Construir até Gettysburg: 30 de junho de 1863

Construir até Gettysburg: 30 de junho de 1863

Mapa mostrando a posição dos principais exércitos da União e Confederados em 30 de junho de 1863

Mapa retirado de Batalhas e líderes da Guerra Civil: III: Retiro de Gettysburg, p.266

Gettysburg: A Última Invasão, Allen C. Guelzo. Um excelente relato da campanha de Gettysburg, ilustrado por uma esplêndida seleção de relatos de testemunhas oculares. Concentra-se nas ações de comandantes individuais, de Meade e Lee até comandantes de regimento, com foco nos comandantes de corpo e suas atividades e atitudes. Apoiado por muitos relatos de partes inferiores da cadeia de comando e de civis envolvidos no conflito. [leia a crítica completa]

Estrelas em seus cursos: Campanha de Gettysburg, Shelby Foote, 304 páginas. Bem pesquisado e escrito por um dos historiadores mais conhecidos da Guerra Civil, este trabalho é retirado de sua obra mais longa de três volumes sobre a guerra, mas não sofre com isso.


O tenente-general confederado Richard S. Ewell liderou duas divisões completas e uma brigada de cavalaria através de Maryland em Mechanicsburg, Pensilvânia, no final de junho de 1863, com a intenção de tomar a capital do estado de Harrisburg. No entanto, ele atrasou significativamente a travessia do rio Potomac, cheio de chuva, o que deu tempo para o Sindicato responder. Parando mais um dia em Chambersburg, Ewell finalmente marchou para o norte através do Vale Cumberland em direção a Harrisburg.

Em resposta, o major-general Darius N. Couch, comandando o Departamento de Susquehanna, despachou tropas para o atual bairro de Camp Hill, localizado no Vale Cumberland, a aproximadamente 2 milhas (3 km) a oeste de Harrisburg. Trabalhadores contratados por Couch rapidamente ergueram terraplenagens e fortificações ao longo da parte oeste de Bridgeport, adjacente a Camp Hill. Os dois maiores deles ficaram conhecidos como "Fort Couch" e "Fort Washington".

Cavalaria de Ewell, uma brigada sob o comando do Brig. O general Albert G. Jenkins invadiu as proximidades de Mechanicsburg em 28 de junho. Naquela mesma noite, recebendo a notícia inesperada de que o Exército Federal do Potomac avançava rapidamente por Maryland, o general Robert E. Lee foi forçado a consolidar seu Exército da Virgínia do Norte em direção a Gettysburg para conter essa nova ameaça. Como resultado, Ewell começou a se retirar e nunca realizaria o objetivo de tomar Harrisburg.

No entanto, Jenkins lutou brevemente com a 22ª e 37ª Milícia de Nova York em Sporting Hill, no lado oeste de Camp Hill, em 29 de junho de 1863. Os confederados usaram o celeiro da Casa Johannes Eberly, também conhecida como Casa McCormick, como cobertura enquanto engajando os soldados da União posicionados ao longo do Carlisle Pike. Os confederados tentaram cruzar o Carlisle Pike e flanquear os soldados da União, mas os soldados da União viram suas manobras e frustraram seus esforços. Os soldados confederados iniciaram o fogo de artilharia contra a posição da União com disparos e granadas por volta das 17 horas. Nesse momento, o tenente Perkins do Exército Federal chegou com dois canhões e começou a atirar no celeiro da Casa Eberly. O primeiro tiro dos Federados no celeiro quebrou a estrutura superior de madeira e enviou aproximadamente 50 soldados confederados correndo para fora de seus cavalos. Os confederados retiraram-se na direção de Carlisle para se juntar à infantaria de Ewell para a marcha para o sul em direção a Heidlersburg e Gettysburg.

Pelo menos 16 confederados da 16ª e 36ª Cavalaria da Virgínia foram mortos durante os combates e outros 20 a 30 ficaram feridos. As perdas sindicais foram listadas em 11 homens feridos.

Parte do campo de batalha foi perdida para o desenvolvimento e a construção da Rota 581 da PA. Um marco histórico da Comissão de Museus e Históricos da Pensilvânia, denotando a escaramuça, existe na interseção das ruas 31st Street e Market em Camp Hill. A parte de madeira do celeiro Eberly, onde os soldados confederados estavam posicionados, foi destruída por um tornado em 21 de março de 1976, mas a base de calcário do celeiro ainda permanece. Tanto a fundação do celeiro de Eberly quanto a própria Eberly House ainda estão de pé, visto que foram preservadas pelo incorporador imobiliário Tom Gaughen, que construiu o complexo de apartamentos Brambles que circunda a casa.


Outras Fotografias

Esta seção fornece acesso a fotografias que não poderiam ser facilmente colocadas em seqüência cronológica. A maioria das categorias aqui são derivadas da Parte IV e Parte V na edição de microfilme de 1961.

A Marinha Federal - 1861-1865 (nos. 0530-0569)

Um grupo misto de fotografias, as datadas, até o nº 552, estão organizadas em ordem cronológica, e as não datadas que se seguem são organizadas em ordem alfabética por navio.

Charleston, Carolina do Sul - 1863-1865 (nos. 0593-0656)

O sucesso do general Gillmore no Forte Pulaski rendeu-lhe uma tarefa muito mais difícil: a redução das defesas do porto de Charleston, com a ajuda de um esquadrão sob o comando do contra-almirante John A. Dahlgren. As operações começaram no início de julho de 1863, até outubro, o trabalho árduo e as pesadas perdas reduziram o Fort Wagner e Battery Gregg (renomeado como Fort Putnam pelos federais) na Ilha Morris, e silenciaram o Fort Sumter. Mas nenhum progresso adicional foi feito até 18 de fevereiro de 1865, quando a abordagem do general William T. Sherman por terra provocou a evacuação de Charleston. Os fotógrafos que vieram registrar a cerimônia de hasteamento da bandeira em Fort Sumter em 14 de abril de 1865, apenas quatro anos após a rendição com a qual a Guerra Civil começou, documentaram minuciosamente os fortes, federais e confederados, e a adorável cidade velha, que felizmente sofreu apenas danos limitados. Os endereços atuais para os edifícios de Charleston são adicionados sempre que possível. O movimento é geralmente para o interior a partir da Battery ao longo da Market Street, com excursões pelas ruas laterais à medida que são alcançadas, e deixados para o Arsenal no que eram então os limites da cidade.

Flórida (nos. 0657-0661)

Invasores federais ocuparam Jacksonville e outros pontos na costa leste da Flórida em março de 1862, mas a principal tentativa federal nessa área foi feita em fevereiro de 1864 e fracassou na Batalha de Olustee. As fotografias refletem apenas o fato da ocupação sindical.

A Capital em Guerra (nos. 0724-0751)

À medida que a guerra se prolongava, Washington tornou-se o centro do processo cada vez mais complexo da guerra, bem como um vasto depósito e centro médico para os exércitos orientais. Embora os fotógrafos locais tenham percebido cedo que valia muito a pena registrar em suas próprias portas, a maioria dessas vistas é do último ano da guerra ou mesmo após o seu encerramento. Locais que empregam as direções atuais são fornecidos sempre que possível.

Alexandria, Virgínia (nos. 0752-0755)

Essas vistas mostram Alexandria, sob ocupação federal desde 24 de maio de 1861, quando o Coronel E. E. Ellsworth, do New York Fire Zouaves, encontrou a morte na Marshall House (nº 752) - a primeira vítima conspícua da guerra.

Os hospitais (nos. 0798-0808)

Estas são as vistas do interior e do exterior de cinco hospitais em várias dezenas, tanto na cidade como nas periferias (embora, hoje, completamente na área urbana). Todos estavam transbordando da luta quase contínua que Grant começou em maio de 1864.

As Comissões Sanitária e Cristã dos EUA (nos. 0809-0816)

A Comissão Sanitária nomeada pelo governo e sua grande equipe canalizaram e orientaram os esforços de mais de 7.000 sociedades locais para a manutenção da saúde militar e o socorro aos soldados feridos e doentes. A Comissão Cristã, surgida de uma convenção de Y.M.C.A.'s, focou principalmente na saúde espiritual dos soldados, mas foi naturalmente atraída para a administração de ajuda material. A Comissão Sanitária transferiu seu escritório central para Washington; a Comissão Cristã mantinha apenas uma filial lá, com seu escritório central em Nova York.

Artilharia (nos. 0859-0863)

Essas cinco visualizações não têm lugar nem data.

Miscelânea (nos. 0864-869)

Essas seis visualizações não têm lugar nem data.

Retratos (nos. 0870-0878)

Esses retratos foram todos tirados pela Galeria Brady.

Oficiais do Exército Federal (nº 0879-1008)

Oficiais da Marinha Federal (nos. 1009-1019)

Nesta seção, o posto de oficial indicado na legenda é o da insígnia ou uniforme visível no retrato. Informações adicionais são adicionadas entre colchetes em dois casos: (1) quando o oficial alcançou, durante seu serviço ativo na Guerra Civil, um posto superior ao mostrado, este posto superior e sua data são inseridos e (2) quando o posto mostrado foi concedido no ou após o fim da guerra (freqüentemente como um brevet), a data de tal patente é adicionada. Essas informações servem, até certo ponto, para datar o retrato, bem como para dar uma ideia mais verdadeira da verdadeira posição do oficial em tempos de guerra.

Oficiais do Governo dos Estados Confederados (nos. 1020-1023)

Oficiais do Exército e da Marinha Confederados (nos. 1024-1027)

Retratos adicionais (nos. 1048-1110)

Retratos de homens alistados (e um oficial) não incluídos na edição anterior em microfilme deste conjunto de fotografias selecionadas.

Brady e Gardner (nos. 1111-1115)

Retratos de Mathew Brady, seu estúdio, um fac-símile de uma carta que escreveu a Lincoln e uma fotografia da câmara escura sobre rodas de Alexander Gardner.


Construir até Gettysburg: 30 de junho de 1863 - História

Por Salena Zito - 30 de junho de 2013

GETTYSBURG & ndash Quando o General Robert E. Lee formou suas linhas de batalha em Seminary Ridge, ele reuniu o maior exército confederado que apareceu em qualquer campo de batalha da Guerra Civil.

Nunca antes Lee comandou tantos homens. E nunca mais ele estaria ao alcance de um número tão grande para seguir suas ordens como aqueles homens enfileirados por quase uma milha naquele campo fatídico.

Era 3 de julho de 1863. Os Estados Unidos estavam 13 anos antes de seu centésimo aniversário e estavam, talvez, horas depois de testemunhar sua morte como resultado de suas próprias divisões amargas.

A estratégia de Lee & rsquos, enquanto marchava com seu exército para fora de Chancellorsville, Va., Em junho, era seguir para o norte e tomar a capital da Pensilvânia, Harrisburg, a fim de vencer a guerra & ndash não uma batalha ou campanha, mas toda a guerra & ndash em solo do norte .

Apoiado por tropas animadas, ele partiu para a Pensilvânia para convencer o Norte, por meio de um ataque decisivo, de que os confederados poderiam e iriam prevalecer.

Ele iria para o túmulo carregando o fardo de não ter explicado totalmente seu plano a seus subordinados. Que, ao dar as primeiras ordens no primeiro dia da batalha de três dias, ele disse a seus generais para tomarem o terreno elevado da colina do cemitério & ldquoif viável & rdquo & ndash e, usando uma frase tão indefinida, ele falhou em transmitir sua intenção de terminar a guerra em seus termos, naquele campo de batalha.

Foi por isso que seus subordinados nunca se comportaram como se estivessem engajados em uma estratégia de alto risco para vencer a guerra.

O ataque começou a partir de Seminary Ridge com os homens dos Major Generals George Pickett e Isaac Trimble e o Brigadeiro General J. Johnston Pettigrew marchando lentamente para o leste. Quase imediatamente, a artilharia da União de Cemetery Hill a Little Round Top abriu fogo na linha de avanço de quase um quilômetro de extensão.

Apesar das lacunas sangrentas abertas em suas fileiras pelos projéteis de artilharia e cartuchos da União e pelos rifles de infantaria da União, os confederados continuaram avançando. Eles atacaram implacavelmente e os soldados da União lutaram com igual ferocidade.

Tão terrível foi o fogo de artilharia da União que arrancou a folhagem das árvores em Seminary Ridge, como se um tornado tivesse passado.

Os homens de Lee & rsquos avançaram em direção ao centro da linha da União até se agruparem em uma massa confusa, com quase 30 homens de profundidade. Pickett ordenou que sua divisão se unisse a Pettigrew & rsquos ao nordeste, mas isso imediatamente expôs seu flanco direito à artilharia da União em Little Round Top e Cemetery Ridge.

Ao mesmo tempo, as brigadas de Pettigrew e rsquos caíram sob fogo intenso em seu flanco esquerdo exposto.

Em menor número, sem o reforço, os confederados que não foram capturados ou mortos deixaram um tapete de mortos no campo e recuaram para o Seminary Ridge.

Dos mais de 13.000 homens que atacaram Pickett no campo, mais da metade estava morto entre as duas cristas. Outros milhares mancaram ou rastejaram, feridos e abatidos, de volta às linhas confederadas.

Pickett perdeu quase 3.000 de seus homens de divisão e rsquos, incluindo todos os seus generais comandantes, dois generais de brigadeiro e seis coronéis. Talvez ele também tenha perdido o apetite pela glória da guerra. Quando Pickett retornou às linhas confederadas, o general Lee ordenou que ele preparasse sua divisão contra um possível contra-ataque da União.

& ldquoGeral Lee, não tenho divisão agora & rdquo foi tudo o que o despedaçado Pickett conseguiu responder.

Lee já sabia disso, é claro. Ele assistiu Pickett & rsquos Charge de Seminary Ridge, viu suas tropas & rsquo avançar determinado pelo campo aberto sob fogo assassino, suas fileiras caindo constantemente, a fumaça e confusão quando eles começaram a encolher na batalha.

Nos três dias de luta em e ao redor de Gettysburg, as perdas de ambos os exércitos excederam mais de 50.000 almas & ndash a luta mais sangrenta de todos os tempos em solo americano.

A guerra continuaria por mais dois anos. O país iria se curar eventualmente, mas não até que muitas gerações tivessem se passado.

Na época, as notícias eram conflitantes sobre quem venceu a Batalha de Gettysburg.

Mas a pequena cidade agrícola no condado de Adams, Pensilvânia, tornou-se o ponto de viragem do que resta, 150 anos depois, o pior pesadelo da América e o pior pesadelo da América e tornou-se a chance da América de recomeçar, de acertar o que nossa nação representa.


As batalhas

Com o início da guerra ainda fresco em suas mentes e as expectativas de que a luta seria intensa, mas curta, as tropas da União estavam ansiosas para entrar em ação. Gritos de “On to Richmond” ecoaram pelas colinas ao redor de Washington enquanto as tropas avançavam sobre as forças confederadas perto de Bull Run, aproximadamente 30 milhas a sudoeste da capital do norte. O presidente Lincoln acreditava que um ataque a uma unidade confederada menor aumentaria o moral e abriria caminho para Richmond, onde esperava capturar a capital confederada. O fim rápido da guerra salvaria a União e evitaria graves danos à economia.

As inexperientes tropas da União, no entanto, encontraram soldados confederados determinados que se recusaram a ceder seu terreno. Em 21 de julho de 1861, uma brigada da Virgínia liderada por Thomas J. Jackson bloqueou o avanço dos ianques como um muro de pedra. Jackson se tornou um herói de guerra do sul e o apelido de “Stonewall” Jackson pegou. O contra-ataque dos sulistas efetivamente empurrou as tropas da União para trás. Muitos soldados ianques até largaram suas armas e suprimentos em sua retirada apressada.

A impressionante vitória em Bull Run aumentou muito a confiança dos soldados confederados - e seus egos. Os sulistas se gabaram de sua vitória e acreditaram que haviam provado sua superioridade militar. Um sentimento de orgulho varreu o sul e muitos pensaram que a guerra havia acabado. O número de alistamentos no sul caiu drasticamente e os planos de avançar pelo território do norte para capturar Washington demoraram a se materializar. Embora a vitória sobre o exército da União em Bull Run tenha sido um grande sucesso, mais tarde seria descoberto que realmente prejudicou a causa da Confederação.

A derrota humilhante em Bull Run exigiu que o exército da União se reagrupasse. Os ianques fizeram planos para uma luta mais longa e difícil. O Congresso autorizou o alistamento de 500.000 soldados. Desta vez, no entanto, eles assinaram acordos de três anos para garantir que houvesse mão de obra suficiente para sobreviver a uma guerra prolongada.

No final de 1861, Lincoln nomeou o General George McClellan para liderar uma grande força da União chamada Exército do Potomac. Lincoln acreditava que McClellan, um líder querido e apaixonado, seria capaz de preparar as tropas da União para a batalha. McClellan trabalhou para elevar o moral de suas tropas e prepará-las para a guerra. Mas o general ruivo era excessivamente cauteloso e acreditava que o exército confederado o superava em número. Ele expandiu o treinamento das tropas ianques por mais alguns meses. A inatividade do exército da União preocupou Lincoln. O comandante em chefe queria enfrentar o inimigo e seguir em frente com seus planos para capturar Richmond e dividir a Confederação marchando pela Geórgia e pelas Carolinas.

Lincoln finalmente ordenou que McClellan avançasse. O general formulou um plano para contornar o terreno difícil da Virgínia e usar uma rota de água para se aproximar de Richmond. A capital ficava na porção oeste de uma estreita península formada pelos rios James e York. A Campanha da Península convocou McClellan e cerca de 100.000 soldados para trabalhar lentamente seu caminho até o rio James em direção a Richmond. Na primavera de 1862, enquanto os soldados da União se moviam ao longo da costa leste em direção à península, os combates na área mudaram para a água. O USS Monitor e o confederado Merrimack participou da primeira luta da história entre navios blindados. Os poderosos couraçados lutaram até a paralisação quando o Merrimack começou a beber água e voltou para Norfolk.

A tecnologia naval da União e a perseverança garantiram a hidrovia para o Norte e ajudaram os Yankees a capturar Yorktown. McClellan continuou rio acima, onde deveria se encontrar com reforços antes de atacar a capital. Lincoln, no entanto, desviou os reforços para atacar o regimento de Stonewall Jackson que estava causando estragos no Vale Shenandoah e ameaçando a segurança de Washington, D.C.

Com a mudança inesperada nos planos, o grupo de McClellan empacou perto de Richmond. O atraso deu a Robert E. Lee tempo para lançar um ataque às tropas da União. As batalhas dos sete dias ocorreram entre 26 de junho e 2 de julho de 1862 e eventualmente forçaram McClellan a voltar para a costa. Mais de 10.000 soldados da União morreram e quase 20.000 sulistas perderam a vida no conflito de uma semana. Mais uma vez, a Confederação atribuiu uma perda vergonhosa ao Norte e forçou os líderes sindicais a reavaliar seus planos.

Lincoln se cansou do ritmo vagaroso de McClellan e do foco intenso em capturar Richmond sem demolir o exército que o protegia. O presidente percebeu que, para vencer a guerra, as forças inimigas deveriam ser desmanteladas. A visão de McClellan da guerra como um jogo de xadrez com mais estratégia do que luta não agradou a Lincoln ou ao Congresso. Conseqüentemente, o presidente liberou o general de sua autoridade e o colocou sob o comando do general Henry Halleck.

Muitos historiadores acreditam que se McClellan não tivesse renunciado à sua posição fora de Richmond e capturado a cidade quando teve a chance, a guerra poderia ter terminado, a União poderia ter sido salva e a escravidão poderia ter permanecido como estava antes do início da luta. Até então, os nortistas ainda lutavam para salvar a União, não para eliminar a escravidão. Porém, ao perder outra batalha para o Sul, a guerra se prolongou. Lincoln, que estava determinado a fazer a Confederação pagar pelos danos que causou à União, concentrou-se mais na libertação dos escravos e começou a trabalhar na Proclamação de Emancipação.

Agora no comando das tropas da União na Virgínia, o general Halleck decidiu retirar suas forças. Robert E. Lee aproveitou o reagrupamento dos ianques para avançar rapidamente seus homens para o norte. O grupo dominou o regimento do general John Pope e os forçou a recuar de Bull Run, o mesmo local onde 13 meses antes as forças da União sofreram sua primeira derrota na Guerra Civil.

Cambaleando com a incompetência de seus líderes militares, Lincoln novamente recorreu a McClellan para colocar o exército da União de volta aos trilhos. Enquanto Lee movia corajosamente suas forças confederadas para o norte, McClellan obteve informações de comunicações confederadas capturadas que forneciam detalhes da posição de Lee. No outono de 1862, McClellan revisou sua estratégia e finalmente encurralou Lee e aproximadamente 40.000 tropas confederadas entre Potomac e Antietam Creek. McClellan manobrou seus homens para encerrar a batalha e capturar Lee. Ele ainda tinha reservas disponíveis e as tropas da União chegaram na hora para dar seu apoio. Mas a escuridão caiu e McClellan manteve suas posições. Ao amanhecer, Lee previu um ataque agressivo dos nortistas, mas nenhum veio. Um dia inteiro se passou e McClellan ainda se recusou a ordenar que seus homens avançassem sobre os sulistas presos. Ao cair da noite, os soldados confederados cruzaram o Potomac e voltaram para a Virgínia.

McClellan impediu com sucesso os confederados de cumprir sua missão, mas novamente o general falhou em reivindicar uma vitória no campo de batalha. E, pior ainda, ele permitiu que Lee escapasse para reconstruir seu exército por outro dia. Lincoln com raiva dispensou McClellan de seu comando pela segunda e última vez. Embora estivesse furioso porque o exército da União não destruiu os regimentos confederados, Lincoln enfatizou o fato de que os sulistas foram forçados a recuar. Ele aproveitou a oportunidade para anunciar ao público a Proclamação de Emancipação.

As forças do sul continuaram a registrar vitórias. Mas durante uma batalha em Chancellorsville, Virgínia, em 1863, o exército confederado sofreu um golpe severo - Stonewall Jackson foi baleado por engano por seus próprios homens quando retornou de uma missão de reconhecimento. A perda da liderança excepcional de Jackson e da experiência no campo de batalha forçou o exército confederado a reavaliar sua estratégia.

Depois de Antietam, Lincoln nomeou uma série de generais para liderar o Exército do Potomac, e cada comandante teve tanto sucesso no fracasso quanto seu predecessor. No final de junho de 1863, o General George Meade recebeu as rédeas do exército. Ele e Lee eram amigos e serviram juntos durante a Guerra do México. Quando Lee ouviu falar da promoção de Meade, ele sabia que estava enfrentando um adversário formidável. Meade assumiu o comando de quase 100.000 homens em Gettysburg, Pensilvânia, onde os soldados lutavam contra 76.000 soldados confederados. Por três dias, entre 1º de julho e 3 de julho, o ímpeto mudou do sul para o norte e de volta para o sul.

Em 3 de julho, quando as armas da União silenciaram e os soldados confederados pensaram que estavam em vantagem, o general do sul George Pickett liderou um ataque contra as linhas da União. No entanto, conforme os confederados marcharam cada vez mais perto, as forças da União voltaram à vida e aniquilaram as divisões que avançavam. A União sofreu mais de 23.000 baixas, o Sul 28.000. A Batalha de Gettysburg se tornou a batalha mais sangrenta da Guerra Civil.

Mais tarde naquele ano, em um dia frio de outono, o presidente Lincoln visitou o local onde tantos homens perderam a vida. Ele deveria dedicar o cemitério e fazer um breve discurso. O discurso de Gettysburg de Lincoln foi rapidamente classificado como "ridículo" e "bobo" pelos críticos, mas se tornaria um dos discursos mais famosos já pronunciados.

Nas batalhas que aconteceram no oeste, Lincoln finalmente encontrou um general em quem podia confiar. O general Ulysses S. Grant era um graduado de West Point, bebedor pesado, que normalmente trabalhava em postos de fronteira remotos. O primeiro sucesso de Grant na Guerra Civil aconteceu em fevereiro de 1862, quando liderou a captura do Fort Henry e do Fort Donaldson nos rios Tennessee e Cumberland.

Depois que as forças do norte tomaram Nova Orleans, Grant liderou seu exército para atacar Vicksburg, Mississippi. A Confederação usou uma área entre Vicksburg e Port Hudson, Louisiana, para transportar gado e outros suprimentos do oeste para as cidades do sul. Depois de intensos combates, Grant tomou Vicksburg em 4 de julho de 1863. Menos de uma semana depois, ele desferiu um golpe significativo nos confederados com a captura de Port Hudson. As vitórias de Grant, juntamente com a derrota dos Confederados em Gettysburg, mudaram a maré do ímpeto a favor da União. A mudança de eventos forçou a Inglaterra e a França a cancelar os principais contratos de fornecimento de armas e navios para o sul.

No verão de 1864, o Norte teve o General Lee nas cordas várias vezes, mas eles nunca conseguiram desferir o nocaute. Enquanto as forças da União continuavam a perseguir Lee e sua companhia por todo o Upper South, o general William Tecumseh Sherman marchou com suas tropas pela Geórgia até o mar. Em seu rastro, ele deixou cidades e vilas confederadas em ruínas para que os sulistas não tivessem mais nada para usar contra as tropas da União.

Sherman disse a Grant que se um regimento de soldados do norte pudesse marchar pelo sul, os confederados perceberiam que a União poderia fazer o que quisesse. A marcha de Sherman marcou o início do fim da Confederação. A resistência do Sul começou a enfraquecer à medida que os soldados confederados se cansavam de estar em menor número. Em 22 de dezembro de 1864, Sherman capturou Savannah, Geórgia, e em fevereiro dominou as tropas do sul em Columbia, Carolina do Sul.

As forças do sul continuaram a se deteriorar conforme as tropas da União conquistaram mais cidades confederadas. Então, em 3 de abril de 1865, Grant ordenou que mais de 100.000 soldados cercassem Lee e seus 30.000 homens fora de Richmond. O condecorado líder confederado percebeu que o fim estava próximo e a resistência era inútil. Em 9 de abril de 1865, Lee e Grant se reuniram em Appomattox Court House para concordar com os termos de rendição. Por ordem de Lincoln, a única exigência da União era que os soldados confederados deponham as armas.

Depois de quatro anos de luta e 600.000 soldados mortos - totalizando quase tantas vidas perdidas do que todas as guerras americanas juntas - a Guerra Civil finalmente terminou. Um em cada quatro soldados confederados morreu ou sofreu ferimentos debilitantes, enquanto um em cada dez soldados da União perdeu a vida. No ano seguinte à rendição, o Mississippi alocou um quinto de seu orçamento para comprar membros artificiais para seus veteranos. O Sul, que perdeu um quarto de sua população masculina branca entre as idades de 20 e 40 anos, prometeu reconstruir suas terras e lembrar de seus heróis.


Campanha Gettysburg

Depois de vitórias impressionantes em Fredericksburg e Chancellorsville, Virgínia, no início de maio de 1863, o general confederado Robert E. Lee levou a guerra para o norte, para a Pensilvânia. Depois de mais de três semanas marchando pelo Vale de Shenandoah e pelo oeste de Maryland, o Exército da Virgínia do Norte alcançou o condado de Adams e ocupou Gettysburg em 26 de junho. O Gen. da União George G. Meade liderou o Exército do Potomac na perseguição e se aproximou desta área do sul. Enquanto Lee concentrava suas forças espalhadas perto de Gettysburg, eles colidiram com os federais em 1o de julho e começaram uma batalha que nenhum dos lados pretendia travar aqui. Três dias depois, os confederados derrotados começaram a recuar para a Virgínia com o exército do Potomac a seguir. As tropas de Lee chegaram ao rio Potomac e cruzaram de volta para a Virgínia em 14 de julho.

Para seguir seus passos e descobrir suas histórias, pare no Centro de Visitantes do Parque Militar Nacional de Gettysburg ou em qualquer Centro de Boas-Vindas local para pegar um Gettysburg: invasão e retirada Guia de mapas da Trilha da Guerra Civil. Dirija com cuidado enquanto aprecia a história e a beleza das Trilhas da Guerra Civil.

Erguido em 2009 pela Civil War Trails.

Tópicos e séries. Este marcador histórico está listado nesta lista de tópicos: Guerra, Civil dos EUA.

Além disso, ele está incluído na lista da série de Trilhas da Guerra Civil da Pensilvânia. Um mês histórico significativo para esta entrada é maio de 1863.

Localização. 39 e 47.305 & # 8242 N, 77 & deg 15.333 & # 8242 W. Marker está localizado em Cumberland Township, Pensilvânia, no condado de Adams. O marcador pode ser alcançado pela Emmitsburg Road (Business U.S. 15), 0,2 milhas ao sul da South Confederate Avenue. Marker está na entrada da garagem em frente à South End Guide Station. Este é um pequeno edifício de pedra que hoje é usado como banheiros. O prédio fica do lado direito da estrada ao viajar para o norte. Toque para ver o mapa. O marcador está nesta área dos correios: Gettysburg PA 17325, Estados Unidos da América. Toque para obter instruções.

Outros marcadores próximos. Pelo menos 8 outros marcadores estão a uma curta distância deste marcador. Visitando o campo de batalha (a poucos passos deste marcador) Brigada de Benning (cerca de 150 metros de distância, medida em linha direta) Batalhão de Henry (cerca de 500 metros de distância) Bateria de Bachman - Batalhão de Henry (cerca de 150 metros de distância) Quarta Infantaria do Alabama - Brigada de Direito (cerca de 600 pés de distância) Brigada de Law (cerca de 700 pés de distância) Texas (cerca de 700 pés de distância) Divisão de Hood (cerca de 700 pés de distância). Toque para obter uma lista e um mapa de todos os marcadores em Cumberland Township.

Mais sobre este marcador. Este marcador faz parte de um conjunto padrão usado pelas Trilhas da Guerra Civil em paradas em Maryland e na Pensilvânia.


Construir até Gettysburg: 30 de junho de 1863 - História

A segunda invasão de L ee ao Norte foi uma aposta - uma aposta que ele perdeu com sua derrota em Gettysburg no início de julho de 1863. No terceiro e último dia da batalha, (3 de julho) Lee tentou quebrar as linhas da União com um ataque massivo liderado por O general George Pickett mirou no centro do inimigo.

Foi um desastre, forçando Lee a iniciar uma retirada em direção ao rio Potomac e à Virgínia no dia seguinte.

O general confederado John Imboden comandou uma brigada de cavalaria que chegou a Gettysburg na tarde de 3 de julho - tarde demais para participar da batalha. Naquela noite, o general Lee ordenou a Imboden que esperasse em seu quartel-general, onde receberia mais instruções. Nós nos juntamos à história do General Imboden nas primeiras horas da manhã de 4 de julho, enquanto ele e sua equipe aguardam a chegada do General Lee:

“Quando ele chegou, não havia nem mesmo um sentinela de plantão em sua tenda, e ninguém de sua equipe estava acordado. A lua estava alta no céu claro e a cena silenciosa era invulgarmente vívida. Quando ele se aproximou e nos viu deitados na grama sob uma árvore, ele falou, puxou as rédeas de seu cavalo cansado e tentou desmontar. O esforço para fazê-lo traiu tanto cansaço físico que rapidamente me levantei e dei um passo à frente para ajudá-lo, mas antes de chegar ao seu lado ele conseguiu pousar e atirou o braço sobre a sela para descansar e fixou os olhos no chão inclinou-se em silêncio e quase imóvel sobre seu cavalo igualmente cansado, - os dois formando um grupo impressionante e inesquecível. A lua brilhava em suas feições maciças e revelava uma expressão de tristeza que eu nunca tinha visto em seu rosto. Espantado com sua aparência, esperei que ele falasse até que o silêncio se tornasse constrangedor, quando, para rompê-lo e mudar a corrente silenciosa de seus pensamentos, me atrevi a comentar, em tom simpático, e em alusão ao seu grande cansaço:


Combate mão-a-mão
no terceiro dia da batalha
De um desenho contemporâneo
"General, este foi um dia difícil para você."

Ele ergueu os olhos e respondeu tristemente: 'Sim, foi um dia muito triste para nós', e imediatamente recaiu em seu estado de espírito e atitude pensativos. Não querendo mais me intrometer em suas reflexões, não disse mais nada. Depois de talvez um ou dois minutos, ele de repente se endireitou em toda a sua estatura e se virou para mim com mais animação e entusiasmo de maneiras do que eu jamais tinha visto nele, pois ele era um homem de maravilhosa equanimidade, disse ele em voz trêmulo de emoção: 'Nunca vi tropas se comportarem de forma mais magnífica do que a divisão de Virginians de Piquete naquele grande ataque ao inimigo. E se eles tivessem sido apoiados como deveriam ter sido, - mas, por alguma razão - ainda não totalmente explicado para mim, não foram - nós teríamos mantido a posição e o dia teria sido nosso. ' Depois de um momento de pausa, ele acrescentou em voz alta, em um tom quase de agonia: 'Que pena! Muito ruim! OH ! MUITO RUIM! '& Quot

Lee ordena ao General Imboden e sua brigada de cavalaria que protejam o trem em retirada de feridos confederados enquanto ele recua através do rio Potomac para a Virgínia. A coluna se move às quatro horas da tarde e se estende por quilômetros. As carroças carregam os gravemente feridos, enquanto os feridos ambulantes se arrastam atrás. A coluna segue para oeste pelas montanhas da Pensilvânia. Voltamos à história do General Imboden na noite de 4 de julho:

& quotDepois de escurecer, parti de Cashtown para ganhar o título da coluna durante a noite. Minhas ordens foram peremptórias para que não houvesse nenhuma parada por qualquer causa. Se um acidente acontecesse com qualquer veículo, ele deveria ser imediatamente colocado fora da estrada e abandonado. The column moved rapidly, considering the rough roads and the darkness, and from almost every wagon for many miles issued heart-rending wails of agony. For four hours I hurried forward on my way to the front, and in all that time I was never out of hearing of the groans and cries of the wounded and dying. Scarcely one in a hundred had received adequate surgical aid, owing to the demands on the hard-working surgeons from still worse cases that had to be left behind. Many of the wounded in the wagons had been without food for thirty-six hours. Their torn and bloody clothing, matted and hardened, was rasping the tender, inflamed, and still oozing wounds. Very few of the wagons had even a layer of straw in them, and all were without springs. The road was rough and rocky from the heavy washings of the preceding day. The jolting was enough to have killed strong men, if long exposed to it. From nearly every wagon as the teams trotted on, urged by whip and shout, came such cries and shrieks as these:

'My God I will no one have mercy and kill me!'

'Stop! Oh! For God's sake, stop just for one minute take me out and leave me to die on the roadside.'

'I am dying! I am dying! My poor wife, my dear children, what will become of you?'

Some were simply moaning some were praying, and others uttering the most fearful oaths and execrations that despair and agony could wring from them while a majority, with a stoicism sustained by sublime devotion to the cause they fought for, endured without complaint unspeakable tortures, and even spoke words of cheer and comfort to their unhappy comrades of less will or more acute nerves. Occasionally a wagon would be passed from which only low, deep moans could be heard. No help could be rendered to any of the sufferers. No heed could be given to any of their appeals. Mercy and duty to the many forbade the loss of a moment in the vain effort then and there to comply with the prayers of the few. On I On I we must move on. The storm continued, and the darkness was appalling. There was no time even to fill a canteen with water for a dying man for, except the drivers and the guards, all were wounded and utterly helpless in that vast procession of misery. During this one night I realized more of the horrors of war than I had in all the two preceding years."

Harassed by Union cavalry and pelted by driving rain that turned the ground into a quagmire of mud, the retreating column reached the town of Williamsport on the afternoon of July 5th. Occupying the town, General Imboden turns it into a giant hospital, ordering the citizens to cook for the wounded. The following day Union cavalry attacked the town in strength:


The retreat
From a contemporary drawing
"The enemy appeared in our front about half-past one o'clock on both the Hagerstown and Boonsboro roads, and the fight began. Every man under my command understood that if we did not repulse the enemy we should all be captured and General Lee's army be ruined by the loss of its transportation, which at that period could not have been replaced in the Confederacy. The fight began with artillery on both sides. The firing from our side was very rapid, and seemed to make the enemy hesitate about advancing. In a half hour J. D. Moore's battery ran out of ammunition, but as an ordnance train had arrived from Winchester, two wagon-loads of ammunition were ferried across the river and run upon the field behind the guns, and the boxes tumbled out, to be broken open with axes. With this fresh supply our guns were all soon in full play again.

. Night was now rapidly approaching, when a messenger from Fitzhugh Lee arrived to urge me to 'hold my own,' as he would be up in a half hour with three thousand fresh men. The news was sent along our whole line, and was received with a wild and exultant yell. We knew then that the field was won, and slowly pressed forward. Almost at the same moment we heard distant guns on the enemy's rear and right on the Hagerstown road. They were Stuart's, who was approaching on that road, while Fitzhugh Lee was coming on the Greencastle road. That settled the contest."


Referências:
Foote, Shelby, Stars in Their Courses : The Gettysburg Campaign June-July 1863 Imboden, John "The Confederate Retreat From Gettysburg" in Buel, Clarence, and Robert U. Johnson, Battles and Leaders of the Civil War, Vol. IV (1888, reprinted 1982) Wheeler Richard, Voices of the Civil War (1990).


150 Years of Misunderstanding the Civil War

Modern Mapping Tools Meet the Battle of Gettysburg

The Atlantic's Special Civil War Issue

This was far different during the Civil War, when most families -- North and South -- had a relative in uniform. The scale of service and carnage seems incomprehensible today. One in ten Americans fought, and 750,000 died. With today's population, that would be more than seven million dead, in contrast with about 6,700 service member deaths in Iraq and Afghanistan and some 3,000 Americans killed by terrorist groups.

We are fortunate not to have known war or foreign aggression on our own soil since the Civil War, with very few exceptions (most notably Pearl Harbor and the September 11th attacks). In this we are the global minority. Ours is a country that sends soldiers longe to war. When they return, they face the isolating task of trying to process where they have been, what they have been doing, and what place they will have in society.

So it was in Gettysburg until the summer of 1863, when the war came home. One hundred and sixty thousand Union and Confederate soldiers descended on the little town of 2,400, and for the first three days of July, homefront and battlefield held no distinction.

Residents cowered in cellars as artillery shells screamed overhead. The southern end of town became a no man's land as Confederate snipers hidden in houses traded fire with Union snipers around Cemetery Hill. Out in the fields and forests -- within view of Gettysburg streets and homes -- the two armies slaughtered each other in places that would soon be known across America: Little Round Top and the Wheatfield, Culp's Hill and the Devil's Den.

Neither side had meant for Gettysburg to be the meeting place, but the battle would be the bloodiest in American history, with more than 50,000 killed, wounded or missing over three days of fighting -- a few thousand less than the American casualties from more than a decade of war in Iraq and Afghanistan.

The Rebel and Yankee wounded filled the courthouse and train station, churches and homes. A carpenter's shop served as one of many operating room, with patients lain across the workbench, and sawed-off arms and legs tossed through an open window onto a growing pile.

News of the great battle would soon sweep across the country, and with it the long lists of dead. "Every name," the Gettysburg Compilador wrote after the battle, "is a lightning stroke to some heart, and breaks like thunder over some home, and falls a long black shadow across some hearthstone." Family members journeyed to the town hoping to find a loved one still alive -- initial reports of death were sometimes wrong -- or at least find the body to take home for burial.

General Robert E. Lee's army fled south, with the Union in pursuit. But the people of Gettysburg were immersed, for months, in the war and its after effects. The two armies left behind more than 15,000 wounded. And the town and surrounding areas were strewn with thousands of dead men and 5,000 dead horses and mules. People wiped peppermint oil under their noses to mask the horrid stench. o Compilador called for help in clearing the town and surrounding areas:

Men, Horses and Wagons wanted immediately, to bury the dead and cleanse our streets in such a thorough way as to guard against pestilence. Every good citizen can be of use.

Carrying long-dead bodies is fairly far along the spectrum of citizen involvement in war. Today we live at the other extreme, in which nothing is asked of us. For the most part, lives here have gone on just the same over these many years of war. Our homes are not destroyed or filled with wounded. Our streets and parks and fields are not strewn with dead.

The people of Gettysburg were forced into involvement we have the luxury of ignoring war. But while distance may insulate us from war's effects, it does not lessen our moral obligation as citizens to be aware of what is done abroad on our behalf.


Guns And KKK Members At Gettysburg Confederate Rally, But No Foes To Fight

GETTYSBURG, Pa. ― A few hundred armed militia group members, Sons of Confederate Veterans, Ku Klux Klaners, supporters of President Donald Trump, and other self-described patriots descended upon the Gettysburg battlefield Saturday to defend the site’s Confederate symbols from phantom activists with the violent far-left group Antifa.

Some carried semi-automatic rifles ― permitted in Pennsylvania ― as they peered out across the battlefield with binoculars, on the lookout for the black-clad, face-masked anti-fascists, anarchists and socialists they said they had heard were traveling to the national park to dishonor Confederate graves, monuments and flags.

Although many came expecting violence ― even after Antifa made it clear its adherents never planned to show up ― the only bloodshed came when a lone militia group member accidentally shot himself in the leg.

In the two years since white supremacist and Confederate flag admirer Dylann Roof massacred nine black parishioners at a South Carolina church, the movement to remove Confederate symbols from public property has gained renewed purpose and momentum . So far, 60 Confederate symbols have been removed from city- and state-owned land across the U.S., according to the Southern Poverty Law Center. Most recently, the city of New Orleans toppled four statues honoring the Confederacy.

This has incensed and energized militia groups and white supremacists across the country, who claim Confederate symbols represent heritage and history, not hate. In May, white supremacists showed up with torches at a monument to Confederate Gen. Robert E. Lee in Charlottesville, Virginia, after the city moved to take it down.

Saturday’s rally in Gettysburg showed pro-Confederate activists increasingly agitated, armed, and itching for a fight ― even when there is no one to clash with them.

Once a storm had passed through and the sweltering July sun returned, they gathered on the battlefield here just north of the headquarters of Union Army General George Meade, whose army repelled the Confederacy in the Civil War’s most decisive battle.

The Sons of Confederate Veterans pledge allegiance to the Confederacy in Gettysburg pic.twitter.com/Pf2tCsw4XV

&mdash Andy Campbell (@AndyBCampbell) July 1, 2017

After singing the National Anthem and performing the Pledge of Allegiance, the hundreds of Southern Army enthusiasts ― many of whom wore Trump pins, hats or T-shirts ― took a moment to honor the Confederate flag.

“I salute the Confederate flag,” they said in unison, “with affection, reverence and undying devotion to the cause for which it stands.”

Billy Snuffer, who identified himself as the Imperial Wizard for the Rebel Brigade of the Knights of the Ku Klux Klan, told HuffPost that there were KKK members scattered across the battlefield to “aid law enforcement” and protect the area’s 20 or so Confederate monuments from Antifa.

“The Confederate battle flag has nothing to do with slavery,” he said, standing in the same area where 154 years ago the Confederate Army marched into town, abducting free black Americans and sending them to the South to be sold into slavery.

“This is our history, this is our heritage,” the Martinsville, Virginia, resident said of the monuments.

In mid-June, rumors had spread online that Antifa, a decentralized group known for violently confronting white supremacists and hate groups, planned to burn a Confederate flag and desecrate Confederate gravestones in Gettysburg on July 1, the date the three-day battle began in 1863.

The rumors mobilized various far-right groups, who secured permits from the National Park Service to show up en masse to the battlefield, setting the stage for what they thought would be a dramatic showdown between the opposing fringe elements of U.S. politics.

But the central Pennsylvania chapter of Antifa told local newspapers last week that it never intended to gather at Gettysburg.

The rumors, the group told HuffPost in a Facebook message, were the work of online trolls. One such tale said Antifa members were going to urinate on Confederate gravestones. One problem: There aren’t any Confederate gravestones to desecrate. Although some Confederate soldiers are buried at Gettysburg, their final resting places aren’t marked.

Still, efforts to quell the rumors didn’t stop anti-government militia groups from across the country ― including West Virginia, Michigan, Nebraska and California ― from showing up Saturday.

“Our main purpose is just to defend the historical parts of the city here and stop them from being destroyed and keep people who aren’t part of anything . safe,” said a 27-year-old who would give his name only as Thor and who said he was a veteran of the war in Afghanistan.

He said he was aware that Antifa likely wasn’t going to show, but that he felt compelled to be there, just in case.

Thor, a Gettysburg-area resident and member of the anti-government militia group the Three Percenters, wore an ammunition belt around a bulletproof vest. The sleeves of his camouflage uniform were rolled up, revealing the word “INFIDEL” tattooed to his arm.

Asked what he thought about all the Confederate symbols being removed from public property across the U.S., Thor didn’t mince words.

The assembled groups’ hatred for Antifa Saturday was surpassed only by their anger at the growing movement to remove Confederate symbols from public property.

Ted Fields, a Sons of Confederate Veterans leader wearing a black leather biker vest, addressed the crowd using a megaphone and asserted that the dismantling of Confederate monuments could lead to the decimation of America itself.

“I believe their master plan is once they get us used to taking down some monuments here and there in some liberal cities, then they’re gonna try it out here and see if that works,” he said.

“The next thing you know, they’re going to take our Constitution and say you know what? That was written by slave-holders, it’s racist, let’s get rid of it and become a communist nation. I don’t want that on my watch.”

A woman named Jenny Lee, who claimed to be Robert E. Lee’s 3rd great grandniece, implored the crowd not to be bowed by political correctness.

“We must never back down or be intimidated by the antics of the ignorant,” she said. “And all the safety-pin-wearing, easily offended, butt-hurt, temper-tantrum-throwing, vagina-hat-wearing, face-covered, commie fascists can kiss my ass.”

Lee was forceful in telling the crowd that the Confederacy ― and by extension, everyone gathered at the rally ― wasn’t racist. The Civil War, she said, wasn’t about slavery. (It was.)

Plus, she added to great applause, thousands of blacks fought for the South, neglecting to mention that they were forced to do so.

As the rally concluded, the sound of cannons could be heard in the distance, as Civil War re-enactors not associated with the pro-Confederate rally shot off blank rounds, smoke billowing out across a different part of the battlefield. Actors in blue and gray uniforms played dead and injured.

But the only person actually shot Saturday in Gettysburg with a real bullet was a 23-year-old militia group member named Benjamin Hornberger, of Shippensburg, Pennsylvania. According to U.S. Park police, Hornberger triggered his revolver when the flag pole he was carrying bumped against his gun holster. The bullet went into his leg. Police say officers quickly applied a tourniquet, likely saving his life.

According to PennLive, Hornberger talked to paramedics and “seemed in good spirits.”

America does not do a good job of tracking incidents of hate and bias. We need your help to create a database of such incidents across the country, so we all know what’s going on. Tell us your story.


The Battle of Gettysburg: A Timeline

The eastern slopes of Cemetery Hill. Union forces had retreated to the hill on July 1, and Gen. Robert E. Lee had asked Gen. Ewell to attack the weakened opponent. Ewell demurred, and some say the Rebels lost a crucial advantage. Bob Malesky, NPR ocultar legenda

Battle Dates: July 1 to July 3, 1863

Forces: 75,000 Confederate, 90,000 Union

Vítimas: 11,000 dead or mortally wounded 29,000 wounded 10,000 missing

Union Commander: George G. Meade

Confederate Commander: Robert E. Lee

A look back at the three-day battle of Gettysburg. The fighting between July 1, 1863 and July 3, 1863 is considered to be the bloodiest of the Civil War. The battle is also regarded a major turning point in the war that pitted the North against the South:

Tuesday, June 30: A Confederate infantry brigade from Gen. A. P. Hill's corps heads toward Gettysburg, Pa., in search of supplies. The Confederates spot Union cavalry heading toward Gettysburg.

Wednesday, July 1: Confederate commanders send troops to engage Brig. Gen. John Buford's cavalry at Gettysburg at McPherson Ridge. Union soldiers, under the command of Maj. Gen. John F. Reynolds arrive midmorning to support Buford. Reynolds is soon killed by a bullet to the head. Confederate Army Gen. Robert E. Lee arrives in Gettysburg mid-afternoon. By then, Union forces are on the retreat through the town of Gettysburg and regroup at Cemetery Hill. Lee orders Confederate Gen. R.S. Ewell to attack at Cemetery Hill, but Ewell hesitates, giving Union troops time to bring in reinforcements and set up artillery. As night falls, the Union's lead commander at Gettysburg, Maj. Gen. George Meade, orders all Union forces to Gettysburg -- in all, more than 90,000 troops.

Thursday, July 2: Meade arrives in the middle of the night. Lee orders two of his generals, James Longstreet and Ewell, to attack the flanks of Union forces on Culp's Hill. But Longstreet delays, and attacks much later than Ewell, giving Union forces more time to strengthen their position.

The Union's Maj. Gen. Daniel Sickles advances in front of the main line and comes under attack. The two sides engage in some of the fiercest fighting of the Civil War, ensuring that the locations Peach Orchard, Devil's Den, the Wheatfield and Little Round Top go down in history. Ewell attacks Union troops at Cemetery Hill and Culp's Hill, but Union forces hold their position. Late in the night, Lee decides on a gamble. On Friday, he will attack where least expected: at the center of the Union line along Cemetery Ridge.

Friday, July 3: Fighting begins around 4 a.m. with cannon fire. Union artillery pounds the Rebels at the lower end of Culp's Hill. Union troops finally succeed in driving the Rebels from the hill, and fighting over Culp's Hill ends. Around 1 p.m., Confederate cannons open fire on the Union position at the center of Cemetery Ridge. The Union artillery slows its fire, to trick the Rebels into thinking they had knocked out the Union cannons.

Gen. George Pickett commands 15,000 Confederate troops as they charge Cemetery Ridge. The Union artillery opens up again, devastating the Confederate line. The battered, outnumbered Rebels begin to retreat. Lee rides out to meet the survivors, taking all the blame. He reportedly says, "All this has been my fault. It is I who have lost this fight, and you must help me out the best way you can." The battle for Gettysburg is over. Gettysburg was the last attempt by the South to launch a major offensive in the northern states.

Nov. 19, 1863: President Abraham Lincoln travels to Gettysburg, which he dedicates as a military cemetery. Lincoln tells the crowd, "in a larger sense, we cannot dedicate -- we cannot consecrate -- we cannot hallow this ground. The brave men, living and dead, who struggled here, have consecrated it, far above our poor power to add or detract."


Assista o vídeo: American History: July 1-3 1863 The Battle of Gettysburg. PENNSYLVANIA (Janeiro 2022).